A pergunta que não quer calar: Designer de Interface precisa saber programação?

Essa pergunta com certeza já passou pela cabeça de muitos profissionais, sejam eles designers, programadores, gestores de projeto… No primeiro episódio do Aelacast, nós convidamos o Vinny Campos e o Filipe Fernandes para um bate papo incluindo o Felipe Melo, o Jônatas Vieira e o Matheus Santos (aliás, o único programador da conversa) para discutir esse assunto.

Antes de chegar ao veredito sobre a necessidade ou não da programação na vida do designer digital, nós discutimos e relatamos as nossas experiências profissionais tanto como freelancers quanto trabalhando em empresas do mercado nacional e internacional.

Você precisa ter uma visão geral para criar

Ao trabalhar em projetos digitais de interface, é crucial que o designer tenha uma noção bem clara sobre como os elementos do seu layout irão funcionar e agir entre si. Não adianta desenhar uma interface linda, uma obra de arte, que não funciona bem quando implementada ou que se torne um pesadelo de se programar. Entender de código é entender como os pixels vão funcionar e pode ser um grande diferencial no refinamento visual do projeto final, pois o código e a parte visual caminham juntos.

Quanto mais armas você leva para a guerra, melhor!

Você não precisa debandar para o lado negro da força e se tornar um programador, a não ser que seja algo que você realmente queira. Só o tempo irá dizer isso, após você realmente se conhecer e descobrir do que você gosta para entrar de cabeça. Entretanto, ter conhecimento sobre programação é uma arma a mais na sua mão.

Na área de design de interfaces, UI e UX, entender de programação pode ser o primeiro passo para se tornar o famoso (e cobiçado) profissional “T-shaped”, que tem bons conhecimentos gerais, e é muito bom naquilo que é especialista. Não estamos dizendo que você vai precisar “colocar as mãos” no código e programar, mas o conhecimento a respeito só vai melhorar a qualidade das suas entregas (e se quiser colocar a mão na massa, ótimo também). E nós também concordamos que CSS não é uma linguagem de programação, mas também não é necessariamente simples.

Você terá mais elementos para dialogar com outras áreas

Muita gente da área de programação comenta que o trabalho de interface de quem não sabe absolutamente nada de programação ou lógica pode apresentar algumas falhas, como se algo estivesse faltando ali. Não queira ser a pessoa que monta um flyer para a internet, uma interface que vai dar muita dor de cabeça para quem precisa implementar!

Entender de lógica de programação vai facilitar o seu diálogo e relacionamento com as outras áreas. Você vai se perguntar se o seu layout é possível e se é viável. Isso pode facilitar os projetos e criar uma verdadeira empatia com a pessoa que vai pegar o seu trabalho. Além disso, eventualmente em algum momento de sua carreira você pode ter dificuldade em encontrar alguém que seja capaz de “codar” as suas interfaces, e aí a sua habilidade pode cair como uma luva.

Afinal, programar ou não?

Para finalizar, acreditamos que o grande diferencial de um designer de interface, UX ou UI que conheça pelo menos o básico de programação, é que essa pessoa é capaz de dialogar com outras áreas, entender as necessidades das entregas e é claro, entregar projetos melhores. Há sim algumas vagas no mercado que são híbridos de UX/UI e frond-end, então é bem importante que você conheça as necessidades de cada empresa e de cada projeto.

Se você vai precisar programar efetivamente ou não, aí vai do que você gosta, do que espera para a sua carreira e das necessidades do projeto ou cliente. Entretanto, saber o básico de lógica e de programação é algo que pode sim trazer bons frutos para a sua carreira!

Você concorda com o nosso ponto de vista? Ouça o episódio completo do Aelacast e deixe a sua opinião!

Like what you read? Give Jônatas Vieira a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.