Como Lidar com Idiotas?

Eles estão por toda parte, fazem parte do nosso convívio, seja no ambiente familiar, no trabalho, no trânsito, na fila do banco. São pessoas que têm o poder de me tirarem o equilíbrio, apesar de sempre tentar me tornar melhor apesar deles.


Lembro da primeira vez que consegui fazer das acões de um idiota, uma limonada. Estava em um processo de mais de um ano de trabalho e precisava das orientacões do idiota para finalizar com êxito a empreitada. O idiota, sempre me enrolando, me deixou de lado e tive de me virar. Me virei, procurei outra pessoa que pudesse me ajudar e obtive êxito, ao final. É claro que enfatizei e escrevi, literalmente, para o idiota, agradecendo por ele ter me tornado uma pessoa melhor. Afinal, se não fosse por ele, ou pela falta dele, eu não teria superado tantas dificuldades e meu trabalho não teria ficado tão bom. Tapinha com luva de pelica.

Com os idiotas cotidianos, aqueles com quem muito provavelmente não encontrarei nunca mais, minha primeira reacão é sempre revidar a idiotice na mesma moeda. Falou de forma grosseira? Falarei da mesma forma. Furou a fila? Farei o mesmo. Mas… penso na luvinha de pelica novamente e inverto a lógica. Se retorno na mesma moeda, simplesmente perderei a minha razão e serei igual a ele. Engulo o orgulho e sou melhor, mais educada, mais gentil, inteligente.

Aos idiotas que assim são por defeito moral - e esses são, infelizmente, os que fazem parte do meu convívio - deixo que a vida se encarregue.

Fatalmente, mais cedo ou mais tarde, eles tropeçam nas próprias pernas e estupidez. Minha experiência já mostrou que não é preciso mover uma palha para que eles caiam. São mesmo prisioneiros da própria burrice e não há o que se fazer.

Mas que sonho com um dia de fúria e super sincera, sem consequências dos meus atos, ah se sonho!