A beleza contida no buraco negro

Quando uma grande estrela morre, acontece uma última explosão e toda a energia que existia contida ali -junto de toda a massa daquela estrela- se concentram em um ponto muito, muito pequeno, criando um fascinante buraco negro. Este fenômeno do cosmos que é comumente tão temido por todos e ainda nos é tão desconhecido.

E você sabe, eu tenho falado muito sobre o espaço desde que nos conhecemos e eu sempre tive essa fixação, inclusive no meu nome que tem uma homenagem ao primeiro de nossa espécie à explorar os confins espaciais fisicamente.

Não venho dizer que eu desvendei os mistérios contidos nos buracos negros ou que descobri, cientificamente falando, para o que eles servem, mas eu sei que tudo neles começa com a força da gravidade e a lei da atração.

A gravidade em torno de um buraco negro é tão forte e tão atraente que nem mesmo a luz consegue escapar. Ei, isso não te parece familiar? Porque você consegue atrair até mesmo toda a luz e a atenção dos meus olhos quando está ali por perto.

Há alguns meses, depois de perder uma grande estrela guia em minha vida e sentir a luz diminuindo cada vez mais, eu tentei fugir desse buraco negro que me sugava e esqueci que a gravidade, mais cedo ou mais tarde, acaba por te puxar e espaguetificar, te tornando parte daquele magnífico e poderoso evento. Basicamente, é como se a vida apenas fosse acontecendo e nos levando na direção que ela precisa levar, você sabe, temos falado demais disso.

Tenho sentido com o meu espírito wanderlust espacial que isso é, definitivamente, como se eu estivesse navegando pelo espaço há algum tempo, indo em busca daquela energia que aparecia nos meus sonhos, mas sempre deixando que aquele fio gravitacional me puxasse e me dissesse que eu deveria estar ali, naquele horário, naquele momento, e existir daquele exato jeito -o meu jeito- para que eu fosse envolvido nisso tudo.

E a força da tua gravidade tem me atraído muito, somos dois corpos que atraem um ao outro simultaneamente, como dois buracos negros se unindo.

E é ali, nesse teu horizonte de eventos que eu quero que meu tempo se dilate, como na teoria da relatividade de Einstein que propõe a dilatação temporal, porque é exatamente como eu sinto quando me aproximo e me envolvo no teu abraço, o tempo sofre uma dilatação e um minuto do teu abraço equivale à muito mais tempo pra quem está fora dele. Trocamos momento, nossos átomos vibram tão forte que essa energia melhora nossos dias, parece realmente coisa de outro mundo.

Não, eu não descobri qual o segredo dos buracos negros, eu não entendo qual o motivo de toda essa atração, mas você sabe que como diz o meu nome, eu tenho um pouco de me aventurar espaço afora e quero descobrir mais e mais, ser mais atraído e ser um buraco negro tão atraente quanto você sempre me diz que sou.

Eu não quero saber pra onde a tua gravidade vai me levar e, sinceramente, não tenho me importado muito com isso nos últimos dias, só me deixe aqui, admirando o evento mais lindo do universo acontecer.

Obrigado pelo branco e rosa estelar que colorem esse buraco negro, essa mistura de cores que somos nós, brilhando mais forte que a escuridão dos dias difíceis. E lembre-se que poucas são as coisas podem quebrar as leis da física e ir além do entendimento racional, entre elas, está o que há em nossos corações e o nosso brilho pessoal.

Não sou um cientista, não sou poeta, mas eu sinto muita coisa e me expresso de uma maneira peculiar. E essa é a minha forma de te agradecer por coexistirmos com tanto tempo e espaço por aí.

Você é buraco negro, mas também é estrela.

Like what you read? Give Yuri Torres a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.