O que é Economia Criativa?

Esta é uma atividade laboratorial de Comunicação Digital I, produzida por Yasmin Ialuny sob a orientação do professor Marco Bonito — Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA .

O termo Economia Criativa é recente e faz referência à atividade econômica que se inicia no intelecto e criatividade individual, gerando benefícios nas esferas social, cultural ou/e ambiental, além da econômica.

No Brasil, a Secretaria de Economia Criativa criada pelo Decreto 7743, de 1º de Junho de 2012 e vinculada ao Ministério da Cultura considera 20 setores dentro da economia criativa: artes cênicas, música, artes visuais, literatura e mercado editorial, audiovisual, animação, games, software aplicado à economia criativa, publicidade, rádio, TV, moda, arquitetura, design, gastronomia, cultura popular, artesanato, entretenimento, eventos e turismo cultural que estão divididas em 4 categorias: Herança ou Patrimônio, Artes: visuais e performáticas, Mídia e Criação funcional.

Foi John Howkins (do Reino Unido) quem fomentou a discussão quando organizou as ideias no livro The Creative Economy — How People Make Money From Ideias (no Brasil, Economia Criativa — Como Ganhar Dinheiro com Ideias Criativas), de 2001.

Em 2016, a Firjan publicou o “Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil” (em PDF), onde a área criativa gerou R$ 155,6 bilhões para a economia brasileira no ano anterior (2015). Na ocasião, a participação do PIB Criativo estimado no PIB brasileiro foi de 2,64% em 2015, quando a Indústria Criativa (onde se encontra a Economia Criativa) era composta por 851,2 mil profissionais formais.

Duas das grandes dificuldades da Economia Criativa são definir quais setores fazem parte ou não das 4 categorias da Indústria Criativa — pois muda conforme departamento responsável e país — e a precificação de cada ideia e criação, já que idéias são produtos intangíveis e geram valor simbólico (que pode variar de acordo com a cultura, por exemplo).

É claro que essa crescente das atividades dentro da Economia Criativa no Brasil também foi impulsionada pelas dificuldades dos outros setores da economia — a chamada crise — , mas também pela necessidade de representatividade no mercado, por exemplo. A Quites (RJ) é uma empresa de vestuário que nasceu a partir da limitação do guarda roupa masculino e a vontade do Matheus Passos, que é designer, de se vestir livremente.

Ouça aqui, a proposta da Quites e como surgiu a marca:

Participar da Indústria Criativa pode parecer fácil pelo fato de se tratar também de criatividade inovação, mas é tão importante quanto administrar uma empresa. A administração e a criação (aquela que gera benefícios sociais, simbólicos, financeiros e ambientais) caminham juntas, por isso, separamos uma galeria de fotos com dicas de como cuidar do cérebro — o terreno das idéias — para que a criatividade flua livremente e gere novas situações.

São apenas algumas sugestões de como melhorar o campo do insumo intangível que é a criatividade. Embora existam outras, essas são as mais genéricas e pode ser que você crie melhor no chuveiro, ou enquanto come, vai depender de cada um.

Este vídeo é um resumo do que é Indústria Criativa:


Economia Criativa gera emprego, agrega valor simbólico e desenvolvimento humano.
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.