- Escreve a história da minha vida.
- Sua autobiografia?
- Não. Minha biografia. Só seria autobiografia se eu mesma a escrevesse.
- Caso eu fosse seu escritor fantasma, ou ghost writter como dizem por aí, poderia sim chamá-la de autobiografia.
- Você como meu escritor fantasma viria me assombrar depois. Prefiro que não fique oculto. Os holofotes também lhe farão bem.
- Não acho que mereça.
- Os holofotes?
- Uma biografia.
- Está menosprezando minha vida?
- Sua vida não, só sua história.
- Seria um desafio para você.
- Me sentiria claustrofóbico mergulhando no vazio que é a ilusão em que você vive.
- Uau, que frase! Coloque no livro. Vai ficar bonito.
- Ficar bonito? É isso que deseja? Mais ilusão?
- Como se todos não vivêssemos em uma.
- Nisso sou obrigado a concordar.
- Mas hipoteticamente falando… como você começaria minha biografia?
- Com um suicídio.
- O meu suicídio?
- Não. Eu me mataria antes de começar.
- Se você morrer… poderia eu escrever sua biografia?
- Você não sabe escrever.
- Eu contrato um escritor fantasma.
- Ou um escritor morto.

Like what you read? Give Zé Borba a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.