Mudanças…

Fonte: http://mudancasvaldecir.com.br/

Acho que uma das coisas mais incríveis do ser humano é a capacidade de se reinventar, de começar tudo de novo, de se adaptar a novas situações. Todos nós temos essa capacidade. Apesar disso, o ser humano também segue a primeira lei de Newton (Lei da inércia): um corpo que está em repouso tende a permanecer em repouso. Parece que nunca fomos tão sedentários como somos hoje. Não sedentários porque não praticamos atividades físicas, mas sedentários no sentido da dicotomia nômade x sedentário que aprendemos em História no ensino fundamental.

Costumo falar de brincadeira que a humanidade começou a dar errado quando deixamos de ser nômades e passamos a ser sedentários. Ao invés de procurar um melhor lugar para viver de acordo com as condições climáticas e acesso a alimentos, o ser humano passou a escolher uma determinada área pra morar e ali plantar seu próprio alimento. Desde então o homem adquiriu o costume de achar que manter o status quo das coisas é a melhor coisa a se fazer. “Em time que tá ganhando não se mexe”, já dizia o ditado. Mas, às vezes não se consegue enxergar que o “time que tá ganhando” na verdade não está ganhando tanto assim.

Então encara-se a mudança como uma coisa ruim, incômoda, indesejada. Mudanças de opinião são encaradas como verdadeiras heresias. Ser o mesmo “eu” de 5 anos atrás é o que é considerado o correto, sinônimo de pessoa íntegra, alinhada e confiável. Logo, você acaba sendo bastante julgado por escolher mudar. Por decidir mudar de corte de cabelo, de emprego, de cidade. Parece que é melhor estar na situação atual, porque já é conhecida. Porque é mais confortável.

Não sei se é a conjuntura nacional ou se comecei a prestar atenção em como grande parte das pessoas tem aversão à mudanças. Existe uma espécie de medo do desconhecido, um pavor geral em relação ao desdobramento de até mesmo pequenas mudanças. Como se qualquer alteração nas circunstancias fosse causar uma catástrofe.

É preciso ceder ao fato de que mudar faz parte da vida e ficar tentando se esquivar disso só traz sofrimento e mágoa. Deve-se aceitar que as coisas, pessoas, lugares, etc vão mudar, quer a gente queira ou não. Compreender que as mudanças são para o nosso próprio bem e crescimento (mesmo que não pareça no momento), é crucial para uma vida com menos resistência e mais desembaraço. Afinal só chegamos até aqui como espécie por causa da nossa adaptabilidade à mudanças.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.