Células troncos no espaço: mais ajuda para a saúde na Terra

As células tronco já estão na ISS (Créditos: NASA)

Alvos de polêmicas constantes, as células troncos sempre se apresentaram como uma alternativa interessante e bastante eficiente para o tratamento de diversos problemas. Na Estação Espacial Internacional da NASA (ISS), os astronautas irão observar se as células tronco irão apresentar o comportamento esperado: crescerem mais rápido do que na Terra.

As células troncos são células incríveis que podem se transformar em qualquer célula do corpo humano (cardíaca, neural, epitelial etc) através de estímulos. Encontrar essas células são complicadas uma vez que os seres humanos adultos já possuem todas as suas células específicas para cada parte do seu corpo. Logo, as células troncos são encontradas em fetos humanos — e aí está a raiz de toda a polêmica.

Algumas das células troncos enviadas (Créditos: NASA)

Para contornar essa situação, cientistas desenvolveram células troncos a partir do mesênquima, um tecido comum e indiferenciado (ou seja, ainda não adquiriu nenhuma característica específica e função) encontrado na medula óssea. Porém, o crescimento dessas células troncos em quantidades significativas dura semanas e alguns pacientes não podem esperar tanto tempo.

Assim, Abba Zubair, pesquisador da Clínica Mayo em Jacksonville, Flórida, observou que as células troncos feitas do mesênquima cresciam mais rápido em microgravidade simulada e enviou várias destas células para a ISS com apoio da Investigação Ampliada de Microgravidade da NASA.

“As células tronco são inerentemente projetadas para permanecerem em um número constante. Precisamos fazer com que cresçam mais rápido, mas sem alterar as suas características”, explica Zubair.

Mais amostras (Créditos: NASA)

A tripulação atual da ISS irá examinar as células troncos enviadas em um esforço para tentar entender todo o mecanismo que são desenvolvidos uma vez que estão em ambiente de microgravidade real. O objetivo principal é saber como imitar os mesmos efeitos apresentados em microgravidade de maneira segura na Terra e aumentar a produção de células tronco mesenquimais.

A segunda fase da pesquisa é a aplicação das células tronco que se desenvolveram na ISS em pacientes. Segundo Zubair, ele está estudando uma maneira de utilizar células tronco mesenquimais feitas em laboratório em pacientes que tiveram acidente vascular cerebral (AVC) e comparar os resultados com as células tronco cultivadas no espaço.

“O que é único nesta investigação é que não estamos olhando apenas para a biologia das células e como elas crescem, mas sim na sua aplicação e como podemos usa-las para tratar vários pacientes”, diz Zubair.

O pesquisador Abba Zubair (Créditos: NASA)