Foto: Pedro Andrade

Sobre o Tempo e suas convocações

Muito já se escreveu sobre ele, mas pouco se concluiu, muito menos se conseguiu uma vivência ótima dele. A despeito de todas as controvérsias que já inventaram a seu respeito, uma coisa é certa: chega um momento da vida em que nos damos conta que o tempo é como o mar. Não importa o quanto munidos somos — de bússolas, equipamentos e tentativas de controle e auto-segurança — , quando eles querem nos pregar uma peça, eles pregam. Parece uma maneira de se afirmarem enquanto senhores. Parece uma imposição para nos colocarmos em nosso lugar de subjugados. E de fato, eles o fazem.

A questão é: será mesmo que somos tão dominados assim pelo tempo? Não é uma pergunta retórica, realmente não tenho resposta. É bem verdade que temos a liberdade (e responsabilidade) de utilizá-lo de acordo com nossos objetivos, nossas necessidades, obrigações e desejos. O problema começa quando o desejo vai lá pro último lugarzinho na escala de prioridades, não pelo afã de suprir necessidades ou cobiçar algo além, mas por nos ser convocados diariamente a suprir as necessidades primeiro.

Mas e o desejo, onde fica nessa história?

Ele escapa, ele sempre escapa. Sabemos bem que desejo produz e neste caso, ele é capaz de produzir brechas. Ele é o único antídoto para o caráter dominador do tempo. Quando este insiste em nos convocar, em nos tomar completamente — o desejo vai lá e lhe passa uma rasteira. É esse desejo de estar-junto que me faz deslocar do meu lugar até o seu para ver-lhe por pelo menos meia-hora. O faria da mesma forma se fossem 5 minutos. É esse desejo que acende a necessidade de sermos criativos para inventar um intervalo, um encontro. É esse desejo que me faz perceber que nos fazemos falta, o que acontecia com menos intensidade quando escolhíamos nossos encontros. É esse desejo que me faz ansiar pelo próximo, mas também pelo distante ou o nunca. Nunca se sabe.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.