Millennials: Fracassados antes dos 25.

Foto: Yago Gonçalves

“Oi, meu nome é Yago, tenho 23 anos e sou um Millenial e já me senti um fracassado.”

Digo alto em uma roda de conversa com mais 50 pessoas em uma pequena sala de uma faculdade no Centro do Rio, ali se reúne o grupo MA (Millennials Anônimos) destinado a jovens milennials que se sentem fracassados e não podem fazer um mochilão pela Europa afim de encontrarem seu “Eu-interior” ou se descobrirem como barista ou viajantx-veganx-fotógrafx-blogueirx.

Óbvio que isso é uma fanfic, mas poderia ser real. Talvez até exista um grupo assim, não com esse nome bobo, mas talvez exista.

Esse é um texto sobre o Yago mas é também sobre meus amigos, sobre talvez minha geração, talvez eu esteja sendo muito presunçoso mas estou sendo sincero, esse texto pode parecer presunçoso , mas é um texto real e escrito por alguém real, queria que fosse todo fanfic, mas infelizmente não é.

Eu tenho 23 anos, eu sei que você já sabe isso, mas eu gostaria de repetir e te dar um panorama sobre minha pessoa, eu mesmo, Yago. Também sei que voce já sabe disso.

23 anos, terminando a faculdade, moro sozinho desde os 19/20 e muitas vezes sinto que fracassei na vida. Muitas vezes mesmo! Faço Publicidade e Propaganda, sou estagiário de Marketing Digital em uma empresa do ramo fitness — quem me conhece sabe que não sou nada fitness — e gostaria de trabalhar em uma Agencia com Redação ou Planejamento.

Isso ficou parecendo um anuncio do “vagas.com” ou “LinkedIn Vagas”

Nem é, mas se tiver um jobzinho “liga nóis”. Continuando…

Eu vejo os criativos, os jovens empreendedores, os “corajosos” que viajam o mundo fazendo algo legal enquanto eu to fazendo banner pra uma academia em uma cidade de Goiás.

Bixo, é muita “Bel Pesce” nesse mundão.

Aí eu olho pra mim e sou apenas um jovem de 23 anos — eu falando isso de novo — fazendo um banner pra uma academia de alguma cidade de Goiás, e olha que meu lance dentro de PP é outro, mas to aqui fazendo banner. Ok, a vida não é sobre fazer só o que a gente gosta né?!

Eu sempre achei esse meu sentimento bizarro, e até vergonhoso, até compartilhar isso com alguns amigos e perceber que esse sentimento permeia toda uma geração. Tenso.

Meus pais como bons pais, e clássicos geração-alguma-coisa — pra quem é pobre a vida toda essas categorias não são muito simples — me ensinaram que eu tinha que estudar, estudar e depois de ter cansado de estudar, sentar e estudar. Na mente deles, se estudássemos faríamos um caminho mais curto e mais leve. Eles tinham uma certa razão, mas vida não é sobre diplomas. Pelo menos é o que eu acho.

Estudei, acho que não estudei o suficiente, mas estudei.

Ok, não era tão bom em matérias como matemática e química, tirando isso, posso falar que estudei.

Entrei na faculdade e estudei. Primeiro período eu estudei. estudei no segundo período. Terceiro também, e assim por diante. Comprei livro complementar e estudei. Fiz cursinho por fora e estudei. Estudei pra cacete! estudei e paguei por isso, do meu próprio bolso. Mermão, eu estudei.

Os heróis dos nosso pais, dessa geração, morreram de overdose. Os nossos, abriram startups milionárias. Bixo, é mais fácil morrer do que dar certo. Não ri, é sério. Mais ou menos, haha.

Mas aí eu to no fim da faculdade, me formo em 2 meses, e o sentimento de fracasso só chega brabo!

Mas aí pensei melhor e…

Que merda que eu to pensando!

Eu não sou um fracassado, eu sou apenas um jovem que está fazendo seus “corres” e uma hora a coisa vai rolar. A vida real não cabe em um feed do instagram ou num post do Face.

A vida real é dura, e não tem glamour. Mas é uma delicinha de se viver, vai por mim.

Acho que o conselho que eu posso deixar é:

“Trabalhe duro e seja legal com as pessoas”

Vi em algum lugar e guardei no coração. Acho que foi no LikedIn do Rony Meisler, hehe. Foi lá mesmo.

Se você esperava que esse seria um textão sobre o panorama dos Millennials e o motivo que nos sentirmos muitas vezes assim trazendo estatísticas e palavras difíceis, desculpa te decepcionar, nem todo mundo escreve igual o Nizan.

Esse é um texto sobre que a vida ser dura pra todo mundo monamour e que não precisa se sentir assim, trabalhe duro que uma hora o jogo vira. Eu acho, mas fala tu, melhor seguir esse conselho do que ficar chorando por aí.

Ah e lembre :

Seja legal com as pessoas.

Nos vemos por aí.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.