SALTO DE FÉ

Recomendada a leitura ouvindo “Assassin’s Creed III — OST — Chase Theme

Divagava sentado em sua poltrona do mesmo modo que já fizera em outras oportunidades. A cabeça funcionava bem e o raciocínio era lógico, como sempre foi em dias normais. Mas este não era um dia normal. Ou era? Pensou em tantas coisas, mas no final não chegou em conclusão alguma.

Uma imagem do Cristo e uma foto sua com a mãe na prateleira à frente representam sua fonte de força, seu norte. Olhava constantemente para ambas sem saber o que fazer, em busca de achar algo que pudesse guia-lo. Queria clarear a mente, entretanto era o coração que estava embaçado.

Os desejos já não colidiam tanto como antes. Estavam apenas acorrentados, balançando levemente à brisa da incerteza. Soltá-los seria um risco, contudo, sabia que só se vence arriscando. O molho de chaves pendia ao lado do cinto produzindo um tilintar que ecoava em sua mente como uma única gota caindo num espelho d’água e provocando ondulações em todas as direções. Seus dedos só precisavam abrir os cadeados que atavam aquilo que estimava junto ao contrapeso dos efeitos reversos.

“Cada escolha, uma renúncia”, refletiu sobre a frase que ouvira antes. Fechou os olhos e deixou a respiração ficar cada vez mais profunda, tentando encontrar através do som da mesma o que não podia enxergar dentro da escuridão de sua mente. Então, como um morcego usando seu sonar, percebeu várias coisas ocultas pelas trevas da incerteza. Sabia que para descobrir o que elas eram precisaria desbravar o terreno ignoto e se arriscar em aventuras inéditas jamais vivenciadas por ele.

Foi até a fronteira do desconhecido e fechou os olhos. Sabia que no fundo, tudo era uma questão de acreditar. Precisava apenas liberar as trancas antes. Abriu os braços e se deixou levar por aquilo que sentiu ser sua força motriz. Esse era o salto de fé.