As Relações entre os Sexos e a Luta de Classes

Entre os múltiplos problemas que perturbam a humanidade, ocupa, indiscutivelmente, um dos primeiros postos, o problema sexual. Não há uma só nação, um só povo em que a questão das relações entre os sexos não adquira cada dia um caráter mais violento e doloroso. A humanidade contemporânea passa por uma crise sexual aguda. Uma crise que se prolonga e que, portanto, é muito mais grave e difícil de resolver.

No curso da história da humanidade não encontraremos, seguramente, outra época na qual os problemas sexuais tenham ocupado, na vida da sociedade, um lugar tão importante, atraindo como por arte de magia, as atenções de milhões de homens. Em nossa época, mais do que em nenhuma outra da história, os dramas sexuais constituem fonte inesgotável de inspiração para os artistas de todos os gêneros da Arte.

Como a terrível crise sexual se prolonga, seu caráter crônico adquire maior gravidade e mais insolúvel nos parece a situação presente. Por isto, a humanidade contemporânea lança-se ardentemente sobre todos os meios conjecturáveis que tornem possível uma solução para o maldito problema. Mas, a cada nova tentativa de solução, mais se complica o complexo emaranhado das relações entre os sexos, dando-nos a impressão de que seria impossível descobrir o único fio que nos serviria para desatar o complicado nó. A humanidade, atemorizada, precipita-se de um extremo ao outro. Mas, o círculo mágico da questão sexual permanece tão hermeticamente fechado como antes.

Os elementos conservadores da sociedade concluem que é imprescindível voltar aos felizes tempos passados, restabelecer os velhos costumes familiares, dar novo impulso às normas tradicionais da moral sexual. “É preciso destruir todas as proibições hipócritas prescritas pelo código da moral sexual corrente. E chegado o momento de se abandonar esta velharia inútil e incômoda… A consciência individual, a vontade individual de cada ser é o único legislador em uma questão de caráter tão íntimo” — ouve-se esta afirmação nas fileiras do individualismo burguês. “A solução para os problemas sexuais só poderá ser encontrada com o estabelecimento de uma nova ordem social e econômica, com uma transformação fundamental de nossa atual sociedade” — afirmam os socialistas. Precisamente, porém, este esperar pelo amanhã não indica que tampouco nós conseguimos apoderar-nos do fio condutor? Não deveríamos, pelo menos, encontrar ou localizar este “fio condutor” que promete desvendar o nó? Não devemos encontrá-lo agora, neste exato momento? O caminho a seguir nesta investigação nos oferece a mesma história das sociedades humanas, nos oferece a história de luta ininterrupta de classes e dos vários grupos sociais, em oposição por seus interesses e tendências.

Não é a primeira vez que a humanidade atravessa um período de aguda crise sexual. Não é a primeira vez que as aparentemente firmes e claras prescrições da moral cotidiana, no domínio da união sexual, são destruídas pelo afluxo de novos ideais sociais. A humanidade passou por uma época de crise sexual verdadeiramente aguda durante os períodos do Renascimento e da Reforma, no momento em que uma formidável modificação social relegava a segundo plano a aristocracia feudal, orgulhosa de sua nobreza, acostumada ao dominar sem limitações, e em seu lugar emergia uma nova força social, a burguesia ascendente, que crescia e se desenvolvia cada vez mais, com maior impulso e poder.

O código da moral sexual do mundo feudal, nascido no seio da sociedade aristocrática, com um sistema de economia comunal e baseado nos princípios autoritários de castas, devorava a vontade individual dos membros dessa sociedade que tentavam permanecer isolados. O velho código moral entrava em choque com novos princípios, que novos princípios, que eram impostos pela classe burguesa em formação. A moral sexual da nova burguesia baseava-se em princípios radicalmente opostos aos princípios morais mais essenciais do código feudal. Em substituição ao princípio de castas, aparecia uma severa individualização: os estreitos limites da pequena família burguesa. O fator de colaboração, essencial na sociedade feudal, característica de sua economia comunal, tanto como da economia regional, era substituído pelo princípio da concorrência. Os últimos vestígios de ideias comunais, próprias dos diversos graus de evolução das castas, foram ultrapassados pelo triunfante princípio da propriedade privada.

A humanidade, perdida durante o processo de transição, ficou em dúvida, durante vários séculos, entre os dois códigos sexuais, de espírito tão diverso, e permaneceu ansiosa por adaptar-se à situação, até o momento em que a vida transformou as velhas normas, alcançando, pelo menos, uma forma harmoniosa, uma solução quanto ao aspecto externo.

