OS BENEFÍCIOS DA MEDITAÇÃO PARA O CÉREBRO

Cientistas comprovam que meditar modifica o cérebro e traz inúmeros benefícios

Não se tem uma data precisa, mas a meditação, presente nas tradições filosóficas orientais, é praticada há pelo menos três mil anos e, desde então, vem se alastrando para culturas de todo o mundo. Mas somente no século XX é que a ciência se debruçou sobre o tema para entender seus efeitos sobre o corpo e, em especial, sobre o cérebro humano.

A partir daí, não param de surgir pesquisas que têm trazido à tona muito mais benefícios da prática meditativa do que se esperava encontrar. Já se sabia, por exemplo, que meditar ajuda na redução do estresse e controle da ansiedade. Mas, recentemente, os cientistas descobriram que a prática da meditação muda o cérebro em um nível mais profundo; biológico.

Como isso acontece? Segundo pesquisas diferentes e recentes realizadas pela UCLA (University of California, Los Angeles) e pela neurocientista do Hospital Geral de Massachusetts e da Faculdade de Medicina de Harvard, Sara Lazar, indivíduos que meditam desenvolvem mais massa cinzenta no córtex frontal e, surpreendentemente, essa massa cinzenta é preservada ao longo do tempo. Na prática, os estudos mostraram que os meditadores mais velhos, com muitos anos de prática, tinham a mesma quantidade de matéria cinzenta que os participantes jovens, ou seja: eles não perderam massa cinzenta com o passar dos anos. Esta constatação é um indicativo de que indivíduos que meditam terão mais chances de preservar a memória na velhice.

Durante a prática meditativa, várias áreas do cérebro reduzem suas atividades, permitindo que alcancemos um estado de calma e paz. Ela atua no lobo frontal (onde chegam e vão nossos pensamentos e onde está localizada nossa memória de curto prazo); no lobo parietal (área relacionada com a sensação física do mundo, a dor, o tato); no tálamo (ponto de passagem do cérebro) e na formação articular (área que acende o cérebro colocando-o em vigília).

A prática da meditação vem sendo associada também ao tratamento da depressão, da dor física crônica (fibromialgia), à melhoria do foco e da concentração e à redução da pressão arterial e da fadiga. E o mais interessante é que os efeitos da meditação no cérebro e, consequentemente, na saúde e bem-estar dos praticantes são percebidos rapidamente: uma prática diária de 30 minutos tem efeitos sensíveis em apenas oito semanas.

A meditação se torna, cada vez mais, uma aliada das pessoas. Ao alcance de todos, em todas idades, é uma chave de transformação pessoal e de conquista de bem-estar que vem trazer um contraponto à rotina agitada e estressante que vivemos. Vamos experimentar?

Equipe WellBe

Fontes:

https://www.novaeconomia.inf.br/harvard-neuroscientist-meditacao-reduz-o-estresse-e-literalmente-muda-seu-cerebro/

https://globoplay.globo.com/v/6222872/