//500 anos de Reforma: Quem precisa de mulheres e negros?


Esse anos “comemora-se” 500 anos da Reforma Protestante, Homens — não mulheres — se juntarão em congressos pra debater sobre os pilares desse evento importante. Alguns dizem que precisamos voltar a reforma, outros dizem que precisamos voltar ao Evangelho, Alguns estão falando sobre uma Vida Nova e outros sobre uma ortodoxia Fiel. Mas sobre o que esses homens falam?! A reforma proposta ainda é colonizadora.

Sim, a reforma que tenho visto ser proposta, ainda carrega um “ar” colonizador e possui as cores da bandeira norte-americana. Essa “ortodoxia”, proposta pelos irmãos é nociva, não porque seu conteúdo é antibíblico — e estar na bíblia não significa muita coisa, mas isso é outro papo — mas porque ela ignora completamente o legado de gente que trilhou uma mata fechada que esses homens não ousaram adentrar. Essa reforma ignora o legado de homens e mulheres iletrados, ignora a contribuição da teologia Latino-Americana, ignora o legado de pastores e PASTORAS que não fixaram seus olhos em Genebra, Alemanha e Holanda, mas pisando no chão da vida real, tem levado essa palavra a sério : reforma.

A pastora Ana Lúcia durante uma apresentação em sua igreja, em Belford Roxo

Essa reforma ignora que 54% da população brasileira é negra, desses 54% a maioria são evangélicos sobretudo pentecostais, sim, a religião mais negra do Brasil é o pentecostalismo, mas a ortodoxia no Brasil é branca e masculina. Esses mesmos homens demonizam tudo aquilo que diferem de sua CULTURA completamente baseada em sua leitura bíblica que vem da terra do Tio Sam.

Ser reformado virou uma espécie de pedigree da cristandade, quase nos colocando em um sistema de castas. Idolatria ou “Ideolatria”.

Esses homens e mulheres que são invisíveis ao “Clero Evangélico”, não somente tem reformado seus espaços de culto, mas reformado comunidades inteiras, homens e mulheres que tem quebrado o jugo e a canga de maldade que lhes fora imposto, homens e mulheres que tem levado esperança ao pobre, órfão, a viúva e ao estrangeiro. Homens e mulheres que não se preocupam em manter estruturas que não precisam de reforma, mas precisam de ser derrubadas, pois são altares a Baal.

Essa reforma precisa ser repensada, e os irmãos que estão encabeçando esses movimentos com cheiro de naftalina precisam ter a humildade para reconhecerem isso. Os espaços de “proteção a ortodoxia” onde passeia os privilegiados precisa ser REaberto ao povo. E essa reforma que abarca pra si ser defensora de uma “Cosmovisão Cristã”, excluindo como um câncer todos outros membros de um corpo plural, precisa ruir. Deus esta na diversidade.

O Clero precisa cair, e se tem um ponto que precisamos retomar da velha reforma é:

Cristo, como mediador entre Deus e os homens.

“Vejam, estou fazendo uma coisa nova! Ela já está surgindo! Vocês não o percebem? Até no deserto vou abrir um caminho e riachos no ermo.”
- Isaías 43:19

Fique atento, pois Deus está em movimento, e se ficar olhando pra trás, vai perder o bonde.

E aplaude de pé igreja, porque aqui não tem liturgia que nos prenda!