Relatos de um bipolar.

Oi, esse relato é meu e sim eu sou bipolar. Fui diagnosticado com o transtorno quando eu tinha 15 anos depois de um episódio de depressão que me me tirou uns tempos da escola e quase me fez perder de ano.

Não tive nenhuma crise grave desde então. Tomei remédios estabilizadores de humor por um tempo considerável e parei de tomar há pouco tempo atrás.

Quando recebi da minha psiquiatra o diagnóstico alertando que eu era bipolar lembro que revirei páginas e páginas no Google e fiquei espantado com algumas estatísticas.

Um bipolar tem 28 vezes mais chances de apresentar comportamento suicida e metade de nós vai tentar (ou já tentou) se matar.

Viver com a sombra disso em você é como ficar caminhando em um rio congelado. Pelo menos a maior parte do tempo ultimamente tem sido tranquila essa caminhada mas confesso que alguns dias preciso observar meus passos porque sinto o o gelo trincar abaixo dos meus pés.

Me observando bastante consegui entender como funcionavam algumas janelas obscuras da minha mente e como travar alguns gatilhos. Consegui driblar algumas coisas que jogavam contra mim, outras eu ainda tô tentando lidar.

O grande lance é simplesmente aceitar essa vizinha e tentar ter a convivência mais amena possível. Sei que ela vai bater na minha janela pra atrapalhar meu sono, tentar roubar minha tranquilidade quando não tenho nada pra me preocupar e me incomodar vez ou outra. Mas já que ela mora aqui e sempre vai morar nada impede de reconhecer que ela é uma parte de mim também. Não a mais importante nem nada disso. Apenas mais uma parte do meu quebra-cabeça como tantas outras. Nada a menos que isso. Nada a mais que isso.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.