Porém, durante esta época de transição, tão viva e cheia de colorido, a crise sexual, apesar de revestida de caráter crítico, não se apresentou de uma forma tão grave e ameaçadora como em nossa época. Isto se deveu ao fato de que, durante os gloriosos dias do Renascimento, durante aquele novo século, iluminado pela nova cultura espiritual, que coloria o agonizante mundo da Idade Média, pobre de conteúdo, apenas uma parte relativamente reduzida da sociedade experimentou a crise sexual. O campesinato, camada social mais considerável da época, do ponto de vista quantitativo, sofreu as consequências da crise sexual de forma indireta, quando, por lento processo secular se transformavam as bases econômicas em que esta classe se fundamentava, isto é, unicamente à medida em que evoluíam as relações econômicas.

As duas tendências opostas lutavam nas camadas superiores da sociedade. Neste terreno, enfrentavam-se os ideais e as normas das duas concepções diversas da sociedade. E era onde, precisamente, a crise sexual, cada vez mais grave e ameaçadora, fazia suas vítimas. Os camponeses, rebeldes a qualquer inovação, classe apegada a seus princípios, continuavam apoiando-se nos sustentáculos das tradições e o código da moral sexual tradicional permanecia inalterável. Só se transformava, não se abrandava. Adaptava-se às novas condições da vida econômica, sob a pressão da grande necessidade. A crise sexual, durante a luta entre o mundo burguês e o mundo feudal, não afetou a classe tributária.

E mais, ao arruinar-se, classe camponesa apegava-se às tradições com maior força. Apesar de todas as tempestades que desabavam sobre sua cabeça, que abalavam até o solo que pisavam, a classe camponesa, em geral, e particularmente, os camponeses russos tentaram conservar, durante séculos e séculos, em sua forma primitiva, os princípios essenciais de seu código moral sexual.

O problema de nossa época apresenta um aspecto totalmente distinto. A crise sexual não perdoa sequer a classe camponesa. Como doença infecciosa, não reconhece nem graus, nem hierarquias, contamina os palácios, as aldeias e os bairros operários, onde vivem amontoados milhares de seres. Penetra nos lares burgueses, abre caminho até à miserável e solitária aldeia russa, elege suas vítimas, tanto entre os habitantes da cidade provinciana burguesa da Europa, quanto nos úmidos sótãos, onde se amontoa a família operária, e nas enegrecidas choças do camponês. Para a crise sexual não há obstáculos nem ferrolho. É um profundo erro acreditar que a crise sexual só alcança os representantes das classes que têm uma posição econômica materialmente segura. A indefinida inquietação da crise sexual franqueia, cada vez com maior frequência, a porta das habitações operárias, causando tristes dramas, que por sua intensidade de dor, não tem nada a dever aos conflitos psicológicos do mundo burguês. Porém, justamente porque a crise sexual não ataca somente os interesses dos que tudo possuem, precisamente porque estes problemas sexuais afetam também uma classe social tão numerosa como o proletariado de nossos tempos, é incompreensível e imperdoável que esta questão vital, essencialmente violenta e trágica, seja considerada com tanta indiferença. Entre as múltiplas ideias fundamentais que a classe trabalhadora deve levar em conta em sua luta para a conquista da sociedade futura, deve estar, necessariamente, o estabelecimento de relações sexuais mais sadias e que, portanto, tornem a humanidade mais feliz.

É imperdoável nossa atitude de indiferença diante de uma das tarefas essenciais da classe trabalhadora. É inexplicável e injustificável que o vital problema sexual seja relegado, hipocritamente, ao arquivo das questões puramente privadas. Por que negamos a este problema o auxílio da energia e da atenção da coletividade? As relações entre os sexos e a elaboração de um código sexual que regulamente estas relações aparecem na história da humanidade, de maneira invariável, como um dos fatores da luta social. Nada mais certo do que a influência fundamental e decisiva das relações sexuais de um grupo social e determinado no resultado da luta dessa classe com outra, de interesses opostos.

O drama da humanidade atual é desesperador porque, enquanto diante de nossos olhos são destruídas as formas banais de união sexual e são desprezados os princípios que as regiam, das camadas mais baixas da sociedade se elevam frescos aromas desconhecidos, que nos fazem conceber esperanças risonhas sobre uma nova forma de vida e impregnam o espírito humano com a nostalgia de ideais futuros, mas cuja realização não parece possível. Nós, homens do século em que domina a propriedade capitalista, de um século onde transbordam as agudas contradições de classe; nós, homens imbuídos da moral individualista, vivemos e pensamos sob o funesto símbolo de invencível alheamento moral. A terrível solidão que o homem sente nas imensas cidades populosas, nas cidades modernas tão irrequietas e tentadoras; a solidão, que não é dissipada pela companhia de amigos e companheiros, é que o impulsiona a buscar, com avidez doentia, a sua ilusória alma gêmea, num ser do sexo oposto, visto que só o amor possui o mágico poder de afugentar, embora momentaneamente, as angústias da solidão.

