Eu ainda te amo.

Eu juro, não queria parecer fraca. Eu não queria parecer minúscula diante a sua força. Eu não queria escrever esse texto sabendo que você não vai ler. Eu não queria ter esperanças de que você um dia poderia voltar, sabendo que você não vai. Eu não queria dizer que te odeio, quando eu sei que te amo. Por mais que esses últimos dezoito dias tenham me dado motivos concretos para que a única coisa que eu sinta por você, seja ódio, seja rancor, seja qualquer sentimento ruim menos amor. Eu tentei ficar bem sem você. Eu juro que tentei, e teve uma hora que parecia que ia dar certo. Eu apaguei seu número da minha agenda pra evitar recaídas de madrugada, apaguei todas as nossas conversas pra evitar lágrimas que parecem não se cansar, eu exclui todos os seus amigos e a sua família da minha vida e evitei ter contato com os nossos amigos. Eu beijei outros meninos, só pra não dizer que você foi a última pessoa que me beijou. Eu deixei a nossa foto — Assim como você insistiu em fazer com as nossas memórias; deixá-las bem escondidas em algum lugar, que talvez, quase não exista mais — guardada bem no fundo de uma caixinha que eu eu comprei no dia do seu aniversário. — Seu aniversário… Quando nós ainda estávamos juntos. E isso me faz pensar no quanto é incrível como as coisas mudam. Eu nunca te disse isso, mas você foi, é, e seria perfeito de todas as maneiras possíveis. Nós nos destruíamos, pra nós mesmos nos reconstruirmos. Nós sofríamos e depois nos levantávamos, juntos. Pra mostrar pro resto do mundo que a gente se bastava, e só. Apesar de tudo. E que sempre seria assim. Mas talvez, esse tenha sido o problema; a gente provou demais pra todo mundo, menos pra nós. Você nunca me provou que suas amigas, eram apenas amigas. E eu nunca te provei que eu adorava o jeito que você era bobo comigo. Você nunca me provou que o meu jeito desleixado já te fez sorrir. E eu nunca te provei que provar era desnecessário diante do amor que a gente tinha. Eu só queria que você soubesse, que mesmo te dizendo todas aquelas coisas para te atingir, eu sabia que todas elas eram mentiras… Eu não desisti de nós. E eu queria que você tivesse feito o mesmo. Eu não queria que você tivesse desistido. Eu não queria ter enxergado sinceridade naquela vez em que você me olhou e disse que não me queria mais na sua vida. Eu não queria ter visto você enfiando a língua na boca de outra menina, como se você nem se lembrasse mais do meu nome. Eu não queria ter essa cena na minha cabeça. Eu não queria assistir, milhões de vezes, no meu subconsciente, você indo embora e me dando as costas. Eu só queria que você voltasse, droga. Eu queria que você lutasse por mim, por nós. Por mais complicado que fosse, eu queria você aqui. Eu quis, eu quero, eu sempre vou querer. Mas no dia de hoje, tudo o que eu posso fazer é dizer que nada mais nos resta a não ser algumas memórias do que nós fomos e deveríamos ter sido. Eu só queria saber…Você ainda se lembra de você ficava me irritando e depois dizia o quanto era quanto eu ficava bonita brava? Você se lembra de quando nós ficávamos planejando o que nós iríamos fazer no futuro, quando nem do presente a gente tinha certeza? Você ainda se lembra daquele dia em que a gente deixou de se importar com o resto do mundo, e pensou só em nós dois? De quando a gente não pensou em nenhuma futura consequência? Você se lembra daquele dia em que deveria ter sido o início do nosso pra sempre? Você se lembra que aquele dia… Acabou sendo só o início do fim? O início. Porque no fundo, em algum lugar desse mundo, ainda não acabou completamente. Mesmo com todas as brigas, novas pessoas, com todos os novos abraços, novos cheiros, novos rostos, novos beijos, todos os novos lugares, com o tempo se passando, ainda é você, ainda vai ser você. Ainda vai ser você aquele que entende o meu jeito, e que conhece quando eu tô brava só com uma única expressão. Ainda vai ser você aquele que sabe me fazer sorrir quando a única vontade que eu tenho é de chorar. Ainda vai ser você que vai me deixar deitar no seu colo quando tudo estiver perdido. Ainda vai ser para você quem eu vou querer ligar quando alguma coisa der errado, porque só de ouvir a sua voz eu ficava mais calma. Ainda vai ser você aquele que vai me achar quando eu quiser sumir. Ainda vai ser você aquele que eu vou lembrar quando eu suspirar e olhar pra lua. Ainda vai ser você aquele que eu vou pedir ao meu lado numa noite estrelada. Vai ser você. Porque eu tenho, sou, você de todas as maneiras dentro de mim. E isso, ninguém me tira. Nem a sua nova ficante, nem o tempo, nem a vida, nem mesmo a dor; que se tornou grande o suficiente pra deixar marcas inapagáveis em nós dois.Quando é a saudade que dói, até que machuca de um jeito bom. E se tudo o que nós passamos foi grande o suficiente pra nos fazer sofrer, é porque de alguma coisa valeu. E eu espero que isso, no futuro, seja forte o suficiente pra nos unir novamente.Porque, meu querido, eu amei você, de todas as formas. Até com a minha dor, com o meu ódio. Meu amor… Eu te amei. Mesmo quando a gente se destruiu.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Glorya Oldemburg’s story.