Imagem Google.

Oi tudo bem.

Não sei se essa é a melhor forma de começar uma conversa, principalmente com uma senhora tão distinta, podemos dizer “temida”, mas no final das contas, mais cedo ou mais tarde, todos nós acabamos tendo um encontro bem íntimo com você. Também não sei se por medo ou só por boa educação, resolvi chama-la de senhora.

Tenho pensando bastante na senhora, acho que por andar meio entristecido. Coisas da vida. Não quero que neste primeiro contato, as coisas sejam tão cinza. Então vou falar de algumas dúvidas que tenho. Por exemplo fico pensando em quantos encontros você tem num mesmo dia e em quantos locais diferentes e até exóticos você faz isso.

Não é nada fácil se deslocar, aqui em São Paulo por exemplo, de um lado para o outro, sem perder nunca o horário. Seus horários devem ser muito rígidos, não dá para atrasar nenhum segundo, se não “perde o bonde”. São bondes ou cada um vai por conta própria no final das contas?

Acho que grande parte das pessoas devem ter as mesmas curiosidades que eu. Vestir preto 24h e arrastar uma foice por aí não deve ser tarefa agradável. Não que as pessoas vejam isso. Quer dizer, elas veem você ou sempre é rápido e limpo. Limpo nem sempre é, não é?!

Então, resolvi escrever isso aqui, pois assisti um vídeo, um trailer de um filme que será lançado ano que vem, chama Beleza Oculta. Espero eu, estar aqui para ver, pois achei a ideia bem interessante, mas vai que né. Então a história é basicamente o seguinte, o cara escreve cartas para as coisas, umas para o tempo, outras para o amor e algumas para você. Tudo isso depois de perder a filha, perder é uma palavra forte.Não quero que o seu trabalho pareça um jogo onde as pessoas perdem e você sempre ganha.

Mais uma coisa que tenho pensando, será possível ter um encontro com você, uma entrevista por exemplo, antes do último encontro, aquele que realmente nos faz fechar os olhos e não abrir mais. Como estou nesta fase de pensar insistentemente na senhora, resolvi perguntar. Mesmo que toda vez que penso nisso, lembro do meu pai falando. “Os mortos não voltam para contar o que tem do outro lado”. Se eles não voltam, é bem capaz de você também não vir antes da hora.

São só curiosidades mesmo. Acho que isso é o que nos faz estar vivos. Isso também não é mesmo? Então aguardo o seu retorno, enquanto não for o último encontro, podemos fazer isso por este meio!

Att. Welson

Se gostou deste texto, clica no ❤ e compartilha com os seus amigos. Obrigado!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.