Convide seu medo para um café

Grato por partilharem isso comigo, com medo e tudo

Quando eu era menor, tinha muito medo de filmes de terror.

Me lembro uma vez na quarta série. Era a semana do vídeo na escola e a maioria da turma escolheu um filme de terror para assistir.

Eu não entendia o que aquele medo queria me dizer, ou porquê eu estava vivendo aquela sensação, afinal eu não queria ter medo, queria que ele desaparecesse e eu pudesse assistir ao filme com os meus colegas.

Mas independente do que eu pensasse, o medo não ia embora e eu rendido por ele fui assistir a uma aula qualquer de matemática em outra sala enquanto a minha turma assistia o tal filme.

Aquele poderia ter sido um dia incrível pra mim, um momento único que com certeza me marcaria de alguma forma e talvez me conectaria ainda mais com aquelas pessoas.

Mas não foi, a minha escolha de ir pra outra aula fez com que aquele dia fosse só mais um dia comum na escola.

Eu não fui corajoso.

E coragem não tem nada a ver com não sentir medo. Isso seria algo além do nosso controle.

Mark Twain escreveu uma vez:

“Coragem é o controle do medo e não a falta dele.”

Somos movidos pelo medo.

Sentimos medo quando estamos prestes a nos desafiar, quando estamos prestes a fazer algo que nunca fizemos antes, quando estamos dispostos à colocar algo em risco.

Uma vez conversando com um amigo ator, perguntei:

— Cara, você não sente medo antes de subir ao palco?
 —Claro. Todas as vezes.
 — E aí, o que você faz?
 — Aí eu faço com ele o que faço com todos os meus bons amigos: agradeço por ter vindo e estar comigo nessa. Digo que aquilo não seria nem de perto a mesma coisa sem ele e o convido para tomar um café depois da apresentação.

Fiquei pensando no que aquele amigo sábio me disse o resto da noite e me perguntando como eu vinha tratando o meu medo.

Há uma semana eu vivi uma das experiências mais intensas da minha vida.

Estive durante três dias junto com mais de 40 jovens incríveis e durante esses três dias eu tive medo muitas vezes.

E sempre que sentia aquela pontadinha no estômago em frente àquelas pessoas. Eu agradecia ao medo por estar ali comigo e o lembrava que depois daquilo poderíamos tomar um café e falar sobre aquele fim de semana especial.

No Choice, gostamos muito de uma frase que diz: “Se der medo, vai com medo mesmo”.

Afinal o medo só existe quando há um desafio pela frente, portanto sentir medo não é ruim.

Só quer dizer que naquele momento, escolhemos acessar algo realmente profundo e significativo em nós.

E de agora em diante, sempre que a mão suar, a perna tremer e o coração acelerar, vou saber que estou pra viver um momento único e especial, acompanhado de um velho amigo.

A vida é feita de momentos inesquecíveis.

Não quero mais deixar de viver nenhum por causa do medo.


Seguimos.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.