O filme "Vestida para Casar" e a minha história

A história da Jane não era parecida com a minha, mas eu me via muito nela e senti que minha vida precisava mudar.

Outro dia assisti novamente o filme Vestida para Casar e acabei lembrando de como foi a primeira vez que o vi.

O filme conta história de uma jovem chamada Jane Nichols, que é interpretada pela atriz lindíssima Katherine Heigl (adoro os filmes dela), a qual vive para ser dama de honra. Na tradição americana a dama de honra é aquela pessoa que ajuda a noiva na organização de todo o casamento, desde escolher o vestido à montar lista de presentes.

Jane participou de 27 casamentos e sonha com o dia que o príncipe encantado chegará em sua vida.

Em um desses casamentos ela conhece Kevin Doyle, interpretado por James Marsden, escritor do “Jornal de Nova York” para uma sessão sobre casamentos que ela adora. Porém, de início, eles não se dão muito bem e ela segue sua vida apaixonada por seu chefe que acaba se apaixonando por sua irmã. Então, Jane, como uma ótima dama de honra, inicia a organização dos preparativos para o casamento da irmã que tenta parecer a mulher perfeita fingindo ser um tipo de pessoa que não é.

Irritada com tudo, a boa moça Jane conta toda a verdade sobre sua irmã e acaba abalando o relacionamento e o casamento sendo cancelado. Nisso, ela acaba percebendo que está apaixonada por Kevin, e o final, eu nem preciso contar, não é mesmo?!

Mas que relação esse filme tem com a sua história, Ju?

A primeira vez que assisti foi lá em 2010. Na época eu estava passando por uma fase complicada e me sentia completamente desanimada com a ideia de encontrar uma pessoa que me fizesse acreditar em relacionamentos, muito menos alguém que me despertasse a vontade de realizar o sonho de casar (sim, eu sempre sonhei com isso).

A história da Jane não era parecida com a minha, mas me via muito nela. Comecei a perceber que o meu destino talvez fosse como o dela, cuidar das minhas amigas que se casariam antes de mim e ficar ali esperando pela minha vez.

Mas, em um momento do filme ela fala uma frase mais ou menos assim: eu sei que o meu dia irá chegar.

Na época, eu até publiquei no Facebook essa frase e unindo com a vibe positiva que estava aprendendo por frequentar as reuniões da Seicho-no-ie (veja meu relato sobre isso aqui), voltei a pensar positivamente e inconscientemente apaguei tudo o que de ruim havia acontecido até ali. Depois deste momento comecei a reconhecer os meus erros e a perceber quais eram os tipos de pessoas que gostaria de manter em minha vida.

Talvez você esteja pensando que tudo isso é uma grande bobagem, mas as vezes para acordarmos basta um pequeno momento e foi isso aconteceu comigo.

Dali em diante, comecei a "despertar" e recuperar o tempo perdido. Comecei sair mais, me aproximar mais das pessoas, permitir que novas pessoas entrassem na minha vida e foi assim, que no momento em que mais me sentia preparada para um novo relacionamento, conheci o homem que seria dali 2 anos, meu marido (conheça nossa história aqui).

Então, em pouco tempo, meu dia chegou e foi a coisa mais incrível que aconteceu na minha vida.

Ao assistir esse filme, percebi o quanto meus pensamentos mudaram ao longo desses últimos anos e quantas coisas eu superei para ser o que sou hoje. O tempo é o melhor remédio para nossa personalidade. Claro que não funciona assim para todos, algumas pessoas parecem ficar paradas em um fase da vida e que talvez nunca mais sairão dela, mas mudar é uma coisa que só depende de nós mesmos e eu queria mudar, eu precisava mudar. E consegui.

No casamento da Jane, todas as noivas que ela foi dama de honra aparecem com o vestido que ela usou nos seus casamentos. Não fui em muitos casamentos antes do meu, mas teria feito o mesmo. Porque olha… que vestidos feios (huahuahua).

Nunca comentei essa história com ninguém, na verdade eu nem lembrava direito, mas aquelas recordações automáticas do Facebook me fizeram perceber que talvez fosse algo legal de compartilhar com vocês.

Se você gostou desse post, curta nossa página no Facebook clicando aqui e não deixe de recomendar clicando no coração ver ali embaixo.


One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.