“photo of person's hands” by ian dooley on Unsplash

Yin e Yang

Sou um só e ainda assim vários, que não cabem em mim
Quero amores libidinosos, que durem uma única noite
Que ardam durante horas como se não pudessem ter fim, 
mas que padeçam de açoite

Em contra ponto quero amores tranquilos com sabor de lichia mordida,
Tão raros e tão delicados que me arrebatam
sensação ainda incompreendida
Que adoçam a boca e os lábios dilatam

Quero o sexo de dois amantes raivosos, que se chocam contra a parede
Se alimentam de carne e de saliva
Que quanto mais um do outro bebem mais têm sede
E que meu corpo decliva

Desejo a conexão da conversa entre lençóis que observam o amanhecer
Da compreensão do toque da pele
Do beijo que me cala e faz entender
do sentimento que protele

Quero a paixão tórrida 
Que invade as minhas portas e pulse lá dentro
Me deixe em ferida 
Me desmorone por inteiro, me tire do centro

Sucumbo ao ciclo majestoso de
Encontrar prazer na dor
E conforto no amor