Pseudo-síndrome

É a geração mais desacreditada? Não concordo 100%, mas não tiro a razão de quem acha que sim. Acho que os jovens sempre foram bagunçados, depressivos e revoltados, mas a vinte anos o máximo que tu podia fazer quanto a isso era formar uma banda, hoje você pode fazer um texto no medium. Sim, a pressão com o futuro, Enem e responsabilidades começam cada vez mais cedo. Mas também a gente tem pela primeira vez como dar voz diária a essa angústia, o que pode passar a ilusão de que somos mais tristes do que nossos pais com nossa idade… Enfim.

A síndrome do pseudo. Eu uso “pseudo” também. Pseudo-escritor, pseudo-crítico, pseudo-culto, pseudo-homem, pseudo-anarquista… eu sou algo de verdade ou sou só uma projeção do que gostaria de ser?

Acontece que falta confiança e otimismo para a maioria das pessoas. Você é o que você é, sendo ruim ou bom no que faz. Eu considero o Paulo Coelho um pseudo-gênio, mas duvido que ele acorde e pense isso dele mesmo. Porque pensaria… Ele é um dos mais bem sucedidos escritores do mundo. Foda-se o que eu penso do Paulo Coelho. Foda-se o que eu penso de você. Foda-se o que as outras pessoas fazem você pensar de você.

Você não é um pseudo.

(Vai a foto do Bowie no álbum “Heroes” mesmo, porque achei adequado. Quem ousaria chama-lo de pseudo-ícone?)

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.