Ambiente de 2015 ainda é o maior adversário do São Paulo

Foto: Marcos Ribolli

A temporada passada para o São Paulo foi uma catástrofe — talvez a pior da história do clube. Brigas, mentiras, confusões e até presidente renunciando. Dentro de campo, a equipe também passou vexames, mas conseguiu como “prêmio de consolação” uma vaga na Libertadores. Mesmo com o início de 2016 e a esperança de novos ares, parece que o Tricolor ainda vive em 2015.

O ano começou para o São Paulo com a proposta de arrumar a casa, restruturar o time e resgatar o orgulho dos jogadores e torcedores — principalmente após o 6 a 1 sofrido para o Corinthians em Itaquera. O técnico argentino Edgardo Bauza, bicampeão da Libertadores, chegou com a missão de montar uma equipe competitiva, mesmo com certa limitação financeira.

Com o início da temporada, o Tricolor venceu o confronto de pré-Libertadores e estava indo tudo relativamente bem. Estava. Contudo, veio o revés no clássico para o Corinthians e, na última quarta-feira, a impensável derrota para o The Strongest, da Bolívia, em pleno Pacaembu por 1 a 0, pela estreia na Libertadores.

O péssimo e vexatório resultado voltou a tumultuar o ambiente do clube. O assessor da presidência, Rodrigo Gaspar, fez duras críticas e chegou a falar que Michael Bastos, jogador, e Milton Cruz, da comissão técnica, fazem mal ao ambiente. Atitude que só atrapalha.

Quem olha o São Paulo hoje, nem reconhece o clube que era modelo de gestão na década passada. Enquanto os rivais — Corinthians e Palmeiras — pegavam fogo nos bastidores, com inúmeras crises, o Tricolor reinava no futebol brasileiro e sul-americano. Era o sonho de todo jogador e técnico trabalhar no clube. Atualmente, é só mais um time brasileiro que tenta sobreviver em meio ao amadorismo de seus dirigentes.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.