Memórias Se Tornam Histórias Quando Nos Esquecemos Delas

há pessoas que passam por nós que parecem ter a finalidade de nos lembrar de algo ocultado pelo nosso correr da vida. como aquela pessoa que quando você bateu o olho te fez acreditar em amor à primeira vista; ou a outra que te apresentou um estilo de vida que você já tinha pensado em ter, mas desistiu por pura preguiça ou até mesmo aquela que te fez prometer a si mesma a nunca desistir do ser humano (apesar de todas as ameaças).

hoje você consegue lembrar com detalhes aquela face rosada. amanhã, talvez. você tenta se prender a detalhes da imagem do amor da sua vida que cruzou por você durante 15 minutos, mas suas memórias não são suficientes. é como em O Show de Truman, onde ele vai tentando obter um retrato próximo de sua amada que ficara presa no passado. tantos erros e complicações que o seu ‘eu’ gerou, as palavras seriam resquícios a essas horas.

por tanto tempo acreditei que se eu não fizesse nada, as coisas seguiriam seus fluxos e por pouco tempo descobri o quanto eu perdi com isso. mil possibilidades voaram por aí por um simples desprazer da vida chamado vergonha, medo de rejeição. eu sei que você, pessoa que aqueceu meu coração, talvez não chegue a ler isso, mas eu te agradeço por me fazer acordar para a realidade. aprender que nesse mundo caótico as oportunidades devem ser agarradas assim que encaradas, nunca deixadas para depois porque talvez eu não tenha a chance de te dizer um “oi” novamente.

e de uma memória gera-se o lar dos arrependimentos, um conjunto de “e se” e por fim, um texto.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.