Dave Grohl, Play e o sentido em ser artista — Lições rápidas #2

Nota: o Além do Roteiro tem um grupo no Facebook! Acessa o link, pede para participar e chama as amizades. Vamos conversar sobre essa e muitas outras análises de filmes e séries na internet por lá.

“Para qualquer pessoa da música, jovem ou velha, um belo estúdio repleto de instrumentos é como um parquinho.” — Dave Grohl

Essa é a frase de abertura de Dave Grohl, o vocalista e líder da banda Foo Fighters, no solo-documentário Play.

No inglês, “play” pode receber vários significados, como tocar (um instrumento musical), brincar, atuar, jogar. Não poderia ser diferente.

No clipe lançado no dia 10 de Agosto, Dave faz duas explorações em uma. Os primeiros oito minutos são uma mistura de making of e documentário, em que vemos cenas de bastidores do número ambicioso chamado de Play, e passeamos por estúdios/escolas de música, onde Dave entrevista crianças sobre o “ser artista”, “ser músico”. A segunda parte do vídeo, o real motivo de Play, são vinte e três minutos de Dave tocando uma música instrumental. Com sete instrumentos.

Veja bem. Dave toca os sete instrumentos (três guitarras, baixo, bateria, teclado e percussão). Cada um durante vinte e três minutos. Cada um gravado ao vivo, na íntegra. O resultado final é a edição dos “sete” Dave Grohl’s formando uma banda-solo por vinte e três minutos.

Dave Grohl Play cena 1
Cinco versões de Dave Grohl aparecem tocando instrumentos em um estúdio, graças à edição final.
“A maioria dos músicos está sempre perseguindo o próximo desafio, você nunca se sente satisfeito e você nunca sente que aprendeu completamente o instrumento que está tocando.” — Dave Grohl

Dave está falando de música, mas está falando também de arte. Em qualquer área artística, podemos achar pessoas se encaixando nessa descrição. Na busca constante de um algo além, o próximo desafio.

Na verdade, mesmo fora do mundo das artes, essa busca existe. “Enigma”, “desafio”, “belo mistério”, “obsessão”, “impulso”, essas são algumas das palavras que Dave encontra para descrever o que sente em contato com a música, sua arte.

“Você está achando isso mais desafiador do que esperava?” — Dave Grohl
“Eu definitivamente encontrei alguns desafios e então tive que colocar esforço nisso.” — Jolie, uma das jovens entrevistadas.

Jolie não fala de inspiração, de um talento mágico de artistas, de dom. Ela fala de esforço e é com essa característica que Dave se identifica.

“É fantástico ver essas crianças realmente tentando se encontrar. Eu continuo tentando me encontrar.” — Dave Grohl

É o esforço, a “obsessão”, que faz Dave se sentir artista e permanecer artista.

Dave Grohl Play cena 3
Pôster de Play. Vinte quadrados mostram um mosaico de Dave tocando cada um dos sete instrumentos.
“A ideia de chegar e não só gravar uma música sozinho, mas um instrumental de vinte e três minutos de duração, com múltiplos instrumentos, correndo de um para o próximo, apenas me pareceu algo que eu nunca tinha feito e, honestamente, eu não sabia se conseguiria fazer.” — Dave Grohl

Os instrumentos para Dave talvez sejam as técnicas para nós, roteiristas. Estrutura, personagem, diálogo. Estilos musicais viram gêneros, do terror ao infantil. No fundo, termos que variam por áreas. Mas podemos nos inspirar nesse mesmo esforço. Nessa vontade de encarar um desafio sem a certeza de que conseguiremos cumprir.

“Houve momentos na gravação em que eu estava no vigésimo minuto… e eu parava e tinha que começar de novo porque sabia que podia fazer melhor.” — Dave Grohl

Quantas revisões, quantos tratamentos um roteiro atravessa apenas porque sabemos que podemos fazer melhor? Quantas histórias cozinhamos por meses ou anos até entendermos que agora sim ela está pronta para ser escrita? Ou melhor, que estamos prontos para escrevê-la?

Dave Grohl Play cena 2
Dave Grohl tocando a bateria, com a palavra “Play” na frente da cena.

A lição, ou as lições da música Play e do making of, não são as lições técnicas que vivemos buscando. Os conceitos que estamos acostumados a ver aqui no AdR. Mas são parte da essência do ser artista. Do processo. Da obsessão, do impulso. Então peço essa licença poética para uma inspiração de uma fonte “diferente”, pois, no fundo, o impulso não vem de um mero objetivo.

“É uma obsessão de vida, mas no fim do dia, como qualquer criança, o prêmio é apenas “Play”.” — Dave Grohl

Você pode ler análises de filmes e séries aqui.

Gostou do texto?

Você pode receber as atualizações do Além do Roteiro inserindo o seu email abaixo e clicando em “Seguir”.

Endereço de e-mail


Originally published at Além do Roteiro.