Desta vez, é preciso aplaudir Eurico Miranda

Foto: Cruzada Vascaína

E m meio as ações cada vez maiores para angariar sócio-torcedores, o Vasco, que também está remodelando e lançando seu programa, promete ser pioneiro mais uma vez. O clube quer reservar uma parte da cota de ingressos para os torcedores de renda mais baixa — evitando uma exclusão dos jogos. O projeto está sendo pensado no modelo do Bolsa Família, programa usado pelo Governo Federal.

Com as Arenas modernas do futebol brasileiro e o projeto de sócio-torcedor a todo vapor, a elitização do futebol nacional virou uma realidade. Hoje, para você assistir a um confronto de campeonato estadual, o bilhete não sai por menos de R$ 50 reais. Difícil para quem ganha um salário mínimo e sustenta a família.

A questão do sócio e o custo para manter um estádio novo é realmente compreensível. Não adianta colocar o ingresso mais barato, pois acaba não existindo ‘vantagem’ para a pessoa se associar — mesmo sabendo que esse dinheiro vai ajudar o clube de outras formas, como na contratação de um jogador ou no pagamento de salários em dia, por exemplo. Ou seja, os clubes elevam o preço para forçar o torcedor a ser sócio e, desta maneira, o ingresso passa a ser ‘mais barato’ a partir de descontos e promoções.

Para manter um Maracanã, Allianz Parque, Arena Corinthians, também não é fácil. Em dia de jogos, a movimentação de funcionários é grande e os gastos triplicam em relação a estádios ‘antigos’, caso do Pacaembu.

Mas, como é do povo, o futebol não pode de maneira alguma excluir a camada mais pobre por conta disso. Afinal, são as pessoas que tornam o espetáculo grandioso. Essa atitude do Vasco, clube que tem em sua história feitos marcantes e pioneiros, pode ser um ponto positivo e, quem sabe, modelo para outras instituições. Vejo também, neste momento em que se fala de reformulação do nosso futebol, uma boa brecha para os governos (Federal e Estaduais) entrarem nesta história. Apesar de todos os erros ao longo do tempo, Eurico Miranda, presidente do clube, merece ser aplaudido desta vez.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Yago Rédua’s story.