Em nenhuma outra época da história os homens sentiram com tanta intensidade a solidão moral. Necessariamente tem que ser assim. A noite é muito mais impenetrável quando ao longe vemos brilhar uma luz. Os homens individualistas de nossa época, unidos por débeis laços à comunidade ou a outras individualidades, veem brilhar ao longe uma nova luz: a transformação das relações sexuais mediante a substituição do cego fator fisiológico pelo novo fator criador da solidariedade, da camaradagem.

A moral da propriedade individualista de nossos tempos começa a afogar os homens. O homem contemporâneo não se contenta em criticar as relações entre os sexos, em negar as formas exteriores prescritas pelo código da moral vigente. Sua alma deseja a renovação da essência das relações sexuais, deseja ardentemente encontrar o verdadeiro amor, essa grande força confortadora e criadora que é a única capaz de afugentar a solidão de que padecem os individualistas contemporâneos. Se é certo que a crise sexual está condicionada em suas três partes pelas relações externas de caráter econômico-social, não é menos certo que a outra quarta parte de sua intensidade é devida, à nossa refinada psicologia individualista, que com tanto cuidado a dominante ideologia burguesa cultivou. A humanidade contemporânea, como disse, acertadamente, Meisel-Hess, é muito pobre em potencial de amor. Cada um dos sexos busca o outro com a única esperança de conseguir a maior satisfação possível de prazeres espirituais e físicos para si. Cada um utiliza o outro como simples instrumento. O amante ou o noivo não pensa nos sentimentos, no trabalho psicológico que se efetua na alma da mulher amada.

Talvez não haja nenhuma outra relação humana como as relações entre os sexos, na qual se manifeste com tanta intensidade o individualismo grosseiro que caracteriza nossa época. Absurdamente se imagina que basta ao homem, para escapar à solidão moral que o rodeia, o amor, exigir seus direitos sobre a outra pessoa. Espera assim, unicamente, obter esta sorte rara: a harmonia da afinidade moral e a compreensão entre dois seres. Nós, os indivíduos dotados de uma alma que se fez grosseira pelo constante culto de nosso eu, cremos que podemos conquistar sem nenhum sacrifício a maior das sortes humanas, o verdadeiro amor, não só para nós, como também para nossos semelhantes. Cremos poder conquistar isso sem dar em troca a nossa própria personalidade.

Pretendemos conquistar a totalidade da alma do ser amado, mas, em compensação, somos incapazes de respeitar a mais simples fórmula do amor: acercarmo-nos do outro dispostos a dispensar-lhe todo o gênero de considerações. Esta simples fórmula nos será unicamente inculcada pelas novas relações entre os sexos, relações que já começaram a se manifestar e que estão baseadas também, em dois princípios novos: liberdade absoluta, por um lado, e igualdade e verdadeira solidariedade entre companheiros, por outro. Entretanto, por enquanto, a humanidade tem que sofrer, ainda, a solidão moral e não há outro remédio senão sonhar com uma época melhor na qual todas as relações humanas se caracterizem por sentimento de solidariedade, que serão possíveis por causa das novas condições da existência. A crise sexual é insolúvel sem que haja uma transformação fundamental da psicologia humana; a crise sexual só pode ser vencida pela acumulação de potencial de amor. Mas, essa transformação psíquica depende completamente da reorganização fundamental das relações econômicas sobre os fundamentos comunistas. Se recusarmos esta velha verdade, o problema sexual não terá solução.

Apesar de todas as formas de união sexual que a humanidade experimenta hoje em dia, a crise sexual não se resolveu em nenhum lugar. Não se conheceu em nenhuma época da história tantas formas diversas de união entre os sexos. Matrimônio indissolúvel, com uma família solidamente constituída, e a seu lado a união livre, passageira; o adultério conservado no maior segredo, ao lado do matrimônio e da vida em comum de uma moça solteira com o seu amante; o matrimônio por trás da Igreja, o matrimônio de dois, o matrimônio triângulo e, inclusive, a forma complicada do matrimônio de quatro, sem contar as múltiplas variantes da prostituição. Ao lado destas formas de união, entre os camponeses e a pequena burguesia, encontramos vestígios dos velhos costumes de casta, mesclados com os princípios em decomposição da família burguesa e individualista; a vergonha do adultério, a vida em concubinato entre o sogro e a nora e a liberdade absoluta para a jovem solteira. Sempre a mesma moral dupla. As formas atuais de união entre os sexos são contraditórias e complicadas, de tal modo, que nos interrogamos como é possível que o homem que conservou em sua alma a fé na firmeza dos princípios morais possa continuar admitindo essas contradições e salvar esses critérios morais irreconciliáveis, que necessariamente se destroem um ao outro. Precisamente, o trabalho a realizar consiste em fazer com que surja essa nova moral: é preciso extrair do caos as normas sexuais contraditórias da época presente, as premissas dos princípios que correspondem ao espírito da classe revolucionária em ascensão.

