Vivendo pela Graça. Não pelo Medo.

Encontrando graça em meio ao medo

*Post in English

A vida é imprevisível.

Desde o nascimento nos deparamos com idas e vindas que por fim moldam as nossas personalidades. A cada passo um novo aprendizado, a cada desapontamento um muro para nos defender, a cada vitória um prêmio para enfeitar o muro que erguemos. Vivi muitos anos da minha vida construindo muros e pendurando prêmios e até recentemente eu não percebia o efeito que esses muros e prêmios tinham no meu relacionamento com Deus.

Essas eram partes de uma fortaleza de auto-suficiência que eu construi para me defender e assim não depender de Deus.

Mas independente do meu medo, Deus, em bondade, me ensinou uma preciosa lição sobre abraçar a graça e não o medo em minhas decisões de vida. Durante esse processo em que eu tive os meus muros derrubados, Deus me ensinou usando duas passagens da bíblia: Eclesiastes 3 e em Mateus 6:25–34.

Nada faz sentido!

Eclesiastes é um dos livros poéticos da bíblia. No geral, esse livro parece ser uma narrativa de um homem em dor e torturado refletindo sobre o significado da vida.

No capítulo três ele discursa em forma de poesia sobre como existe um tempo determinado para todas as coisas na vida e sobre como nossos corações anseiam pela eternidade. Mas no final do capítulo ele surpreende a todos com a seguinte afirmação (Ec 3:18–19 NVI)

Também pensei: Deus prova os homens para que vejam que são como os animais. O destino do homem é o mesmo do animal; o mesmo destino os aguarda. Assim como morre um, também morre o outro. Todos têm o mesmo fôlego de vida; o homem não tem vantagem alguma sobre o animal. Nada faz sentido!

O autor é perturbado porque ele não consegue encontrar o significado para a sua própria vida, já que tanto animais como humanos possuem o mesmo destino, a morte. Depois ele chega a conclusão de que é melhor se contentar com o trabalho das nossas mãos, porque não existe outro lugar em que há de se encontrar significado para a vida.

Busquem o reino

Então aparece esse cara, Jesus, algumas centenas de anos depois do autor de Eclesiastes anunciando o evangelho para o povo de Israel. Os israelitas estavam esperando por um Messias militar, que iria restaurar o orgulho do povo ao recuperar o antigo território derrubando o império romano e depois coroado rei sobre eles, assim com o rei Davi. Mas após um certo tempo ficou um tanto óbvio que Jesus não seria o tipo de pessoa que iria liderar um exército contra os romanos porque tudo que ele fazia era andar com doze esquisitos e curar pessoas por aí declarando a vinda do reino de Deus.

Jesus também ensinou no seu tempo na terra. Os versos entre Mt 6:25–34 ilustram um desses muitos ensinamentos e neste ele fala sobre não se preocupar com o amanhã porque Deus toma conta de nós (33–34 NVI).

Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas. Portanto, não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã se preocupará consigo mesmo. Basta a cada dia o seu próprio mal”.

Não há necessidade de se preocupar com o que será de nossas vidas enquanto nós buscarmos o reino de Deus e a sua justiça. Jesus nos promete que se obedecermos, tudo será providenciado e no seu tempo certo.

A resposta para uma antiga pergunta

Você consegue ver a relação entre essas duas passagens?

O primeiro em Eclesiastes mostra um homem torturado em sua busca por significado na vida e a única resposta que ele encontrou foi trabalhar e deixar com que o trabalho defina quem ele é.

Depois, Jesus ensina que antes de qualquer coisa, até mesmo do trabalho que nos alimenta, nós devemos buscar o reino de Deus.

O primeiro faz uma pergunta e o segundo responde.

"Qual o significado da vida?
"O reino de Deus.

Vidas vazias

Nós passamos as nossas vidas tentando fazer algo a fim de nos tornarmos alguém.

Os primeiros anos da vida são gastos estudando a fim de juntar conhecimento para depois adotar uma formação e assim nós possamos dizer, "Meu nome é Artur, eu sou um escritor". Assim como o autor de Eclesiastes disse, nós gastamos as nossas vidas procurando significado para nossas vidas no trabalho das nossas mãos.

Para a mentalidade do não-convertido, esse é o destino final da vida. Se sentir bem ao fazer algo e assim se tornar alguém.

