Papo de Fila #1

Dilma, PT, Impeachment e afins

É verdade universalmente conhecida que, depois do BOOM tecnológico em nossas vidas, não conseguimos ficar sozinhos com nossos próprios pensamentos.

E não há melhor ocasião para se comprovar esta tese do que na fila (para pegar a senha e esperar 2849294 anos para ser, então, atendido) do INSS, resolvendo pendengas do trabalho com a bateria do celular em apenas 13% e o seguinte pensamento: Caramba (acrescente aqui um xingamento significativo), tô sem carregador e vou precisar do telefone depois!

Então, fui obrigada a não gastar meu tempo ocioso descendo a timeline do Facebook por um motivo de vida ou morte (da minha bateria, no caso) e fui novamente obrigada a prestar atenção no “papo da fila”, que me deu a ideia de um quadro novo (se fala quadro?) neste universo Medium de meu deus.

Sejam bem vindos ao papo de fila #1: Dilma, PT, Impeachment e afins.

Não amigos, eu não sei nada de política.

Sim amigos, eu sou alienada.

But first, eu também tenho opinião, por que alienados tem opinião (Say what?).

E não, eu não concordo. Não sei do que se trata na esquerda, nem na direita, nem no PT, nem no PSDB, nem do PDT, nem no PSOL, nem no PQP. Sei que TÁ TODO MUNDO MAL! Inclusive eu, sim.

Porém, olhe para a câmara de Deputados e (aqui cito um post maravilhoso de alguém anônimo desse mundão da interneta) me diga: Você acha mesmo que o problema é a Dilma?

Não QUERIDOS, não é.

E na fila do INSS rolava este papo. Velhinhos de 80 anos massacravam Lula e Dilma com suas opiniões altamente machistas e defendiam tudo que aconteceu no passado sórdido de ambos.

E, como alguém que não sabe nada, entendi: tá errado um negócio aqui.

Mas a verdade verdadeira é que, por mais que o Medium seja O lugar dos textões sobre “o que raios eu queira escrever”, eu não vou ficar aqui vomitando minha opinião de cima do muro. Eu vou ler um pouco mais, em meio a todos os textos que preciso ler para todos os lugares que preciso dizer algo, e depois a gente conversa sobre isso.

Tá bom? Então tá bom.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.