6 Mitos Sobre Stalin que Você Provavelmente já Acreditou

Willian Abreu
Jul 11 · 12 min read
Texto também disponível no site da CPL (clique aqui)

Você já ouviu falar em Josef Vissariónovitch Stalin?

Certamente você já leu sobre ou ouviu falar em Stalin. Imagino também que você ao ler seu nome no título do artigo logo relacionou sua imagem a atrocidades, genocídios e milhares de mortes. Isso é vendido para o senso comum como a verdadeira imagem de Stalin. Escrevo este texto na expectativa de atingir aqueles que acreditam nessa dita “verdade” e que não se questionam sobre esse fato.

Dito isso, faço menção a Lenin, que foi o maestro da revolução soviética e estruturador de um novo modelo para o país, que estava passando por um processo de superação do feudalismo. Antes de deixar sua posição de líder e idealizador das estruturas, que veio a ocorrer com seu falecimento, Lenin deixou uma carta, que vinha a ser bastante polêmica, em que comenta sobre a rivalidade entre Stalin e Trotsky, fazendo crítica a ambos. Em determinado momento, diz a carta:

Após a morte de Lenin e após Stalin ter tomado a frente do partido, tornando-se, assim, uma liderança para a URSS, Trotsky foi expulso do país por motivos de contrarrevolução. Tais motivos teriam como pressuposto o revisionismo e a rivalidade que ali era vigente, como Lenin havia descrito, o que fez Trotsky tecer constantemente ataques que induziam as pessoas a acreditarem que estaria ocorrendo na URSS uma ditadura stalinista. A partir disso, irei descrever uma lista de ataques fantasiosos contra Stalin e desmistificá-los.

O culto à personalidade

Primeiramente é necessário ressaltar o que é “stalinismo”, termo este cuja criação representa puro sadismo. Uma vez que imputa a Stalin a figura de um tirano vaidoso e o coloca como criador de uma nova vertente do marxismo que o colocava como centro. O que, na verdade, não passa de mentira, pois Stalin em nenhum momento criou uma ideologia desconexa com o marxismo-leninismo. Já o “culto à personalidade” é algo ainda mais fantasioso, afinal, nem o próprio Stalin acreditava em tal conceito e tecia criticas a ele, o que é evidenciado em suas próprias palavras:

Stalin um tirano?

Para responder essa pergunta, vale ressaltar aqui, primeiramente, as vezes em que Stalin propôs aos camaradas do partido sua própria renuncia, o que demonstra o quão “tirano” ele era:

– Em 1924, no 13º Congresso do Partido Comunista, Stálin renunciou ao seu cargo, mas o partido negou seu pedido (incluindo Trotsky).

– Em 1934 Stálin novamente solicitou ser removido do cargo, mas o partido rejeitou novamente.

- Em 1946 Stálin e seu governo deixaram o governo, como definido pela constituição de 1936. Mas o partido lhe pediu, no mesmo dia, que ele formasse um novo governo.

– Em 1952, no 19º Congresso do Partido Comunista, Stálin mais uma vez entregou o cargo, o que o partido novamente rejeitou. [4] [5] [6]

Mesmo assim acusa-se bastante Stalin de autoritarismo. Menciono, portanto, Engels, pois há um trecho em que ele aborda o assunto “autoritarismo” de forma bastante esclarecedora:

Não há muito que acrescentar aqui, mas sim ponderar no que tange a importância de não alimentar o fantasma liberal do conceito de “autoritário”, certo que toda ordem social fruto de revolução, onde se inclui a própria ordem burguesa, é “autoritária” na perspectiva de que uma classe está impondo seus interesses a partir da força coercitiva das armas e das instituições que protegem o sistema. A diferença é que a revolução comunista, como lembra Engels, deseja o fim do autoritarismo de uma vez por todas. Para finalizar, podemos recorrer à constituição da URSS para espantar de vez o fantasma da tirania que sonda a figura de Stalin. Constituição de 1936 — URSS, Capitulo 3:

Aliança com o nazismo?

Retornamos a governabilidade de Stalin, agora adentrando um pouco no que abrange os mortos durante o período em que Stalin era líder do governo da URSS. Já é bastante sabido que a URSS participou diretamente da Segunda Guerra Mundial (1939–1945). Sabemos também que o nazi-fascismo surgiu querendo dominar a Europa, bem como querendo fazer frente ao socialismo soviético. Ou seja, Hitler desejava combater a ascensão socialista que se estabelecia principalmente pelo Oriente. Mas há quem negue tal antagonismo apontando para o Pacto Molotov-Ribbentrop, que nada mais foi do que um pacto de não agressão, o qual foi necessário para a URSS. Certo que ela precisava agregar mais homens e ter mais preparo militar para, assim, poder entrar de vez no combate ao nazi-fascismo. Stalin, com plena consciência do significado do nazi-fascismo para os povos do mundo inteiro e, particularmente, para a URSS, viu a clara necessidade de convocar uma frente antifascista na Europa para barrar a ascensão nazista, desejando que Inglaterra e França compusessem esta frente. Porém, ambas as nações, por baixo dos panos, fizeram acordos com os nazistas na intenção de que a Alemanha atacasse e desmantelasse o socialismo soviético. Sobre isso, escreve o historiador Ludo Martens:

Por dois anos Stalin trabalhou arduamente para edificar a autodefesa do país. Do pacto de não agressão, em 1939, a URSS colheu frutos que seriam essenciais para o combate ao nazi-fascismo. Como o general Jukóv, considerado herói na guerra anti-nazista, escreveu:

Com isso, acho que não é mais necessário estender o tema, pois, a partir do que foi exposto, fica evidente que Stalin foi o responsável pela criação do maior exército de combate ao nazi-fascismo, o que fez com que ele saísse vitorioso da guerra, livrando o mundo do terror nazista.

