Começando com GNU/Linux — The easy way

Salve salve turma, boa semana a todos! Vamos falar de coisa boa?

O mês de junho está findando, e com ele terminará os #30JunTexts, e, se você acompanhou mesmo que de leve isso aqui, já deve ter percebido o quanto eu gosto e falo sobre GNU/Linux, não é mesmo?

Agora, se depois que você leu tudo o que eu disse esse tempo, e se interessou sobre o assunto, eu vou deixar aqui abaixo uma lista de coisas que podem te ajudar a começar uma aventura novo em um ambiente de trabalho até então desconhecido.

GNU/Linux hoje em dia é distribuído por pacotes chamadas de distribuições, eu já falei isso antes, mas não custa relembrar.

Existem diversas distribuições famosas e centenas desconhecidas.
Poucas delas são realmente livres (aprovadas pela FSF). Todas elas no entanto, com algum trabalho podem ser limpadas de cada pedacinho de software proprietário que possa existir.

Eu vou deixar aqui algumas distribuições que eu recomendo a você testar, duas delas aprovadas pela FSF e duas não. Meus motivos para listar as que não são aprovadas são simplesmente práticos. Você está começando agora nesse mundo e não tem obrigação de saber tudo de uma vez, logo podemos começar um pouco mais devagar (na minha opinião), embora após alguns tweaks eu não veja problemas em usar nenhuma dessas.

Distribuições livres:

Trisquel GNU/Linux

Eu fiz um post só pra falar do Trisquel, você confere o post completo clicando aqui: Instalando e conhecendo o Trisquel GNU/Linux.

gNewSense

O gNewSense é uma distro baseada no Debian, o site do projeto você encontra aqui: http://www.gnewsense.org/ e ele entrega um sistema com uma estabilidade muito bacana. Se você é carente do GNOME2 como eu, vai ficar maravilhado com essa belezinha.

Distribuições não livres:

Debian

O projeto Debian entrega a minha distribuição favorita (eu a uso com os respositórios Main apenas ativos e o kernel Linux Libre no meu desktop), entrega uma estabilidade fora do comum mesmo para ambientes GNU/Linux e é extremamente versátil. Também fiz um post só sobre ele (a versão mais recente) aqui, você confere clicando aqui: Instalando o Debian Jessie.

Fedora

Mais uma figura carimbada aqui no acesso.me (o gnewsense daqui a pouco também aparece) o Fedora é um dos meus xodós, foi a primeira distro que instalei com sucesso em uma maquina minha. Você confere mais dele clicando aqui: Instalando o Fedora 22 workstation.

Agora que já indiquei quatro distros pra você testar, vamos a parte prática da coisa.

Não se preocupe, eu não quero que você formate seu computador as cegas, longe de mim querer deixar você sem seu Windows, Netflix e donuts…

Escolha as Live Images das distribuições que você quer testar. No site do Debian você só precisa pesquisar por live iso, no Fedora qualquer spin que você pegar será live, no GnewSense a iso padrão já é live também e o mesmo acontece com o Trisquel, tudo bem simples.

Baixou a ISO? Agora entra o pulo do macaco louco. Vou te dar exatamente DUAS opções, porque eu sou brother né.

Você pode queimar essa ISO em um CD/DVD com o seu gravador preferido, ou, usar aquele pendrive maroto (um de 4Gb da conta do recado na maioria dos casos citados acima, com exceção do DVD full do Fedora que não é necessário) e usar o pendrive como tester.

Eu vou assumir que você use Windows, OSX ou GNU/Linux ok? a dica abaixo de como preparar um pendrive de live image só serve se você usa um dos 3… Acesse o site do unetbootin e baixe a versão apropriada para seu sistema operacional, caso você use windows, instale o 7zip, você vai precisar…

Uma vez que o download tenha terminado, execute o arquivo, seleciona a ISO que você baixou, marque o drive USB apropriado (muita atenção, eu recomendo que você deixe somente um pendrive na máquina por vez para não correr o risco de perder coisas importantes) e mande bala.

O processo vai demorar um tempo proporcional ao tamanho da ISO baixada, quanto maior a ISO, mais tempo para ajeitar tudo.

Quando o processo terminar, assumindo que você esteja preparando o pendrive na máquina que quer realizar o teste, marque a opção reiniciar agora, sua máquina vai reiniciar, entre no “setup” e marque o pendrive como unidade padrão de boot. Caso não queira passar por esse trabalho, ao reiniciar a máquina preste atenção porque rapidamente no boot vai aparecer uma tecla de atalho para o menu de seleção de método de boot (variando normalmente entre as teclas F10 e F12), selecione o pendrive e pronto!

Escolha a opção experimentar antes de instalar e após algum tempo (minutos se for um CD/DVD, segundos se for um pendrive) você terá um sistema vanilla (sem modificações) para usar! Sim! Você só tem que lembrar que após reiniciar a máquina, toda e qualquer alteração será perdida.

E é assim a maneira mais fácil de começar a se aventurar no mundo GNU/Linux, mudar o paradigma de vez em quando ajuda turma, talvez seja a hora de dar uma chance a um sistema diferente que pode te oferecer uma série de vantagens (e desvantagens também, vai saber…) e começar a abrir o horizonte para um mundo tecnologico diferente.

Amanhá é o ultimo dos 30 textos de junho, a caminhada foi longa, mas está chegando ao fim, até mais!

O trabalho Começando com GNU/Linux — The easy way de Thiago Faria Mendonça está licenciado com uma LicençaCreative Commons — Atribuição 4.0 Internacional.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.