Quando mudar de emprego?

Existem vários fatores que nos prendem em uma empresa, mas também existem vários que nos mostram a hora de mudar.

Eu não sou o Max Gehringer, mas nesses meus anos de experiência aprendi algumas coisas na prática.

Existem vários fatores que nos prendem em uma empresa, tais como: perspectiva de crescimento na carreira, benefícios, aumentos salariais, ambiente de trabalho, valorização de funcionários, etc.

Porém, quando um desses itens, ou todos não são bem trabalhamos podem acabar se tornando um fator de insatisfação que com o tempo nos deixam desanimados até que chega a hora de sair. Afinal, se quando éramos crianças a escola era considerada o nosso segundo lar, quando adultos o trabalho toma conta desse lugar, já que nele passamos a maior parte do nosso dia e por isso precisamos nos sentir bem lá.

Alguns sinais claramente nos mostram que chegou a hora de mudar, tais como:

  • levantar da cama para ir trabalhar se torna um sacrifício;
  • as coisas ruins na empresa se destacam mais do que as boas, e encontrar algum ponto positivo que amenize a situação se torna praticamente impossível;
  • não tem como entender por que os colegas sorriem e se divertem durante o expediente, afinal, parece não existir motivos para tanto;
  • tudo se torna irritante, um o barulho, a voz do colega, as conversas sem sentido, um chefe que não merece o cargo, etc.;
  • olhar para o relógio se torna compulsivo e o pior é descobrir que o tempo não passa;
  • desânimo em aceitar qualquer convite ou sugestão;
  • a vontade de dar o seu melhor no trabalho não existe mais;
  • não sentir mais admiração pelo gestor da empresa ou pelo seu chefe;
  • constante sensação de que as coisas somente irão mudar para pior;
  • a falta de qualquer elogio ou reconhecimento durante um mês inteiro.

E olha, se você sentir pelo menos 5 deles, talvez seja hora de começar a se preocupar e sair da sua zona de conforto.

Mas, antes de sair aceitando qualquer proposta pense no por que quer mudar de emprego, analise se todas as possibilidades internas já foram esgotadas e principalmente, defina aonde você quer chegar.

Todas as vezes que mudei de emprego tiveram motivos muito semelhantes e só errei uma vez, errei por medo de onde futuro poderia me levar em uma determinada empresa e hoje vejo que poderia estar lá até hoje, mas ninguém é perfeito e as vezes erramos.

Se vocês está em dúvida do que fazer, leve em consideração o seguinte:

  • não mude apenas por não gostar da empresa ou do seu chefe;
  • não mude só porque você conhece alguma pessoa que parece feliz fazendo o que você está pensando em fazer;
  • não mude sem entender muito bem as exigências da nova carreira a ser seguida ou do novo emprego;
  • não jogue fora o que você já conseguiu. Pense na mudança como um projeto progressivo, e não imediato;
  • não mude apenas pelo dinheiro;
  • prepare-se para a mudança, se necessário, faça cursos e converse com outros profissionais da mesma área para entender se é um bom momento de mudar;
  • prepara-se para as novas entrevistas, é um processo relativamente chato, mas necessário e pode levar um certo até que consiga uma proposta considerável;
  • também prepare-se para a nova empreitada, ser novo em uma empresa pode não ser tão simples quanto você pode estar imaginando;
  • não espere que uma empresa seja perfeita;
  • pedir demissão antes de ter outro emprego é um dos maiores erros, é mais fácil encontrar emprego enquanto está empregado;
  • não peça demissão sem ter outra oportunidade garantida;
  • não mude se sentir que não a cultura corporativa da nova empresa não estiver de acordo com seus propósitos;
  • e por último, mas muito importante, analise a situação atual do mercado e pense se realmente é um ideal momento para trocar de emprego ou se não é um risco para sua vida financeira.

E já que falei do Max Gehringer, deixo esse vídeo com algumas dicas bem bacanas sobre a decisão de pedir demissão e quais são os itens a considerar na hora de trocar de emprego.

Até mais e boa sorte.

*Referências para esse post retiradas daqui, daqui e daqui.
Se você gostou do post, curta a página no Facebook clicando aqui e não deixe de clicar em recomendar.


One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.