Sou Nutella

É bom lembrar que Nutella tem 2 L’s que é pra ficar bem marcada.

Em meio a tanta coisa ruim que vejo por aí, fico feliz em ver que ainda há pessoas que abram suas mentes e corações para se colocar no lugar do outro. Pessoas que, assim como eu, entendem que qualquer tipo de preconceito, agressão, o desrespeito em geral não deve ser tolerado de maneira alguma. Talvez se isso me faz um Nutella ou mimimi, sou com um prazer ENORME!

Sou tão fofo quanto esse gif da Nutella. Ok, nem tanto.

“Hoje em dia tudo é racismo”, “não é que eu seja homofóbico, mas não acho isso normal” e “a mulher tem que se portar para não sofrer depois” são algumas das clássicas frases que ouço algumas pessoas falando. Galera, o conhecimento tem se espalhado e menos convincente ficam as desculpas que alguns inventam para suas ações ofensivas e pensamentos retrógrados. Com acontecimentos como o da agressão no “BBB”, o assédio cometido pelo ator José Mayer e tantas outras coisas, uma pessoa me falou que “parece que essas coisas viraram moda de uns dias pra cá”. Mas, não é. Se fosse uma moda, gostaria que nem tivesse começado e se fosse pra ser assim, queria que passasse logo. Infelizmente, isso acontece há muito tempo, todos os dias, só que agora estão dando uma evidencia maior. Uma pesquisa do Datafolha, publicada no Dia Internacional da Mulher deste ano, mostrou que 1 cada 3 mulheres já sofreram algum tipo de violência. Sabe quantas mulheres são agredidas fisicamente por hora no nosso país? 503! E ainda há pessoas que acham que não devemos lutar contra uma coisa absurda dessas?

Já ouvi comentários bem desagradáveis por eu ser quem sou e por eu, mesmo que de uma maneira não tão forte como alguns militantes, lutar pelos meus direitos e ter compaixão pela luta do próximo. Meus amores, aos 12 anos eu já ouvia coisas horríveis pelo fato de eu ser gay. Eu não era assumido, então sofria calado. Só quem já passou por algum tipo de humilhação sabe o quanto dói e ás vezes, até pessoas da sua própria família tentam machucar sua alma de alguma forma e eu simplesmente não entendo. O que tanto incomoda na vida desses pessoas se eu gosto de homens? Se eu tiver que dar algo, tô dando o que é meu, uai!

Graças a Deus, nunca sofri, de maneira direta, algum tipo de preconceito por ser negro. Mas, nem por isso deixo de concordar que a causa é importante e que mesmo após tantos, taaaantos anos é um absurdo que ainda há pessoas que queiram ofender a cor da minha pele ou a cultura relacionada a ela. É de uma tamanha ignorância que eu juro não compreender. E acredite, tem casos que a falta de ensino não justifica. Tem muita gente com diploma de faculdade na mão que pensa dessa maneira idiota. Quer que eu entre também na questão da religião? O preconceito que ainda há com o candomblé? Posso não seguir qualquer religião, mas nem por isso vou deixar de respeitar e também da maneira que for possível contribuir para a luta de quem segue alguma e é xingada, humilhada e ás vezes até agredida por conta disso. Se lembram do caso da menina que levou uma pedrada na cabeça?

Eu quero deixar um mundo melhor pros meus filhos, netos, bisnetos, tataranetos e por aí vai. Quero que seja passado para cada geração, a importância de saber e lutar por seus direitos, o respeito, a compaixão e o amor. Se ser Nutella é ser isso e é denominado uma coisa ruim, gostaria de saber a definição de bolsominion.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Yuri Conxis’s story.