Sobre ser Youtuber, depressão e felicidade.

Eu voltando feliz pro canal, fazendo vídeo nerd, com 22 views! Kkk

Olá, pessoas queridas, que saudades de escrever por aqui, espero que estejam com saudades de ler (haha). E esse título aí heim? Bora começar!

Não tem coisa mais vergonhosa que se admitir um youtuber, todo mundo acha que tu é um bocó querendo ser o Whindersson Nunes, mas nunca vai conseguir (até porque ele é ele, não tem como ter dois), ou que você não tem nada pra fazer, essas coisas que a gente vai escutando e deixando de ligar. Alguns vão deixando. A verdade é que hoje a internet, e a ferramenta Youtube, se tornou o novo concurso público, com chances de crescimento, e acreditem, estabilidade!

Vou enumerar como funciona o processo:

1- Assistir vídeos constantemente;
2- Descobrir que sabe e domina aquele assunto ou estilo;
3- Ver o sucesso do cara na tela;
4- As histórias sobre como ele era igual a você;
5- Pega a câmera e grava;
6- Edita e posta;
7- Não tem nem 100 views;
8- Estuda o que há de errado;
9- Talvez seja melhor gravar mais para ser notado;
10- Não dá certo;
11- Fracassei.

Isso acontece todo dia, nas férias então, vai rolar muito, é a época que mais nascem canais (um levantamento feito por mim, na minha cabeça, total credibilidade). Esse processo é complicado, porque tu tem tanta fé que pode fazer aquilo, e ninguém te ajuda, mas tu quer, e enfrenta tudo, e não dá certo, seu esforço é pouco. Não vão ter carros, nem a casa, nem vou ser adicionado no grupo do Whats dos Youtubers. Triste. 
Do outro, os grandes precisam se manter, precisam inovar sem perder a raíz, precisam ler os haters, precisam aguentar gente pedindo desde inscritos até casas. Eles são jovens, é muita pressão, é o business que entrou do nada na diversão, e aí, do nada, remedinho pra dormir, do nada, anti-depressivo. Esse é o lado que ninguém quer mostrar, ninguém quer ver, mas está acontecendo também.

Eu já passei por todas as fases do youtuber (que frase pobre kk), sim, passei, porque aceitei o crescimento como pessoa, eu gravo, escrevo porque gosto, viro noites editando porque me amarro em me assistir editado falando algo que eu gosto. Não quero mais as views? Claro que quero! Não quero o youtube money? Claro que quero (tu não?)! Mas se isso não vier, que seja, eu tenho um conteúdo que 2 amigos meus gostam muito. Pra completar, eu agora, finalmente faço vídeos sobre a Palavra de Deus, sobre o meu relacionamento com Ele, e cara, pode ter 4 pessoas vendo, 40, 400, mas não tem nada melhor que expressar isso, gritar sobre o Pai no mundo orfão, isso é satisfação. Aliás, por que não fiz isso antes? Sei lá. Sei que esse é o momento certo, e eu tô amando.

Sou youtuber, sei tudo de métricas, sei que muita coisa rodeia o sucesso, e talvez não queira entrar nesse rodeio. Então, amigo, quer gravar? Grave! Seja feliz, aproveite as férias, experimente, mande pros amigos, se der certo, que bom, se não der… Quem disse que não deu? Dar certo é ser o que os outros querem, ou ser feliz? E é com essa frase de efeito fraca que eu finalizo mais um texto aqui, dessa vez foi pobrinho, sem muitas conexões geniais (kk, eu acho as dos outros texto geniais), mas bem verdadeiro. Um abraço, escrevo para vocês em breve..

Like what you read? Give Walyson a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.