O que nosso maior fiasco no futebol pode ensinar à publicidade

O povo falou pra não ter Copa e ninguém ouviu.

Agora o povo quer que você leia esse texto.

Hoje é aniversário de um fato que todo mundo (brasileiros) adoraria esquecer. Naquela belíssima manhã de 8 de julho de 2014, acordamos felizes de uma maneira que o brasileiro só fica quando é feriado. Estávamos empolgados com a possibilidade da Seleção Brasileira ir à Final da Copa do Mundo e, naquele momento, ignoramos uma série de problemas que o time vinha apresentando. Há um ano fizemos a única coisa que dava: torcer.
Para comemorar com lágrimas — de bom humor — preparei um Sete-A-Um de coisas que a publicidade faz errado no dia a dia. Afinal, a gente nunca sabe quando pode evitar outra goleada dessas.
Preparem-se para o chucrute alemão.

1x0 — Gol da Alemanha

Marca não é logomarca

Não é só uma questão de termos, é uma questão ideológica. Logomarca existe tanto quanto gente de humanas fazendo miçanga na praia, mas achar que uma marca se resume apenas a um logotipo também está errado. As ações de uma empresa, e de cada colaborador que nela trabalha, definem muito mais uma marca do que símbolos. O problema da nossa Seleção não é só a CBF, é a atitude de cada um dentro e fora de campo. Assim como cada um de nós, a torcida das empresas merece mais.

2x0 — Gol da Alemanha

Achar que AQUELA grande ideia virá de um briefing

Um dos grandes paradoxos da publicidade: menosprezar a capacidade de um cliente e esperar por um briefing maravilhoso para começar a criar. Boa parte das campanhas premiadas em Cannes esse ano foram criadas por agências que nem possuíam a marca para a qual criaram como cliente. Alguns dos maiores gols da história foram feitos por jogadores que não esperaram a jogada acontecer. Eles foram lá e fizeram. Corra atrás do seu gol de placa.

3x0 — Gol da Alemanha

Esperar que clientes caiam milagrosamente do céu

Se dependesse da minha mãe, eu seria rei do mundo. Mesmo assim eu nunca me contentei quando ela dizia que algo estava “Ótimo!” e nem você deve. Por mais que você seja bom em algo, e eu tenho certeza que é, filhinho, sempre vai precisar correr atrás de trabalho. São poucas as pessoas que já tem fama suficiente para ficarem sentados esperando — e escolhendo — clientes. Não espere a bola no pé, Romário.

4x0 — Gol da Alemanha

Querer ser o melhor ao invés de querer ser diferente

Até o Barcelona perde. Ser o melhor não significa ser a prova de falhas e eu espero que você descubra isso do jeito simples. Você não precisa competir sempre, principalmente quando se posicionar como O Diferente do mercado te dá uma vantagem tão grande sobre os outros. Mesmo que você queira mesmo ser o melhor, sugiro que tente ser o diferente. É muito mais fácil ser o primeiro numa categoria em que só existe você do que disputar com outras pessoas/marcas. O melhor time do mundo muda sempre, mas existem algumas equipes tão diferentes (Carrossel Holandês) que duram para sempre. Qual dos dois você prefere?

5x0 — Gol da Alemanha

Trabalhar por leões, não por pessoas

Lendo várias opiniões de grandes criativos sobre o festival de Cannes, descobri duas coisas. A primeira: publicidade não sabe mais falar com públicos diferentes. Volta e meia uma campanha é acusada de sexismo ou até racismo, e grande parte disso tem a ver com a segunda: nós nem tentamos mais. Entendo que premiações sejam necessárias para manter o tesão criativo dentro da agência, mas quando você cria pensando em prêmio e não nas pessoas o seu trabalho fica vazio.

Seu público alvo nunca será uma estátua de ouro.

É como ter um time que joga pelo dinheiro e não por amor à camisa. Se isso te irrita no futebol, por que não te incomoda na profissão?

6x0 — Gol da Alemanha

#SomosTodosTodos

Uma andorinha só não faz verão. Essa frase, que já fez até parte de um axé em Salvador (e eu não me orgulho de saber isso), também serve para a publicidade. Nem freela você faz sozinho, considerando que às vezes precisa buscar inspiração. Quanto mais cabeças pensantes trabalharem em uma tarefa, melhor.

Conte sempre com a opinião — e as ideias — das pessoas, independente do estágio em que o trabalho se encontra. Da mesma forma que você tem insights criativos, outra pessoa também pode ter um que vai ajudar muito no processo. Nem Pelé ganhou jogos sozinhos, a não ser peladas de final de semana. Conte com o seu time para vencer, por mais brega que isso possa parecer. Tenho certeza que você não é peladeiro na sua profissão.

50 Cent narrando a goleada. O choro é sempre livre.

7x0 — Gol da Alemanha

Ninguém é senhor da razão

Publicidade é fé, não arrogância. Comunicação não é uma ciência exata porque falamos com humanos, não com máquinas. Isso vale para qualquer ponto da sua vida, incluindo DRs. Por mais que você tenha certeza de algo, que não seja 100%. Dê margens para dúvidas e escute as outras pessoas. Você nunca sabe quando a opinião daquele estagiário pode evitar uma catástrofe na campanha. O povo já convocou jogadores para a Seleção no passado e nós fomos campeões com isso.

7x1 — VAMO VIRAR BRASIL!

A (Cri)ação é agora

O Brasil talvez seja o melhor país do mundo para criar. Nós somos uma mistura de misturas e não existe nenhum outro lugar que ofereça um desafio tão grande e tão prazeroso na hora de criar. Temos a ginga, falta a mentalidade.

Assim como os times de futebol, os times de criação também podem jogar bonito e criar coisas absolutamente fantásticas. Só depende de nós mudar esse placar.

Gostou? Então não deixe de conferir a Binkologia da Copa aqui.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Bruno Lacerda’s story.