Eu só me perco tentando me encontrar, ainda bem!

Tem quase dois meses que estou na estrada em busca do autoconhecimento, saber quem realmente eu sou, porque eu estou aqui e qual minha missão e o que eu realmente quero da minha vida, eu com 25 anos, recém formado perdido no mundo e nos próprios pensamento. Todos meus amigos já estão cansados de falar comigo “Welton, deixa as coisas acontecerem naturalmente” eu até que tento, mas no final estou eu lá tentando manipular meu “destino”, criando expectativa com o primeiro beijo e tentando forçar alguns encontros.

Porque isso só acontece comigo? Essa é a resposta que venho buscando a um bom tempo, mas aqui comecei a perceber que tudo acontece por que tem que acontecer, as vezes a gente tem que dar uma volta enorme no desconforto pra estar no momento certo na hora certa, vou tentar explicar melhor com um exemplo: Estava eu no meu ultimo dia em Amsterdã e tinha que imprimir meu check-in para pegar meu voo no dia seguinte, sai do hostel e fui para a minha direita procurar um lugar pra imprimir, com preguiça de perguntar a recepcionista onde tinha um lugar, resolvi procurar por conta própria, andei quase 3 km procurando e sem sucesso, então resolvi voltar para o hostel e perguntar se eles podiam fazer isso para mim ou se poderiam me indicar um lugar, e pela minha surpresa a lanhouse ficava na próxima quadra a esquerda, eu não podia acreditar no que tinha acabado de acontecer. Eu tinha perdido cerca de 2 horas procurando um lugar que estava ali bem debaixo do meu nariz. Imprimi minha passagem e resolvi dar uma passada em um coffee shop que ficava bem ali perto, e lá nesse coffe shopp conheci 3 pessoas maravilhosas que fizeram minha viagem ser ainda mais incrível, depois fomos conhecer a cidade juntos. Hoje não consigo imaginar minha passagem por Amsterdã sem eles. Eles foram o colo que eu precisava naquele momento. São aqueles tipos de pessoas que estão no lugar certo na hora certa, parecia que estava tudo escrito, que tinha que conhecer eles, receber os conselhos deles e sim me tornar uma pessoa melhor.

As vezes acho que vou pirar de vez com o turbilhão de pensamentos que passam diariamente na minha cabeça: e se eu não conseguir um emprego quando eu voltar? e se eu não tiver feito a escolha certa? Se eu tivesse vindo semana passada seria mais legal, porque nevou, e se eu ficar perdido? e se eu não conhecer ninguém? e se? e se? e se??…. STOPPP….. as vezes pareço doido e grito essa palavra pra poder parar de pensar um pouco, mas hoje eu me sinto melhor. Comecei a pensar sobre o momento que estou vivendo, na experiência que eu estou adquirindo, prestar atenção nos detalhes, curtir um dia lindo de sol, aprender cozinhar uma coisa nova. estou tentando parar de tentar traçar meu próprio destino, sei que as vezes é bem difícil, mas cada vez mais vou deixando as coisas acontecerem naturalmente e isso tem me feito tão bem, aconselho vocês fazerem o mesmo, aproveitar o que a vida está te oferecendo.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Welton Amorim’s story.