Mas, você já se encontrou preso em uma rotina de acordar, trabalhar, voltar pra casa e no outro dia repetir tudo novamente? Se já, provavelmente você já se perguntou se essa rotina é realmente o que a sua vida deveria ser e o por quê que ela parece ser assim tão vazia.

Até que você chega a conclusão que, "Eu talvez preciso de um novo celular/namorada/amigos/carro/etc." só pra perceber depois que o vazio continua lá.

O vazio permanece porque assim como Jesus ensinou, o significado para as nossas vidas não é encontrado no processo de fazer e depois ser. Mas sim em ser e depois fazer.

O que é o reino de Deus?

Para muitos, até mesmo para aqueles que passaram a vida inteira dentro da igreja, a idéia do reino de Deus pode ser um tanto abstrata. Talvez a primeira coisa que vem a mente é uma cidade de ouro construída sobre as nuvens. Eu não te culpo por ter pensado nisso, eu ainda me pego com os mesmos pensamentos.

Sinceramente, eu ainda não saberia explicar com exatidão o que é o reino de Deus, mesmo tendo vivido muitos anos da minha vida o buscando. Ainda não estou 100% seguro de uma definição porque eu tenho aprendido que o reino não é exatamente um local, mas um estado em que a presença de Deus é manifestada livremente.

Ainda soa vago? Tudo bem. Eu sei que meu entendimento do reino de Deus é vago e que eu preciso descobrir mais. Mas eu consigo te dizer como que é buscar este reino.

É doloroso.

A dor da busca

Assim como eu tinha mencionado antes, a medida em que vivemos a vida construímos muros e penduramos prêmios neles. Nós fazemos isso porque esse é o nosso instinto em resposta ao que nos assusta. Muros para nos defender de ataques e prêmios para provar a outros o quão fortes nós somos. Esses muros e prêmios existem em todos nós e atrás deles nós escondemos o nosso medo. Mas o que acontece quando aquilo que essas defesas protegem é transformado? O que acontece quando deixamos de ter medo e passamos a viver debaixo da graça?

Quando nos convertemos o nosso ‘eu’ que se esconde atrás dessas paredes é transformado, mas isso não significa necessariamente que os muros e prêmios que acumulamos com o tempo sumiram.

Eles ainda estão lá e o medo de destruí-los é exatamente o que priva muitos cristãos de viver as suas vidas da maneira que elas deveriam ser vividas. Essa é a atitude que torna a vida de inúmeros cristãos vazia e sem sentido, se diferenciando em praticamente nada com a vida das pessoas "do mundo".

Os nossos prêmios precisam ser queimados e os nossos muros desmoronados aos pés de Cristo.

Nos últimos cinco anos da minha vida, mesmo tendo sido convertido a dez, Deus têm derrubado os meus muros e queimado os meus prêmios. Um a um, a medida em que eu vou buscando o reino, mas resistindo a perda.

Eu temia que sem eles, eu não seria ninguém.

O que aconteceu

Você pode estar pensando, "se o processo é assim tão doloroso, por que é que você continuou indo de volta para sentir ainda mais dor?". Minha experiência é a de que Deus nunca nos tira algo sem nos dar algo em troca.

A medida em que Ele derrubava minhas paredes e tomava meus prêmios, Ele me dava coisas melhores. Coisas que muito melhores do que as coisas que eu tinha perdido.

Ele me deu Ele mesmo e a realidade em que Ele permeia. Quanto mais Ele tirava de mim, mais eu recebia dEle. Ele me deu o reino e desde então, eu nunca mais fui o mesmo.

Por causa do reino que me foi dado, eu tenho vivido a vida que eu sempre sonhei ter, cheio de significados, sem arrependimentos nem receios.

Mas a jornada ainda não terminou. A vida continua imprevisível e ainda o meu instinto é o de construir novos muros e pendurar novos prêmios.

Depende apenas de mim dizer sim à graça e não ao medo.

Como eu busco o reino?

Bom, isso não é exatamente algo que eu poderia te ensinar, porque o reino é apresentado a cada um de nós de uma maneira diferente. Mas o que eu posso te garantir é que se você o buscar, o caminho será dado e depois você também poderá contar a história de como Deus derrubou os seus muros e te deu o reino dEle.

Você tem uma história como a minha? Compartilhe aqui nos comentários! Eu adoraria saber!

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Arthur Bai’s story.