SEGUNDA-FEIRA

Tenho enfrentado muitas segundas-feiras que não chegam nunca nos últimos tempos. Claro que essas segundas sempre acabam ficando pra próxima semana e quando vejo, a segunda feira já se tornou promessas de ano novo e como todos os anos, novos domingos chegam e nos mostram que a segunda tá bem ali e é mais fácil deixar aquela coisa pra próxima segunda, assim teremos mais tempo para se planejar. Mais uma vez, a semana se torna um grande e chuvoso sábado com direito a maratona no Netflix.

Mas não só de segundas-feiras de novas dietas, matricula na academia e projetos pessoais que nunca saem do papel que eu percebo estar vivendo. Vivo também das sextas-feiras de fazer planos, de sábados de faxinas e das quartas de produtividade no trabalho.

Não sei ao certo se meu calendário precisa ser trocado ou se ele nem deveria existir ou até se eu preciso mesmo viver mais dos dias que das horas.

As vezes eu até tento decorar a letra inteira da musica da Pitty, mas parece que cantarolar a parte do “No mês que vem tudo vai melhorar” me dá mais conforto, mas a música acaba e eu percebo que as segundas já se transformaram em algo muito maior.

Sei que tudo isso só depende mim mesmo e que as terças e quintas são dias que podem começar a existir no meu calendário também, só tenho medo de começar a torná-los novos próximos anos.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.