O que é Design Thinking e como aplicar

O que é Design Thinking e em que se consiste essa abordagem? Além disso, vou dar alguns exemplos de como você pode usar o Design Thinking para melhorar seus projetos de UX Design.

O que é Design Thinking?

O Design Thinking é um conceito que “nasceu” do Design, porém pode ser aplicado a diversas áreas, visando solucionar problemas. Principalmente, nas em design de serviços e de produtos digitais.

Mas como?

Essa abordagem busca atender às necessidades dos usuários por meio da solução de problemas; as pessoas são colocadas no centro de desenvolvimento do produto e assim, de forma coletiva e colaborativa, os profissionais buscam as melhores estratégias para atender ao usuário. Por isso, que trabalhos em equipes multidisciplinares são comuns, sendo primordial para que o desenvolvimento do projeto seja feito da melhor forma possível e em um menor espaço de tempo. É a junção do pensamento corporativo com o pensamento criativo visando um só propósito.

Além disso, a ideologia do Design Thinking presume que essa abordagem centrada no usuário para a solução de problemas pode levar à inovação; e a inovação é um fator de destaque e de decisão em relação a concorrência.

Design Thinking framework:

Marcas como Apple e Nike já vem aplicando há mais de 10 anos e obtêm resultados positivos desde então.


Assista a esse vídeo, com um estudo de caso sobre como a Apple vem utilizando Design Thinking para criar produtos inovadores e interessantes para as pessoas:

Vídeo de 2012, sobre como a Nike utiliza o Design Thinking, ao longo dos anos, para criar produtos específicos para esportistas:

Dica de artigo — Estudo de caso: redesign Wikipedia.

Benefícios do Design Thinking

Além dos benefícios vistos acima, a aplicação do Design Thinking em UX Design possui outras vantagens:

  • Transforma a forma como as empresas desenvolvem produtos, serviços, estratégias etc;
  • Gera integração entre equipe e profissionais de outras áreas;
  • Desenvolve novas estratégias criativas na solução de problemas e aprimoramento da experiência do usuário;
  • Soluciona problemas ainda não muito claros e incertos;
  • É um processo flexível na sua execução — pode ser realizado o quanto precisar e pode ser aplicado de diversas maneiras, dependendo do time ou da empresa.
Design Thinking estimula as organizações a se concentrarem nas pessoas para as quais estão criando. Para que assim criem produtos, serviços e processos internos centrados no ser humano.

Além disso, o Design Thinking pode ser usado para outras áreas além do Design, sempre onde há necessidade de se encontrar e solucionar um problema para seus usuários.


Modelo do processo de Design Thinking usado pela TransferWise.
Caso de sucesso: Migrando do Design Gráfico para UI e UX Design

O processo

O processo de aplicação do Design Thinking possui uma estrutura que pode ser representada em um fluxo geral. Essa etapa consiste em:

1) Compreender;

2) Explorar;

3) Materializar.

E ao especificar esse fluxo, temos as 6 fases do Design Thinking que são: empatizar, definir, idealizar, prototipar, testar e implementar. Confira a imagem abaixo:

Fluxograma do Design Thinking

Entenda melhor cada etapa:

Empatia

Empatia pode ser entendido como a capacidade de se colocar no lugar de outra pessoa. Pensando nisso, nessa etapa as pesquisas devem se voltar para adquirir conhecimento sobre o que seus usuários fazem, pensam, sentem e principalmente, qual ou quais problemas esperam que sejam resolvidos pelo produto ou serviço.

Como exemplo, podemos imaginar uma situação em que o objetivo é melhorar uma experiência de integração para novos usuários. Nesta fase, é interessante conversar com diversos usuários reais e observar diretamente o que eles fazem, como pensam e o que querem. Perguntas como ‘qual a motivação ou desencorajamento dos usuários?’ Ou ‘qual o ponto em que há frustração?’

O objetivo é reunir informações suficientes para que você possa realmente empatizar-se com seus usuários e suas perspectivas. E a melhor forma de fazer isso é colocar-se no lugar deles.

Uma das metodologias que são usadas em UX para conhecer os usuários de um produto e suas necessidades é o desenho das personas.

Estudo de Caso Nespresso — Aluna Luka Vasconcelos MID

Definir

Essa etapa é necessária para identificar quais são os reais problemas dos usuários. Na fase de definição, utilize os dados reunidos na fase de empatia para obter informações e traçar pontos em comum da user experience.

Há um ponto de dor comum entre muitos usuários diferentes? A partir desse questionamento é possível identificar as necessidades dos usuários não atendidas. Com isso, comece a buscar possibilidades de otimização e inovação.

