Ressaca depois de uma noite por SP

Fonte: Pixabay

Hoje acordei com uma ressaca daquelas.

Os sintomas eram conhecidos:

Cabeça fritando, boca seca, mãos suadas… E tudo porque ontem eu me embriaguei.

Mas não foi uma embriaguez comum, dessas que a gente arranja com algumas doses de uma bebida barata qualquer.

Ontem eu me embriaguei de gente.

Passar uma madrugada nas ruas de SP entregando kits com comida, água, escova de dente, pasta, sabonete e preservativo pra pessoas em situação de rua era um dos objetivos.

Poderia ter sido só isso, poderíamos entregar o kit, dar um boa noite e voltar pra casa. Mas esse não é o único objetivo do Entrega por SP, nem o mais importante.

O kit é importante porque cuida das necessidades físicas, necessidades tangíveis do corpo, e aí podemos focar naquilo que é intangível, que tá dentro de cada um, mas que todo mundo precisa tanto quanto comer e beber.

Fazemos isso entregando carinho, atenção e presença.

Pra cada pessoa que a gente encontrava, parava e ia entregar algo, sempre recebíamos primeiro. Um boa noite, um aperto de mão, um sorriso ou alguma outra riqueza que eles traziam consigo.

É bizarro como essas pessoas, que pra muita gente não têm nada, partilhavam naturalmente muito mais do que tanta gente por aí.

E a interação rolava fácil, bastava chegar, olhar no olho e se dispor a ouvir. Foi o que eu fiz.

E aí, sem perceber exatamente quando ou como, fui ficando embriagado. Eu bebia cada palavra daquelas histórias, ria, abraçava, celebrava e aquilo transbordava pra todos os lados, não conseguia parar.

Assim foi a minha noite até altas horas da madrugada. Sempre com os olhos vidrados e os ouvidos abertos. Depois de cada parada, eu saía meio que cambaleando, sem muita noção do espaço, pisando torto e me sentindo leve.

Completamente bêbado de humanidade.

A parte ruim é quando acaba e a gente na mesma hora, já começa a sentir falta daquilo tudo.

Mas aí vem a ressaca pra nos lembrar, que mesmo que a gente não consiga digerir tudo agora, alguma coisa aconteceu e nada será como antes.

Falando nisso, dizem que a melhor cura pra ressaca é continuar bebendo.

Bebendo as conversas, bebendo a atenção, bebendo a presença, bebendo as pessoas, que desesperadamente querem apenas, serem bebidas. Realmente essa frase nunca fez tanto sentido pra mim.

E depois de beber disso tudo, agora estou aqui, curtindo a minha ressaca.

A diferença é que tomar água não vai ajudar a passar as doses cavalares de humanidade que eu tive.

Essa é uma ressaca que eu quero sentir muito mais vezes.

Seguimos.