Haja amor mas aja, amor. Como chuva! E chova amor!

Haja amor. Aja, amor. Seja amor. E simplesmente seja. Não espere que o amor simplesmente aconteça. Faça amor! Faça o amor acontecer. Não espere sentado que a chuva caia e molhe sua terra seca, sedenta, carente de amor, inundada na carência de se sentir amada(o) e mergulhada num défict de atenção do outro.

Vai lá fora e seja chuva. Faça chover no terreno infértil do outro, na terra árida, seca e arrasada do outro e assim sentirá o amor fluir em você. Vá até o terreno do outro, que foi pisoteado, esmagado, massacrado e macerado por outrem e faça vida nascer ali. É plantando amor que se colhe amor!

Juntando velhas máximas e alguns clichês banais por aí: “não espere que alguém lhe traga flores. Plante um jardim e decore sua alma.” Ou aquele velho outro ditado popular, que na verdade encontra-se em Provérbios,que diz: “quem semeia vento, colhe tempestade”. Ora, pois, se plantarmos amor, colheremos amor.

Nossa postura, há muito tempo, é passiva. Ficamos, metaforicamente, sentados, esperando que o amor surja, nasça, aconteça. Romantizamos e idealizamos o encontro com o amor, como se fosse naquele filme americano no qual o casal se esbarra inesperadamente e então eles se apaixonam subitamente.

O amor não é assim (sim, eu falo de amor mas às vezes nem sei o que ele é, de fato). Se não plantarmos o amor, não colheremos o amor. Você já plantou sua semente de amor hoje? Já provocou e despertou o amor no outro?

A sede de amor só será saciada a partir do momento em que eu fizer chover em outro terreno e, dessa forma, o outro fazendo chover em mim, faremos um dilúvio.

Na meteorologia, o encontro de massas de ar é o que desencadeia chuvas de alta intensidade. Que provoquemos um dilúvio. Que façamos chover. Que se inunde a terra de amor. Mas, para isso, que você faça chover ali do lado. Assim, o amor desaguado, talvez em lágrimas, talvez em risos, irá evaporar, formar uma nova massa de ar que irá criar correntes. Uma hora ou outra, a massa de ar irá se chocar num encontro impactante e provocará chuva. E chuva em abundancia.

Faça chover! Faça amor! Seja amor. Que seja!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.