Dishonored

Desenvolvido pela Arkane Studios e distribuído pela Bethesda Softworks, mesma distribuidora e produtora da série Elder Scrolls, Dishonored é um jogo em primeira pessoa com uma jogabilidade versátil que te deixa livre para escolher entre passar despercebido por toda a missão ou eliminar tudo e todos que você encontrar no caminho. O jogo te apoia em qualquer uma dessas decisões e te dá as ferramentas necessárias para qualquer estilo de jogo que você escolher. Você pode terminá-lo sem matar ninguém a não ser alvos principais e necessários para o prosseguimento da história, e há até um troféu/achievement para isso. Apesar de não ser um jogo de mundo aberto, Dishonored explora muito bem o conceito de sandbox, deixando o cenário da missão livre para você explorar e procurar itens, segredos e até mesmo missões secundárias.

Corvo Atano é um membro da guarda da imperatriz Jessamine Kaldwin que estava no lugar errado e na hora errada e é obrigado a vê-la sendo assassinada. Incapaz de agir, Corvo leva a culpa pelo crime e passa meses preso sendo torturado pelos verdadeiros culpados, mas escapa com a ajuda de um grupo de lealistas que pretendem usar suas habilidades para tirar os traidores do poder e devolver a coroa a filha da imperatriz. A história se passa em Dunwall, uma cidade fictícia decadente devido a uma doença trazida por uma praga de ratos. Devido a isso, o ambiente dos bairros é sombrio com residências destruídas e corpo putrificados espalhados pelo chão, dando um clima obscuro ao jogo.

A jogabilidade impressiona, como dito acima, pela liberdade que é dada ao personagem. Há sempre um caminho alternativo não letal para terminar as missões e varias formas diferentes de chegar ao local onde seu alvo está, seja pelo telhado, beiradas e dutos de ventilação com o auxilio de seus poderes (mais sobre isso a frente). Ou mesmo o caminho principal, mas prepare-se pra enfrentar vários inimigos caso escolha essa opção.

Corvo conta com armas físicas como pistolas, granadas e um sabre que pode ser usado em stealth ou combate direto, ferramentas que te permitem e configurar armadilhas inimigas para serem usadas a seu favor, e também com poderes dados a ele por um tipo de entidade cultuada por alguns moradores de Dunwall. Entre esses poderes estão habilidades focadas em movimentação, mas que também funcionam quando usadas em combate, como “Blink”, que é basicamente ir de um ponto a outra em uma velocidade muito rápida, vertical e horizontalmente; e “Bend Time”, que “desacelera” o tempo e permite que você passe por um inimigo sem ser percebido ou se aproxime para elimina-lo. A habilidade“Possession” te permite, literalmente, possuir ratos e alcançar áreas que apenas ratos podem alcançar, abrindo uma nova gama de caminhos para alcançar seu objetivo. Há runas espalhadas pelos cenários, que podem ser coletadas para adquirir melhorias para seus poderes, assim como blueprints, que quando levados a um personagem especifico te permitem comprar upgrades para suas armas, e “bone charms”, que são colecionáveis e te dão alguma vantagem específica como maior resistência a danos, aumento de mana ou se movimentar mais rápido enquanto está agachado.

Artisticamente, Dishonored não tem grandes destaques. A trilha sonora combina bem com a ambientação e os momentos do jogo, mas não é memorável e. E quanto ao design dos personagens, eu só queria que as mãos deles fossem menores e mais proporcionais.

Um dos poucos pontos negativos do jogo é a impossibilidade de continuar um New Game +. Após terminar o jogo você não possui as mesmas atualizações que adquiriu durante seu save anterior, sendo obrigado a começar do zero, mesmo jogando em uma dificuldade maior. E há algumas “invisible walls” que me fazem torcer o nariz um pouco, que poderiam ser corrigidas com um empenho maior dos level designers, mas mesmo assim, não é o bastante para ofuscar todo o brilhantismo do resto do jogo.

Dishonored é com certeza um dos melhores jogos dos últimos anos, apesar de não ter uma história profunda, compensa tendo uma jogabilidade versátil, que deixa o jogador livre para escolher o estilo que melhor lhe apraz.

Curta a Chill no Facebook e siga no Twitter

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Wees Souza’s story.