O que afetou minha habilidade de resolver problemas

Como meu aprendizado sobre design e seus campos impactou diretamente minha atual experiência como Lead em UX & UI Design

O que me inspirou a escrever esse texto foi o depoimento do Israel Mesquita, atualmente Product Designer na Seedrs, em seu artigo “Como minha criação atrofiou minha capacidade de resolver problemas”.

Há 3 meses como UX & UI Designer Lead na RingByName, Miami, vivencio uma descoberta profissional e pessoal, desafio e oportunidade de aplicar minha habilidade de resolver problemas. E, refletindo sobre o depoimento de Israel, comigo aconteceu o oposto…

O que houve, então, de diferente?

Quer conhecer um pouco mais da minha trajetória, saindo do Design Gráfico até chegar a Lead UX & UI Designer em uma empresa nos EUA? Confira a entrevista que dei para a Aela

Voltando um pouco no tempo

Durante meu curso de graduação em Design Gráfico na UEMG, a metodologia ensinada sempre nos indagava a entender o porquê das coisas para assim, justificar nossas escolhas e métodos.

Tal metodologia — se assim posso chamar — agregou muito ao meu senso estratégico e estético em todos os campos de design e, consequentemente, sobre tudo à minha volta.

Para criar uma única marca, utilizei métodos e vários processos — além de ferramentas de Design de Serviço — para identificar e resolver o problema antes de apresentar e entregar o resultado final.

Mal sabia que eu já estava lidando com processos de UX e UI!

Descobri o que significa Design, que, além de solucionar problemas,

Design is how the things work

Ainda nessa graduação, tive o primeiro contato com as áreas Design de Serviços e Design de Interação. Tive uma visão ampliada do que é construir algo focado na pessoa que utilizará o serviço e/ou produto.

Percebi e descobri que TUDO importa!

No exemplo acima, podemos ver desde como o café é colhido até a forma como o mesmo é servido ao usuário/cliente, dita a experiência e branding que a marca oferece.

Por que estou falando isso?

Pois percebi que a metodologia e/ou método é o que diferencia(m) as áreas de Design Gráfico, Design de Serviço e Design de Interação. Eu utilizei ferramentas de Design de Serviço para construir projetos de Design Gráfico!

E ao conhecer UX (experiência do usuário) mais afundo, vi também o quanto agrega — e/ou pode agregar — de métodos e ferramentas de Design de Serviço, e diferenciavam-se, pois UX lida com uma parte do Design de Serviço:

Contudo,

Sobre minha reflexão sobre o depoimento do Israel, complemento que a forma como nos é apresentado e/ou ensinado as coisas afeta, sim, o nosso desenvolvimento pessoal e profissional.

Além disso, quis retratar como o conceito de Design e Design de Serviço me afetou desde o período da minha graduação e está afetando diretamente minha atual experiência como Lead UX e UI Designer.

Há muito o que aprender sempre

Por fim, convido você sempre a estudar/procurar entender o macro e micro das coisas, para assim ligar os fatos, combinar (ou continuar combinando) ferramentas, métodos e metodologias sempre que possível, necessário e, claro, viável.

E você? O que te impactou ao longo da vida sua habilidade de solucionar problemas?



Quer acompanhar os próximos artigos da Bárbara Niriz e da comunidade Aela? Lembre-se de nos seguir aqui no Medium e assine nossa newsletter para receber novidades por email.