Além do individualismo extremado, defeito fundamental da psicologia da época atual, de um egocentrismo transformado em culto, a crise sexual agrava-se muito mais com outros dois fatores da psicologia contemporânea:

  1. – a ideia do direito de propriedade de um ser sobre o outro; e
  2. – o preconceito secular da desigualdade entre os sexos em todas as esferas da vida.

A ideia da propriedade inviolável do esposo foi cultivada com todo o esmero pelo código moral da classe burguesa, com sua família individualista encerrada em si mesma, construída totalmente sobre as bases da propriedade privada. A burguesia conseguiu com perfeição inocular essa ideia na psicologia humana. O conceito de propriedade dentro do matrimônio vai hoje em dia muito além do que ia o conceito da propriedade nas relações sexuais do código aristocrático. No curso do longo período histórico que transcorreu sobre o signo do princípio de casta, a ideia da posse da mulher pelo marido (a mulher carecia de direitos de propriedade sobre o marido) não se estendia além da posse física, mas sua personalidade lhe pertencia completamente.

Os cavaleiros da Idade Média chegavam inclusive a reconhecer nas suas esposas o direito de ter admiradores platônicos e de receber o testemunho desta adoração pelos cavaleiros e menestréis. O ideal da posse absoluta, da posse não só do eu físico, mas também do eu espiritual por parte do esposo, o ideal, que admite uma reivindicação de direitos de propriedade sobre o mundo espiritual e moral do ser amado, é que se formou na mente e foi cultivado pela burguesia com o objetivo de reforçar os fundamentos da família, para assegurar sua estabilidade e sua força durante o período de luta para conquista de seu predomínio social. Esse ideal não só o recebemos como herança, como também chegamos a pretender que seja considerado um imperativo moral indestrutível. A ideia da propriedade se estende muito além do matrimônio legal. É um fator inevitável que penetra até na união amorosa mais livre. Os amantes de nossa época, apesar de seu respeito teórico pela liberdade, só se satisfazem com a consciência da fidelidade psicológica da pessoa amada. Com o fim de afugentar o fantasma ameaçador da solidão, penetramos, violentamente, na alma do ser amado, com uma crueldade e uma falta de delicadeza que será incompreensível à humanidade fritura. Da mesma forma pretendemos fazer valer nossos direitos sobre o seu eu espiritual mais íntimo. O amante contemporâneo está disposto a perdoar mais facilmente ao ser querido uma infidelidade física do que uma infidelidade moral e pretende que lhe pertença cada partícula da alma da pessoa amada, que se estenda mais além dos limites de sua união livre. Considera tudo isto como um desperdício, como um roubo imperdoável de tesouros que lhe pertenciam, exclusivamente e, portanto, como um saque cometido à sua revelia.

Tem a mesma origem a absurda indelicadeza que cometem constantemente dois amantes com relação a uma terceira pessoa. Todos tivemos ocasião de observar um fato curioso que se repete continuamente: dois amantes, que mal tiveram tempo de conhecer-se em suas relações múltiplas, apressam-se a estabelecer seus direitos sobre as relações sexuais do outro e intervir no mais sagrado e no mais íntimo de sua vida. Seres que ontem eram dois estranhos, hoje, unicamente porque os unem sensações eróticas, apressam-se a apossar-se da alma do outro, a dispor da alma desconhecida e misteriosa sobre a qual o passado gravou imagens inapagáveis e a instalar-se no seu interior como se estivesse em sua própria casa. Esta ideia da posse recíproca de um casal amoroso estende seu domínio de tal forma que pouco nos surpreende um fato tão anormal quanto o seguinte: dois recém-casados viviam até ontem cada um com a sua própria vida; no dia seguinte à sua união, cada um deles abre sem o menor escrúpulo a correspondência do outro inteirando-se consequentemente, do conteúdo da carta procedente de uma terceira pessoa que só tem relação com um dos esposos e se converte em propriedade comum. Uma intimidade desse gênero só se pode adquirir como resultado de uma verdadeira união entre as almas no curso de uma longa vida em comum, de amizade posta à prova. O que se busca, em geral, é legitimar essa intimidade, baseando-se na ideia equivocada de que comunhão sexual entre dois seres é suficiente para estender o direito de propriedade sobre o ser moral da pessoa amada.

