Eu conheço uma pessoa com depressão e quero ajudar, o que eu faço?

Cada pessoa deprimida é diferente, o que torna impossível desenvolver um método único de oferecer ajuda. Esse texto surgiu de uma reflexão que eu desenvolvi em resposta a vários suicídios de amigos e amigas minhas, de pessoas famosas, e a sensação subjetiva de que a depressão e autodestruição tem se tornado cada vez mais evidente entre nós. O que eu compartilho nesse texto são minhas impressões e experiências pessoais. Eu não sou profissional da psicologia nem da saúde, e meus estudos a respeito do assunto se deram exclusivamente por eu lutar contra a depressão há muitos anos. São coisas que me ajudaram durante a minha trajetória e que, caso ajude alguém, já vai ter valido a pena ser escrito.

— Porque só “abrir o inbox” pode ser pouco eficaz

A depressão não é uma simples falta de ter com quem falar. A lógica do “pode falar comigo quando quiser” é uma atitude passiva, e não se sustenta se você lembrar que quanto mais deprimido ou deprimida alguém estiver, mais difícil vai ser de conversar. Chega um momento da crise depressiva em que o ato de falar sobre qualquer coisa parece inútil e estupido, o que faz com que a pessoa se feche cada vez mais.

Você pode ter a melhor intenção do mundo, mas ainda está exigindo que uma pessoa que está engolida pela depressão, e talvez desacreditada de tudo, tome uma atitude de esperança. Com sorte, nós geralmente temos entre uma e três pessoas extremamente próximas e intimas. Se você é uma dessas pessoas de confiança para alguém com depressão, você não pode simplesmente esperar que a pessoa inicie essa conversa com você. Se você não é uma dessas pessoas próximas, como você espera que alguém com depressão tenha o desprendimento social de pedir ajuda em algo tão profundo para uma pessoa que não é tão próxima?

Talvez você não entenda isso como uma atitude difícil, mas a pessoa deprimida provavelmente sim. Quando você está no fundo de um poço escuro e frio, ficar gritando para pedir ajuda pode parecer algo sem sentido, ainda mais se houver alguma parte da sua cabeça que te convenceu que você merece o que está passando. Quem já precisou depender muito dos outros e quem já não teve nada, nada mesmo, entende o quanto é trabalhoso e incrivelmente exaustivo reunir forças para pedir ajuda em qualquer sentido.

Outro ponto importante: se você recebesse hoje, agora, um inbox de uma pessoa dizendo: me ajuda, eu quero desistir da vida. O que você faria? Você acha que tem preparo e estrutura emocional para parar tudo o que está fazendo e conversar com essa pessoa, se necessário ir até onde ela está? Caso ela já tenha feito mal a si mesma, você vai ter o tempo e calma para chamar a emergência? Ir até o hospital acompanha-la? Entrar em contato com a familia dela? Mesmo se você tiver esse preparo, é bem difícil que voce possa oferecer essa assistência de forma efetiva a mais de duas ou três pessoas ao mesmo tempo. Mesmo que você passe todos os seus dias fazendo isso, existe um limite de pessoas que podemos ajudar com competência.

Isso não significa que você não pode oferecer o seu inbox para conversar. Se houver uma pessoa que vá se sentir acolhida com a sua oferta, já valeu a pena. Mesmo assim, é importante lembrar que vai além disso, e que caso você se ofereça, tenha o devido preparo para ajudar mesmo. Se houver uma pessoa que precisa de ajuda, conseguiu juntar forças para mandar mensagem para alguém e mandou para você, lembre que ela precisa de resposta imediata, que falar frases prontas de motivação não vai ajudar muito, e que antes de tudo, é necessário ouvir o que a pessoa precisa ao invés de dar uma aula sobre o que você acha que ela precisa.

— Que tipo de ajuda uma pessoa deprimida precisa

Ajuda profissional, por pessoas que tem treinamento e conhecimento para lidar com alguém sofrendo de depressão. Você na posição de amigo ou amiga, familiar e afins pode ajudar até certo ponto, mas muito provavelmente as questões que afligem essa pessoa e fazem piorar a situação psicológica dela não podem ser trabalhados com você. É por isso que profissionais da psicologia não podem tratar pessoas do seu âmbito pessoal, porque as relações pessoais afetam bastante o tratamento e impedem que se chegue a raiz dos problemas. O que você pode fazer é garantir que essa pessoa tenha o que precisa para continuar tendo acompanhamento profissional: ajuda-la a procurar tratamento, a ir nas consultas caso ela não consiga ir sozinha, a comer com dignidade e se manter viva e estável enquanto recebe ajuda profissional. Costuma-se dizer que na maioria dos casos, o suicídio é causado pelos 4D: depressão, desespero, desamparo e desesperança. A sua ajuda mais efetiva vai ser em combater a sensação de desamparo.

Falando do ponto de vista de pessoa deprimida, essa ajuda se torna mais difícil de conseguir quando ela deixa de ser algo pontual e se torna um processo longo. É até fácil conseguir alguém que me ajude hoje a ir na minha sessão de terapia, a questão é que eu tenho dificuldade de ir toda semana. É relativamente fácil encontrar um amigo ou amiga que me ajude a ir ao psiquiatra pegar minha receita de antidepressivos, mas se eu me descuidar brevemente, todos os dias minha cabeça inventa uma desculpa nova para que eu não tome. Evidentemente é muito importante que você ajude alguém com esses gestos pontuais, afinal eles constroem uma trajetória longa de inúmeras pequenas batalhas e qualquer força é valida.

É importante lembrar que dar qualquer assistência seria a uma pessoa próxima que precisa de ajuda para combater a depressão não é uma tarefa fácil e não tem um prazo definido. Cada pessoa se recupera e se estabiliza em seu próprio ritmo, e se voce quer ajudar alguém nesse processo, não fique cobrando. A trajetória de cura e estabilização da depressão não é linear, então é possível ter a sensação de progresso e regressão muitas vezes. Acompanhe de braços abertos.

— Como se tornar uma pessoa que pode oferecer ajuda

É importante que você esteja com a cabeça no lugar. Isso é mais difícil do que parece. Depressão, ansiedade e pânico são muito comuns e as vezes a gente está lutando com essas questões enquanto tenta ajudar as outras pessoas. Se você sente sua estrutura emocional ruindo, é uma boa começar dando o exemplo e procurar ajuda profissional.

Mesmo tendo os seus problemas para resolver, se você tem se sentido forte o suficiente para ajudar outras pessoas, sua disposição não vai bastar por si só. Se fosse fácil ajudar uma pessoa com depressão talvez não houvesse tanta gente hoje lutando com essa condição.

Você pode procurar lugares na sua cidade que ofereçam acompanhamento psicológico gratuito ou barato. Se você pode ajudar a pagar terapia para uma pessoa próxima sua que não tem condições financeiras, ajude. Se você pode acompanhar até o consultório uma pessoa que não tem conseguido ir aos atendimentos, acompanhe. Se você conhece uma pessoa que está deprimida e não conversa nem sai com você, mande uma mensagem de carinho. Diga que está com saudades sem fazer com que a pessoa se sinta culpada por não conseguir sair te ver. Essas atitudes podem ajudar a demonstrar que você não está assistindo essa pessoa afundar, e sim tentando estender a mão e dizer “eu estou aqui”.