6 dicas para montar seu portfólio de UX Design.
Jornada do usuário

Idealizar (ideate)

Nesta fase, é muito importante realizar uma integração geral dos times dentro da empresa. Por isso, junte o máximo de pessoas possível, principalmente, de diferentes áreas e perfis e pensem em muitas ideias diferentes. É o momento de compartilhar e juntar opiniões.

Faça um brainstorm de ideias criativas que abordam as necessidades não atendidas dos usuários identificadas na fase de definição. Por isso, é importante que os integrantes se sintam com liberdade para expressar e dar opiniões. Qualquer idéia pode ser muito valiosa nesse momento.

Protótipo

Após reunir diversas ideias, é a hora de averiguar a aplicação delas. Pensando nisso, crie representações reais para um subconjunto de ideias, ou seja, um protótipo. O objetivo dessa fase é entender quais componentes das ideias funcionam e quais não funcionam.

Nesta fase, deve-se pesar o impacto versus a viabilidade das soluções apresentadas através de feedback sobre seus protótipos.

Como aplicar isso? Se for uma nova landing page, desenhe um wireframe e peça um feedback da sua equipe. Realize as alterações cabíveis e peça a opinião para outro grupo de pessoas.

Dica: confira esse vídeo de um protótipo de papel para projeto de Wikipedia proposto pelo curso Bootcamp Master Interface Design.

Protótipo de papel Wikipedia — Estudo do aluno André Borges

Teste

Após todas essas etapas, mudanças e insights, refaça o teste de usabilidade no seus usuários para feedback. Na hora de observar é necessário pensar sobre: “Essa solução atende suas reais necessidades?” e “Melhorou o modo como eles se sentem, pensam ou realizam suas tarefas?”

Reflita também sobre se a perspectiva dos usuários durante a integração que foi aprimorada. Além disso, questões como se a nova landing page aumenta o tempo ou o dinheiro gasto em seu site também deve ser considerada.

Nessa fase, seu protótipo já estará pronto para exibir ao cliente final, mas durante o desenvolvimento do projeto, continue realizando teste para sempre aprimorar o produto.

Teste de usabilidade: o que você precisa saber.

Implementar

A parte de implementação é para materializar todo trabalho de criação que a equipe teve até agora. A inovação só vem se a visão for executada.

Este sexto passo — implementar — é crucial. É importante também notar que o Design Thinking não exclui o trabalho prático do Design. Veja a citação abaixo:

“There’s no such thing as a creative type. As if creativity is a verb, a very time-consuming verb. It’s about taking an idea in your head, and transforming that idea into something real. And that’s always going to be a long and difficult process. If you’re doing it right, it’s going to feel like work.” — Milton Glaser

O sucesso do Design Thinking reside na sua capacidade de transformar um aspecto da vida do usuário final.

A base do Design Thinking é sobre realizar ações e fazer as perguntas certas. É sobre mudanças simples de mentalidade ou formas de realizar perguntas de maneira diferente — uma nova maneira de olhar para os problemas.

Quer se aprofundar mais em Design Thinking?

Temos diversas empresas e grandes designers criando materiais de altíssima qualidade sobre Design Thinking, como IDEO, Stanford, IBM e outros. Irei recomendar aqui alguns conteúdos que sugiro que você utilize em seus estudos, mas tenha em mente que você consegue encontrar diversos outros materiais na internet e em livros.

1 — IBM Enterprise Design Thinking

Vídeo explicativo sobre o framework de Design Thinking da IBM
Vídeo explicativo sobre como a IBM está aplicando Design Thinking

2 — IDEO Design Thinking

Cursos da IDEO U sobre Design Thinking (Realizei 6 cursos deles, e posso recomendar):

Vídeos super interessantes da IDEO:

Fantástica entrevista com Tom Kelley, sócio-fundador da IDEO, sobre Design e Inovação nas corporações.
David Kelley, fundador da IDEO, explicando sobre Design Thinking

De tempos pra cá, se escuta muito sobre Design Centrado no Usuário e acredito que você já tenha no mínimo escutado sobre isso, certo? O interessante é que isso é o "boom" do momento, mas não é algo novo.

Assista a esse TED de 2007, em que David Kelley, fundador da IDEO, explica que o futuro do design é ser centrado no ser humano.

TED 2008 — David Kelley, IDEO: O futuro do design é ser centrado no ser humano.

3 — Livro: Change by Design: How Design Thinking Transforms Organizations and Inspires Innovation

Recomendo fortemente que você leia o livro do Tim Brown, ex-CEO da IDEO, que teve nova edição revisada lançada recentemente. https://www.amazon.co.uk/Change-Design-Revised-Updated-Organizations-ebook/dp/B079DPLX5V/


4 — Entrevista: Como Design Thinking transformou o Airbnb, de uma startup em fracasso, em um negócio bilionário


Você tem algum material bacana sobre Design Thinking para recomendar? Comenta ai com o link, certamente será ótimo para a comunidade Aela!