O segundo fator que deforma a mentalidade do homem contemporâneo e que agrava a crise sexual é a ideia de desigualdade entre os sexos, desigualdade de direitos e desigualdade no valor de suas sensações psico-fisiológicas. A moral dupla, característica do código burguês e do código aristocrático, envenenou durante séculos a psicologia de homens e mulheres e tomou muito mais difícil livrar-se de sua influência venenosa do que das ideias referentes à propriedade de um esposo sobre o outro, herdadas da ideologia burguesa. A concepção de desigualdade entre os sexos, até no domínio psico-fisiológico, obriga à aplicação constante de medidas diversas para atos idênticos, segundo o sexo que os haja realizado. Um homem de ideias avançadas no campo burguês, que soube desde algum tempo superar as perspectivas do código da moral em uso, será incapaz de subtrair-se à influência do meio ambiente e emitirá um juízo completamente distinto, segundo se trate do homem ou da mulher. Basta um exemplo vulgar: imaginemos que um intelectual burguês, um cientista, um político, um homem de atividades sociais, ou seja, uma personalidade, se enamore de sua cozinheira (fato que, aliás, se dá com bastante frequência) e chegue, inclusive, a casar-se com ela. Modificará a sociedade burguesa por este fato sua conduta em relação à personalidade desse homem? Porá em questão sua personalidade? Duvidará de suas qualidades morais? Naturalmente, não. Agora vejamos outro exemplo: uma mulher pertencente à sociedade burguesa, uma mulher respeitável, considerada, uma professora, médica ou escritora; uma mulher, em suma, com personalidade, se enamora de um criado e chega ao clímax do escândalo, consolidando esta questão com um matrimônio legal. Qual será a atitude da sociedade burguesa em relação a esta pessoa até agora respeitada? A sociedade, naturalmente, a mortificará com seu desprezo. Mas, será muito mais terrível se seu marido, o criado, possui uma bela fisionomia e outros atrativos de caráter físico. Nossa hipócrita sociedade burguesa julgará sua escolha da seguinte forma: até onde desceu essa mulher?

A sociedade burguesa não pode perdoar a mulher que se atreve a dar à escolha do marido um caráter individual. Segundo a tradição herdada dos costumes de casta, a sociedade pretende que a mulher continue levando em conta, no momento de entregar-se, uma série de considerações de graus e hierarquias sociais, a respeito do meio familiar e dos interesses da família. A sociedade burguesa não pode considerar a mulher independente da célula da família; é-lhe completamente impossível apreciá-la como personalidade fora do círculo estreito das virtudes e deveres familiares.

A sociedade contemporânea vai muito mais longe que a ordem antiga na tutela que exerce sobre a mulher. Não só lhe prescreve casar-se unicamente com homens dignos dela, como lhe proíbe, inclusive, que chegue a amar um ser que lhe é socialmente inferior. Estamos acostumados a ver como homens, de nível moral e intelectual muito elevado, escolhem para companheira de vida uma mulher insignificante e vazia, sem nenhum valor comparado ao valor do esposo. Apreciamos este fato como completamente normal e que, portanto, não merece sequer nossa consideração. Tudo que pode suceder é que os amigos “lamentem que Ivan Ivanitch tenha se casado com uma mulher insuportável”. O caso varia tratando-se de uma mulher. Então, nossa indignação não tem limites e a expressamos com frases como a seguinte: “Como é possível que uma mulher tão inteligente como Maria Petrovna possa amar uma nulidade assim! Teremos que pôr em dúvida sua inteligência. ”

Que determina essa maneira diferente de julgar as coisas? A que princípio obedece uma apreciação tão contraditória? Essa diversidade de critérios tem origem na ideia da desigualdade entre os sexos, ideia que tem sido inculcada na humanidade durante séculos e séculos e que acabou por apoderar-se de nossa mentalidade, organicamente. Estamos acostumados a valorizar a mulher, não como personalidade, com qualidades e defeitos individuais, independentemente de suas sensações psico-fisiológicas. Para nós, a mulher só tem valor como acessório do homem. O homem, marido ou amante, projeta sobre a mulher sua luz; é a ele e não a ela que tomamos em consideração como o verdadeiro elemento determinante da estrutura espiritual e moral da mulher. Em troca, quando valorizamos a personalidade do homem, fazemos por antecipação uma total abstração de seus atos no que diz respeito às relações sexuais.

