+ CIA, NSA, Pentágono e… Hollywood?

Sobre como o Cinema é Pau-Mandado do Governo Americano

copyright Derek Swansonn

Se você acha que a maioria dos filmes de Hollywood tem um roteiro que sempre parece patriótico demais para a vida real, não é impressão sua, é de caso pensado. E quando eu digo "pensado", quero dizer nas salas de reunião e corredores de certos prédios de agências de inteligência civis e militares.

A enorme reportagem de um crowdfunding de jornalistas investigativos teve acesso a documentos que revelam: cerca de 1.800 filmes e séries de TV foram diretamente editadas e/ou influenciadas pelo Pentágono ou a CIA
E não estou falando de produções independentes numa categoria obscura do Netflix — a coisa vai desde a franquia "Transformers" passando por comédias como "Entrando Numa Fria" até o cúmulo de reality tv como o "Top Chef".


Em "Homem de Ferro", a instrução foi de não mencionar a altíssima taxa de suicídios entre as tropas (que hoje mata mais do que a guerra em si). 
Em "007 — O Amanhã Nunca Morre", chegou-se ao ridículo de mudar a piada que dizia que se houvesse uma guerra com o Vietnã, dessa vez talvez os EUA vencessem — talvez. Em "Hulk", cortou-se a alusão aos experimentos praticados nos próprios soldados americanos (de preferência negros e pobres) para se criar soldados superiores e/ou controlar pessoas.

A intenção na maioria dos casos é abafar ou fazer o público esquecer que os serviços militares e de espionagem não só vacilam como também cometem crimes. Em alguns filmes, a prática de tortura foi amenizada (sim, qualquer coisa que você tenha achado chocante em alguma película tipo "O Recruta", "A Hora Mais Escura" foi a versão para crianças, por assim dizer. Para não mencionar filmes que foram propositalmente inviabilizados porque teriam que tocar em polêmicas como o caso Irã-Contras e comércio de drogas da CIA. Já se perguntou por que só agora "Top Gun 2" foi aprovado? Acredite, certos projetos foram abortados por causa das restrições à verdade.

Basicamente — e você já deve ter percebido isso — a recomendação é: o inimigo é um agente rebelde do país, um estrangeiro ou empresa corrupta. Jamais pode ser uma equipe oficial, ou ao menos, não nos filmes que dependem da aprovação do Pentágono. Chamou a atenção que os manuais de tortura da CIA foram retirados da cena em "Entrando Numa Fria" na época que ninguém fazia ideia que a Agência pegava pesado. Hoje sabemos.


Sabendo que os Militares metem o bedelho até em shows como o da Oprah, tenho certeza de que nunca mais veremos "Missão Impossível" com os mesmos olhos. Ou qualquer filme do Michael Bay. Pra quem assiste algum.