Aonde foi parar a tal da empatia?

Acordei cedo, sem empatia alguma com o dia que estava começando. Cumpri com a minha rotina matinal e logo após fui conferir o jornal da manhã tomando meu café e esperando o horário certo para pegar o ônibus e ir para o trabalho. Porque aqui no Brasil é assim, você espera até o último minuto, caso exista algum ponto próximo a sua casa, pra então ir pro ponto para que você não seja assaltado e mesmo não ficando exposto na rua, corre o risco de ser assaltado dentro do ônibus. Enfim, não é sobre isso que vim falar, mas de uma reportagem que me chamou bastante atenção. “Assaltantes matam enfermeira na frente da filha”, até ai nada surpreendente, é que infelizmente a gente ouve isso através do telejornal toda hora e infelizmente uma coisa de tamanhã grandeza como esta fica assim, comum. Estamos tão acostumados com esse quadro caótico que a nossa segurança pública se encontra que a verdade é esta, ver um criminoso matando alguém se torna COMUM.

O que de fato me chamou atenção é que os assaltantes chegaram atirando, uma bala atingiu quem estava no carona do carro ( a enfermeira morta ), o marido estava dirigindo e a filha do casal no banco de trás. O pai retira a filha, os assaltantes percebem que atiraram na mulher e desistem da operação enquanto a mulher começa a perder a vida, deitando no chão, respirando seus últimos segundo. O marido desesperado tenta parar alguns carros que passam pela rua e ninguém, absolutamente ninguém para pra socorrer, prestar ajuda ou qualquer coisa do tipo. A mulher morreu, deixando um marido e uma filha ainda bebê.

Incrédulo perguntei pro meu avô que estava sentado comigo no sofá se aquilo realmente era verdade e de forma incrédula recebi a resposta positiva de que sim. Era verdade. Nossa empatia com o próximo foi para o beleléu. Acho que junto com a nossa falta de fé na nossa segurança, em dias melhores, na vida. Falta de empatia do assaltante que tira a vida de outras pessoas de maneira tão sem sentido, na escolha — porque diferente do que dizem essas pessoas aloucadas que tornam pessoas que praticam tais atos vítimas da sociedade acredito que é uma escolha — de obter algum dinheiro fácil acabam que cancelando qualquer empatia com o próximo. Falta de empatia de quem estava passando pelo local e não socorreu e do destino, talvez?

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Uerlle Costa’s story.