A personalidade da mulher, pelo contrário, valoriza-se em relação à sua vida sexual. Este modo de apreciar o valor de uma personalidade feminina deriva do papel que representou a mulher durante séculos. A revisão de valores, neste domínio essencial, só se faz, ou melhor dizendo, só se indica, de modo gradual. A atenuação dessas falsas e hipócritas concepções só se realizará com a transformação do papel econômico da mulher na sociedade, com sua entrada nas fileiras do trabalho.

Os três fatores fundamentais que deformam a psicologia humana são os seguintes: o egocentrismo extremado, a ideia do direito de propriedade dos esposos entre si e o conceito da desigualdade entre os sexos no aspecto psicológico e físico. Esses três fatores são os que travam o caminho que conduz à solução do problema sexual. A humanidade não encontrará solução para este problema até que haja acumulado em sua psicologia suficientes reservas de sensações depuradas, até que se haja apoderado de sua alma o potencial do amor, até que o conceito da liberdade no matrimônio e na união livre seja um fato consolidado, em suma, até que o princípio da camaradagem haja triunfado sobre os conceitos tradicionais de desigualdade e de subordinação nas relações entre os sexos. Sem uma reconstrução total e fundamental da psicologia humana é insolúvel o problema sexual.

Mas, não será essa condição prévia uma utopia desprovida de base, utopia na qual os idealistas sonhadores baseiam suas considerações ingênuas? Tentemos aumentar o potencial de amor da humanidade. Acaso os sábios de todos os povos, desde Buda e Confúcio até Cristo, não se entregaram desde tempos remotos a essa tarefa?

Entretanto, há alguém que creia que o potencial do amor aumentou na humanidade? Reduzir a questão da crise sexual a utopias desse tipo, por muito bem-intencionadas que sejam, não significará praticamente um reconhecimento de impotência e uma renúncia à busca de soluções possíveis?

Vejamos se isto é certo. A reeducação fundamental do ser humano no domínio das relações sexuais não é algo impossível de se conseguir. A reeducação é possível porque não é algo que esteja em contraposição com a vida real. Precisamente, nos momentos atuais, observamos como se inicia um poderoso deslocamento social e econômico, suficiente para engendrar novas bases de vida no campo dos sentimentos e que, pelas condições que surgiram, estão de acordo com as exigências assinaladas acima.

Na sociedade atual avança um novo grupo social que tenta ocupar o primeiro posto e deixar de lado a burguesia, com sua ideologia de classe e seu código de moral sexual individualista. Esta classe ascendente, de vanguarda, leva necessariamente em seu seio os germens de novas relações entre os sexos, relações que, forçosamente, estarão ligadas a seus objetivos sociais de classe.

A complexa evolução das relações econômico-sociais, que se verifica diante de nossos olhos, que transtorna todas as nossas concepções sobre o papel da mulher na vida sexual e destrói os fundamentos da moral sexual burguesa, traz consigo dois fatos que, à primeira vista, parecem contraditórios. Por um lado, observamos os esforços infatigáveis da humanidade para adaptar-se às novas condições da economia social transformada, esforços que tendem ou a conservar as formas antigas, dando-lhe um novo conteúdo (manutenção da forma exterior do matrimônio indissolúvel e monógamo, mas ao mesmo tempo, o reconhecimento de fato da liberdade dos esposos), ou ao contrário a aceitação de novas formas que tragam em seu interior, ao mesmo tempo, todos os elementos do código moral do matrimônio burguês (a união livre na qual o direito de propriedade dos dois esposos unidos livremente ultrapassa os limites do direito de propriedade do matrimônio legal). Por outro lado, não podemos deixar de assinalar o aparecimento, vagaroso, porém invencível, de novas formas de união entre os sexos. Novas, não tanto pela forma, como pelo caráter que anima os seus preceitos.

A humanidade sonda com inquietação os novos ideais. Mas, basta examiná-los um pouco, detalhadamente, para neles reconhecer, apesar de seus limites não estarem suficientemente demarcados, os traços característicos, pelos quais se unem as tarefas do proletariado, classe social incumbida de se apoderar da fortaleza do futuro. Aquele que quer encontrar, no labirinto das normas sexuais contraditórias, os germens de relações futuras entre os sexos, mais sadias e que prometam libertar a humanidade da crise sexual, tem, necessariamente, que abandonar os bairros onde habitam as elites, com sua refinada psicologia individualista, e olhar as casas amontoadas dos operários, nas quais, em meio à obscuridade e, ao horror gerados pelo capitalismo, surgem, apesar de tudo, fontes que vivificam o amor e abrem caminho a um novo tipo de entendimento entre homens e mulheres.

