Um mundo onde

descansar parece errado

Como é difícil descansar nos dias de hoje.

Cada vez mais precisamos dormir, e não dormimos. Precisamos relaxar e não relaxamos. As vezes nem respiramos. A dor nas costas, nos ombros, na cabeça, e em lugares onde não se sentia dores antigamente mostram o peso da carga diária que carregamos.

Como é difícil descansar.

E, na maioria dos casos, carregamos este nosso ‘fardo’ sozinho. São dezenas de decisões, são milhares de opções, e queremos escolher todas, queremos acertar em todas. Trabalhar mais e mais. Somos os donos e feitores dos caminhos. E é difícil caminhar e criar estradas ao mesmo tempo.

Como é difícil descansar.

Descansar parece irresponsabilidade. Como dizem, enquanto você descansa, um chinês está ganhando dinheiro. Enquanto você está ai deitado fazendo o seu horário de almoço, um chinês está produzindo.

Pobre chinês. Ele também não consegue descansar.

As vezes, parece errado você ter tempo, você conseguir respirar, ou tirar um tempo para correr no parque ou ver um filme. Parece errado descansar.

Mas todos precisam descansar.

Digo mais, todos precisam descansar em alguém.

Digo mais ainda: todos precisam descansar em Deus, o criador, de pessoas, de caminhos, de histórias.

Mas, mesmo assim, é difícil descansar.

Por que isso?

Por que ainda teimamos em tentar ter o controle e gerenciar tudo? Por que temos tanta dificuldades em confiar em Deus?

Em uma sociedade onde você não confia na pessoa que está do seu lado, confiar em Deus é um desafio absurdo. Algo meio louco.

Em uma sociedade onde todo mundo corre, você andar confiante em algo que você não vê é loucura.

Em uma sociedade onde tudo é guerra, você não lutar como os outros, e nem seguir a mesma direção que a ‘maré’ é passagem de ida com direito a camisa de força para um sanatório.

Sorte a nossa que, dizem, existe algo melhor.

Sorte a nossa que existem coisas que vieram para confundir o que todo mundo acha que é certo.

Sorte a nossa que existe uma ‘loucura divina’, que coloca todo o resto em xeque.

Sorte a nossa que, crendo no que não se vê, vemos o que ninguém consegue enxergar.

Sorte a nossa que ainda há um Deus, no qual podemos descansar.

Mesmo sendo difícil, ainda podemos descansar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.