Sobre o Gulag

Passamos então ao famoso Gulag. É importante saber que esses centros de trabalhos forçados não foram criados por Stalin, mas já eram existentes desde a época do Czar. Stalin apenas manteve esse local para prisões de estupradores, assassinos e antirrevolucionários. Pessoas que cometessem crimes leves não eram deslocadas para o Gulag e sim para prisões comuns. Vale também ressaltar que esse local não era utilizado para extermínio de pessoas. Menciono aqui uma análise baseada em uma tabela da The American Historical Review, desmentindo as mentiras propagadas por Robert Conquest, que afirmava haver milhões de presos políticos no Gulag:

Ou seja, ao contrário das mentiras que sobre milhões de perseguidos políticos aprisionados, os campos de trabalho forçado eram destinados de forma majoritária para a punição de criminosos, que trabalhavam para a sociedade enquanto pagavam pela sua pena.

Stalin matou milhões?

Depois de apresentar para vocês fatos devidamente documentados e embasados, questiono se ainda acreditam nos números apresentados pela mídia anti-comunista. Espero que não, mas, ainda sim, vamos mais além. Façamos uma análise, além de geográfica, sensata desses números. Seria Stalin o maior “ocultador” de cadáveres do mundo? Afinal, as acusações de mortes são de números extremamente altos, o que me faz trazer uma luz para entender melhor. Pensemos então no próprio nazismo, que é acusado de exterminar 6 milhões de pessoas. Neste caso, temos provas concretas e devidamente documentadas. Foi isto que ocorreu, existem inúmeras provas do método industrial de mortes: as camarás de gás, os trens da morte, as indústrias da morte, os crematórios etc. Enquanto sobre a URSS não houve nenhum relato de um local onde teriam execuções em massa. Se foi necessário tais atos para consagrar 6 milhões de mortes na Alemanha nazista, qual método Stalin utilizou para ocultar 22 milhões de cadáveres que supostamente “matou”? Isso é, no mínimo, cômico.

Stalin destruiu economicamente a URSS?

Vejamos o que Kruschiov, em sua detalhada análise sobre a economia das democracias populares, em que analisou os dados tabelados referentes ao volume da produção industrial na URSS e nos países capitalistas, tinha a dizer:

Kruschiov fez uma análise muito aprofundada do crescimento da URSS, o que poderia render muito mais neste texto, porém, acredito que já esteja satisfatório. Podemos observar, então, de forma mais objetiva, as conquistas de Stalin dando rosto ao fato de que ele, em pouquíssimo tempo, foi capaz de transformar um país rural em uma superpotência aeroespacial [12]

Finalizando

Por fim, este é Stalin. E é isso o mínimo que você precisa saber para não ser enganado. O “mínimo” porque não foi feita uma análise aprofundada e sim pontual sobre alguns aspectos que surgiram como importantes ao escrever esse texto. Ame-o ou não, Stalin foi um grande estadista. E arrisco dizer que um dos maiores erros de Stalin foi não ter tido uma bola de cristal para prever a traição oportunista guiada pelo individualismo de Nikita Khrushev, que colocaria abaixo tudo aquilo que construiu.

REFERÊNCIAS

[1] LENINE, V. I.. Carta ao Congresso. Disponível em: <https://www.marxists.org/portugues/lenin/1923/01/04.htm#carta;. Acesso em: 05 mar. 2019.

[2] STALIN, Joseph. J.V. Stalin: Works. Moscou: S.n., 1954. p. 182

[3] STALIN, Joseph. J.V. Stalin: Works. Moscou: S.n., 1955. p. 20

[4] FURR, Grover. Stalin and the Struggle for Democratic Reform. Disponível em: <http://marxism.halkcephesi.net/Grover%20Furr/index.htm;. Acesso em: 06 mar. 2019.

[5] STALIN, J.v.. Speech at the Plenum of the Central Committee of the Communist Party of the Soviet Union. Disponível em: <http://www.revolutionarydemocracy.org/rdv8n1/stalin.htm;. Acesso em: 06 mar. 2019.

[6] SPIEGEL, Der. Ur-Kunde von Stalin. 1949. Disponível em: <http://www.spiegel.de/spiegel/print/d-44437536.html;. Acesso em: 06 mar. 2019.

[7] ENGELS, Friedrich. Sobre a Autoridade. Disponível em: <https://www.marxists.org/portugues/marx/1873/03/autoridade-pt.htm;. Acesso em: 06 mar. 2019.

[8] URSS. Constituição, de 1936. Moscou, Disponível em: <https://www.marxists.org/portugues/stalin/biografia/ludwig/constituicao.htm;. Acesso em: 06 mar. 2019.

[9] MARTENS, Ludo. Um Outro Olhar Sobre Stáline. S.l: Para A História do Socialismo, 2009. Disponível em: <http://www.hist-socialismo.com/docs/UmOutroOlharStaline.pdf;. Acesso em: 06 mar. 2019. p. 196

[10] Ibidem. p. 202

[11] SOUSA, Mário. Mentiras sobre a história da União Soviética. De Hitler e Hearst a Conquest e Solzjenitsyn! Disponível em: <http://www.mariosousa.se/MentirassobreahistoriadaUniaoSovietica.html;. Acesso em: 06 mar. 2019.

[12] POR QUE A UNIÃO SOVIÉTICA FOI A VERDADEIRA GANHADORA DA CORRIDA ESPACIAL (E NÃO OS EUA). Brasil, 26 dez. 2016. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/internacional-38407916;. Acesso em: 06 mar. 2019.

Willian Abreu

Written by

Adepto do marxismo-leninismo e compromissado com o debate anti-capitalista.