Entre a classe operária, sob a pressão de duras condições econômicas e o jugo implacável da exploração capitalista, observa-se o duplo processo a que nos referimos. A influência destruidora do capitalismo, que aniquila todos os fundamentos da família operária, obriga o proletariado a adaptar-se, instintivamente, às condições do mundo que o cerca e provoca, portanto, uma série de fatos referentes às relações entre os sexos, análogos aos que se produzem, também, em outras camadas da sociedade. Devido aos salários reduzidos, retarda-se, contínua e inevitavelmente, a idade de contrair matrimônio do operário. Há um quarto de século, um operário podia casar-se dos vinte e dois aos vinte e cinco anos. Hoje em dia, o proletariado não pode estabelecer um lar antes dos trinta anos, aproximadamente. Além disso, quanto mais desenvolvidas estão as necessidades culturais entre os operários, mais valor concedem à possibilidade de seguir o ritmo na vida cultural, de ir ao teatro, de assistir conferências, ler jornais, consagrar o tempo que o trabalho não consome à luta sindical, à política, a uma atividade pela qual sentem atração, à arte, à leitura, etc.

Tudo isto contribui para que o operário contraia matrimônio com maior idade. Entretanto as necessidades fisiológicas não levam em conta o estado do bolso. São necessidades vitais das quais não se pode prescindir e o operário solteiro, tanto quanto o burguês solteiro, resolve seu problema na prostituição. Este fato é um sintoma da adaptação passiva da classe operária às condições desfavoráveis de existência. E, por causa do nível bastante baixo dos salários, a família operária vê-se obrigada a resolver o problema do nascimento dos filhos do mesmo modo que as famílias burguesas.

A frequência dos infanticídios e o desenvolvimento da prostituição são fatos que podem classificar-se dentro de uma só ordem. Ambos são meios de adaptação passiva do operário à espantosa realidade que o cerca. Mas, o que não se pode esquecer é que nesse processo não há nada que caracterize, propriamente, o proletariado. Essa adaptação passiva é própria de todas as classes sociais envolvidas pela evolução mundial do capitalismo.

A linha de diferenciação começa, precisamente, quando entram em jogo os princípios ativos e criadores. A delimitação começa onde já não se trata de uma adaptação, mas de uma reação à realidade que oprime. Começa onde nascem e se expressam novos ideais, onde surgem tímidas tentativas de relações sexuais dotadas de um espírito novo. Ainda mais: devemos assinalar que o processo de reação se inicia, unicamente, entre a classe operária.

Isto não quer dizer, de modo algum, que as outras classes e camadas da sociedade, principalmente a dos intelectuais burgueses que, pelas condições de sua existência social, se encontra mais próxima da classe operária, não se apoderem dos elementos novos que o proletariado cria e desenvolve. A burguesia, impulsionada pelo desejo instintivo de injetar vida nova às suas formas agonizantes, e diante da impotência de suas diversas formas de relações sexuais, aprende rapidamente novas formas com a classe operária. Mas, desgraçadamente, nem os ideais nem o código da moral sexual, elaborados gradativamente pelo proletariado, correspondem à moral das exigências burguesas de classe. Portanto, enquanto a moral sexual, nascida das necessidades da classe operária, converte-se para ela num instrumento novo da luta social, os modernismos de segunda mão que dessa moral extrai a burguesia, não fazem mais do que destruir, definitivamente, as bases de sua superioridade social.

A tentativa dos intelectuais burgueses de substituir o matrimônio indissolúvel pelos laços mais livres, mais facilmente desligáveis do matrimônio civil, atinge as bases da estabilidade social da burguesia, bases que não podem ser outras senão a família monogâmica baseada no conceito da propriedade.

Na classe operária, sucede tudo ao contrário. A maior liberdade na união entre os sexos condiz, totalmente, com as suas tarefas históricas fundamentais. E até podemos dizer que derivam diretamente dessas tarefas. O mesmo sucede com a negação do conceito de subordinação, no matrimônio, rompendo os últimos laços artificiais da família burguesa. O contrário acontece, na classe proletária. O fator de subordinação de um membro desta classe social a um outro é o mesmo que o conceito de proletariado. Não convém, de modo algum, aos interesses da classe revolucionária atar um de seus membros, visto que cada um de seus representantes, independentes diante de tudo, tem a incumbência e o dever de servir aos interesses de sua classe e não aos de uma célula familiar isolada. O dever do membro da sociedade proletária é antes de tudo contribuir para o triunfo dos interesses de sua classe, por exemplo, atuar nas greves e participar em todo o momento da luta. A moral com que a classe trabalhadora julga todos estes atos caracteriza com perfeita clareza a base da nova moral.

