Ju Do Vale
Feb 5, 2016 · 3 min read

O primeiro carro a gente nunca esquece.

Quando eu era criança (porque pequena ainda sou), sonhava em dirigir. Via meu pai dirigindo e sempre tive curiosidade em aprender para sair por aí levando as pessoas passear.

A primeira vez que sentei no banco do motorista, para realmente dirigir, foi com uns 14 anos (não me lembro muito bem). Meu pai tinha um Vectra e me ensinou algumas coisas básicas em um campo vazio que havia perto da casa da minha avó. Acho que até fui bem, mas entrei na auto-escola só 6 anos depois.

Confesso que adorava ir nas aulas da auto-escola, nunca errei uma baliza quando treinava, mas, no primeiro teste do Detran, errei e reprovei.

Precisei fazer mais uma aulinha e fui para o segundo teste. Fiz a baliza lindamente bem, saí do Detran e o avaliador pediu pra virar a esquerda, o carro da auto-escola estava com problemas no câmbio e na hora que eu fui virar, a porcaria da marcha não entrou, o carro morreu no meio do cruzamento e o avaliador mandou encostar. O teste na rua não deve ter durado 5min, pensei comigo: reprovei de novo…

O cara não falou nada, só falou pro instrutor da auto-escola arrumar o carro e fiquei sem saber se tinha passado (huahuahua, que ódio), mas aí o instrutor falou: Parabéns!

Ufaaaa passei, PORRAAAA!

O primeiro carro que dirigi com carteira foi o Civic, também do meu pai. Era uma nave gigante e foi super bom para pegar noção de espaço.

Naquela época ainda estava na faculdade e o meu próximo sonho era ter o meu próprio carro. Afinal, sempre odiei andar de ônibus ou depender de carona dos outros.

Queria um Kazinho, o qual apelidei de Joaninha.

Isso foi em 2009, quando lançaram o modelo novo. Mas, eu achava que não teria dinheiro suficiente para comprar. Mesmo assim, o papel de parede do meu computador era um Ka, igual esse da foto.

Imagem reprodução Google.

Em 2010 consegui meu primeiro emprego, guardei todo o dinheiro dos primeiros meses e em junho, do mesmo ano, comprei a minha tão sonhada Joaninha.

Arquivo pessoal (ignorem a minha cara horrível na foto).

Foram quase 6 anos juntas.

O carro era o meu passaporte para liberdade de ir e vir a hora que eu quisesse. Foram muitos momentos felizes, momentos tristes e várias conversas de gente doida com ela (é, eu falo sozinha).

Tenho muito orgulho em dizer que me ferrei 5 anos pra pagar esse carro, não ganhei de ninguém, não precisei da ajuda de ninguém. Ok, paguei 2 carros, mas era a forma que, na época, era viável para minhas condições.

Pois bem, agora chegou a hora de dizer Adeus e deixar ela fazer outra pessoa feliz. Espero que o novo dono/a cuide muito bem dela, pois está praticamente novinha, linda, divina e maravilhosa. ❤


Curta minha página no Facebook clicando aqui.


A Vida depois do Sim

Esta é uma coleção com dicas, inspirações e reflexões para vida a dois. — Por Ju do Vale

Ju Do Vale

Written by

Formada em Design, especialista em UX, Primeira Dama do Jhony, mãe da Lily e criadora do canal Meu AUmigo Cão no Youtube.

A Vida depois do Sim

Esta é uma coleção com dicas, inspirações e reflexões para vida a dois. — Por Ju do Vale

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade