Os primeiros dias de casamento

É hora de acordar e encarar a nova vida.

Meu casamento foi no dia 2 de maio de 2014 (veja como foi). Passamos um ano planejando o grande dia.

Nesse tempo, a coisa mais legal de se fazer é cuidar de cada detalhe.

Como eu sou designer, fiz muitas coisas para a cerimônia e festa. Inclusive convites. Fiz cerca de 90 convites sozinha, e, apesar do trabalho foi muito legal fazer.

Quanto mais perto da data, mais compromissos com decoradora, fotógrafa, cerimonial, etc. A ansiedade crescendo, mas apesar disso tudo, eu consegui ser uma noiva bem calma.

Juntamente com o planejamento do casamento, tínhamos o apartamento para montar. Acho que é uma situação que a maioria dos casais passam.

Colocar piso, pintar, mobiliar, decorar, comprar utensílios domésticos, fazer o enxoval, comprar os eletrodomésticos, etc., etc., etc.

Era muito legal ir nas lojas escolher tintas para as paredes, cortinas, sofá, colchão e tudo mais que precisávamos, para deixar a casa habitável.

Nessa fase, você fica imaginando: Como será a sua vida de casada? Como será a sensação de chegar na sua casa? De estar todo o dia ao lado do seu marido?

Bom, a festa passou e, no dia seguinte, quando olhei para o lado, na mesma cama, estava lá o meu marido. E o que mudou?

Sinceramente, não tive a sensação de uma real mudança. Até me assustei com a normalidade que encarei a nova situação. O problema é que, no primeiro dia, a ficha ainda não caiu.

É tudo muito legal, muito bonito, é novidade. Você sente que realmente está feliz e realizada.

A minha ficha só caiu mesmo, quando voltamos da lua de mel e estávamos nós 2 na nossa casa, no nosso cantinho que foi pensando nos mínimos detalhes, e estava sendo organizado do jeito que queríamos.

Sim, a sensação é muito boa!

Você olha para tudo aquilo e pensa:
Meu Deus! Como que, em tão pouco tempo,
conseguimos comprar e arrumar tudo isso?

Mas também vem aquela preocupação: Como será daqui para frente?

Afinal, não tem mais pai e mãe pra ajudar. Você vai chegar em casa e, se não arrumou a cama logo pela manhã, ela vai continuar desarrumada. Não vai ter mãe pra perguntar se você está com fome, ou para comprar aquele pãozinho fresquinho especialmente para você. Agora é você quem terá que fazer isso, é você que vai tentar agradar o seu “cônjuge”.

Mas eu te garanto: Ao mesmo tempo que será trabalhoso, será muito prazeroso também.

Eu e meu marido já éramos muito unidos antes do casamento. Nos viamos todo dia, pois íamos juntos para o trabalho, o que já nos deixou acostumados com a convivência. Porém, mesmo assim, nem tudo é um conto de fadas.

Antes de casar você pensa: meu marido não vai deixar a toalha molhada na cama. Ahhhh ele vai! Vai sim.

Ou então: “Se eu pedir pro meu marido trocar a lâmpada ele vai na hora”. Não! Ele não vai e talvez ela fique 1 semana lá em cima da mesa esperando a boa vontade dele ir.

Ou ainda: “Quando namorávamos, ele era viciado em vídeo game. Mas, depois de casados, que estaremos juntos todos os dias, ele vai parar um pouco”. Não! Ele não vai parar. Talvez você note que ele fica jogando muito mais tempo do que você imaginava.

Nãoooooooooooo!

Inclusive, hoje antes de publicar o post, vi esse compartilhamento na minha timeline do Facebook: O ciclo sem fim da bagunça – um apelo para as mulheres (huhauhauhau). Vale a pena a leitura e a reflexão.

A pergunta é: Como lidar com isso? No começo é difícil.

Minha mãe, minha vó, minhas tias e todo mundo sempre me diziam:. “Tenha paciência” (até porque, essa não é uma virtude minha).

Se você pensa que vai conhecer apenas os defeitos do seu marido, está completamente enganada.

Ou você acha que é perfeita, que não tem nenhuma mania chata pra ele se irritar?

Aí você percebe no tanto de cabelo que fica espalhado por todo o banheiro, e, o pior, ele quem viu e comentou contigo. Que quem aperta o tubo da pasta de dentes no meio é você, não ele. Dentre um monte de outras coisas, as quais, antes de morar juntos não tem como perceber.

O problema é lidar com tudo isso. É difícil aceitar críticas, talvez mais difícil ainda será mudar os hábitos. Afinal, agora suas vidas são como uma só.

Então, o importante é ter em mente que: esse tipo de coisa inevitavelmente irá acontecer. Ninguém é perfeito. Não teria graça se fossemos perfeitos.
O modo de apontar uma mania que te incomoda também é difícil. Achar a melhor forma é complicado e, na verdade, acredito que nem exista uma.

Eu tenho em mente o seguinte:
Está me incomodando? Eu falo. Falo mesmo!

Algumas vezes irritada. Algumas vezes tranquila. Só digo que é melhor falar do que deixar tudo virar uma bola de neve, a qual com o tempo não tem mais conserto.

Então relaxe e aproveite cada momento!

Curta nossa página no Facebook clicando aqui.

Like what you read? Give Ju Do Vale a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.