Suponhamos que um reputado financista, movido unicamente por seus interesses familiares, retire dos negócios seu capital, num momento crítico para a empresa. Sua ação, avaliada do ponto de vista da moral burguesa não pode ser mais evidente, porque os interesses da família devem estar em primeiro lugar. Comparemos agora este ato com a atitude dos operários diante do fura-greves, que retorna ao trabalho durante o conflito, para que sua família não passe fome. Os interesses da classe figuram em primeiro lugar, neste exemplo. Referimo-nos agora a um marido burguês que conseguiu, por amor e devoção à família, manter afastada a mulher de seus interesses, à exceção dos deveres de dona de casa e de mulher dedicada completamente aos cuidados dos filhos. O julgamento da sociedade burguesa será: um marido ideal que soube criar uma família ideal. Mas, qual seria a atitude dos operários para um membro consciente de sua classe que tentasse manter sua mulher afastada da luta social? A moral da classe exige, a custo inclusive da felicidade individual, a custo da família, a participação da mulher na luta pela vida que transcorre fora dos muros de seu lar. Manter a mulher em casa, colocar em primeiro lugar os interesses familiares, propagar a ideia dos direitos de propriedade absoluta de um esposo sobre sua mulher, são atos que violam o princípio fundamental da ideologia da classe operária, que destroem a solidariedade e o companheirismo, que rompem a união de todo o proletariado. O conceito de posse de uma personalidade sobre a outra, a ideia de subordinação e de desigualdade dos membros de uma só e mesma classe, são conceitos que contrariam a essência do conceito de camaradagem, que é o princípio mais fundamental do proletariado. Este princípio básico da ideologia da classe ascendente é o que dá colorido e determina o novo código em formação da moral sexual do proletário, pelo qual se transforma a psicologia da humanidade, chegando a adquirir uma acumulação de sentimento de solidariedade e de liberdade, ao invés do conceito de propriedade: uma acumulação de companheirismo ao invés dos conceitos de desigualdade e de subordinação.

Toda classe ascendente, nascida como consequência de uma cultura material distinta daquela que a antecedeu no grau anterior da evolução econômica, enriquece toda a humanidade com uma nova ideologia que lhe é característica. Esta afirmativa corresponde a uma velha verdade. O código da moral sexual constitui parte integrante da nova ideologia. Portanto, basta pronunciar as expressões ética proletária e moral proletária, para escapar da trivial argumentação: a moral sexual proletária não é no fundo mais do que uma superestrutura. Enquanto não se experimenta a total transformação da base econômica, não pode haver lugar para ela. Como se uma ideologia, seja qual for o seu gênero, não se formasse até que se produzisse a transformação das relações econômico-sociais necessárias para assegurar o domínio da classe que a gerou! A experiência da história ensina que a ideologia de um grupo social e, consequentemente, a moral sexual se elaboram durante o próprio processo da luta contra as forças sociais que se lhe opõem.

A classe revolucionária só pode fortalecer suas posições sociais com a ajuda de novos valores espirituais tirados de seu próprio seio e que correspondam totalmente às suas tarefas de força em ascensão. Só mediante novas normas e ideais pode esta classe arrebatar o poder dos grupos sociais opostos.

A tarefa que corresponde, portanto, aos ideólogos da classe operária é buscar o critério moral fundamental, produto dos interesses específicos da classe operária, e harmonizar com este critério as nascentes normas sexuais.

Já é hora de compreender que, unicamente depois de haver ensaiado o processo criador que se realiza mais embaixo, nas profundas camadas sociais, processo que engendra necessidades novas, novos ideais e formas, será possível visualizar o caminho, no caos contraditório das relações sexuais e desemaranhar a embaraçada meada do problema sexual.

Devemos recordar que o código da moral sexual, em harmonia com as tarefas fundamentais da classe, pode converter-se em poderoso instrumento, que reforce a posição de combate da classe revolucionária. Por que não utilizar este instrumento no interesse da classe operária, em sua luta para o estabelecimento do regime comunista e, por sua vez, também, estabelecer relações novas entre os sexos, que sejam mais perfeitas e felizes?

Primeira Edição: Publicado pela primeira vem em 1911. Traduzido da versão em Espanhol contida em https://www.marxists.org/espanol/kollontai/1911/001.htm
Tradução: Maria Luiza Oliveira