compasso

O menino dorme, no colo, na rede, sem rodeios
O moço passeia na praça, cheio de galanteios
O velho chora pelo futuro que não veio
O homem-feito a todos impõe seu jeito

A vida? Essa dá suas voltas, sem freio.
Sabe que tudo vem e volta, sem destino feito.
O início é certo, o fim é derradeiro
O meio? Esse é o pai e mãe de todo anseio.