Por que vacinar meninos contra o HPV?

O HPV (do inglês, human papillomavirus) consiste em um grupo de vírus, com mais de 100 tipos, sendo que alguns, transmitidos sexualmente e considerados de alto risco, podem provocar o aparecimento de câncer. Dentre esses tipos de alto risco, transmitidos sexualmente, dois (o HPV 16 e o HPV 18) são responsáveis pela maioria dos cânceres relacionados ao HPV. A maior parte das infecções por vírus de alto risco não acarretam sintomas e desaparecem em um a dois anos sem tratamento. Algumas infecções com vírus de alto risco podem persistir por vários anos e causar lesões que, se não tratadas, podem provocar câncer.

Os cânceres mais frequentemente relacionados com infecção persistente por vírus HPV de alto risco são: câncer do colo do útero, câncer do ânus e câncer da boca e orofaringe (base da língua, palato mole e amígdalas). Qualquer pessoa que foi ou é sexualmente ativa (contato sexual genital, anal ou oral) pode ser infectada pelo HPV. Como a prevalência do vírus é alta, mesmo indivíduos com poucos ou com um único contato sexual podem ser contaminados pelo vírus.

A vacinação contra alguns tipos de HPV diminuem o risco de infecção, porém a vacina não é efetiva para tratar infecções ou doenças causadas pelo HPV. A vacinação, em serviços públicos de saúde, de meninas entre 9 a 13 anos já ocorre no Brasil desde 2014. A partir de janeiro de 2017, meninos entre 12 a 13 anos também poderão ser vacinados.

Por que vacinar os meninos? Primeiro, porque os cânceres relacionados ao HPV em homens (ânus, boca e orofaringe e pênis) não são passíveis de rastreamento como é o câncer do colo do útero e, por este motivo, são frequentemente encontrados em estágios mais avançados. Segundo, porque em países onde a cobertura vacinal em meninas é menor que 50% (caso do Brasil), vacinar meninos aumenta a cobertura vacinal e diminui a prevalência de HPV. O problema é que alguns estudos apontam que vacinar meninos, embora reduza os cânceres relacionados ao HPV em homens e mulheres, é menos efetivo do que aumentar a cobertura vacinal de meninas, pelo menos na população heterossexual.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.