Basta de ordem pública contra os de baixo!

Três militantes do MTST — Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto foram detidos em São Paulo, no dia 28, durante os protestos da Greve Geral. Luciano Antônio Firmino, 41 anos, Juraci Alves dos Santos, 57, e Ricardo Rodrigues dos Santos, 35, estão na 63º DP em prisão preventiva, sem prazo de duração, no aguardo de uma vaga prisional (http://bit.ly/2pORIAm). Não há provas sobre nenhum dos crimes de que são acusados: lançamento de rojão contra a Força Nacional e incêndio em via pública. Não foram encontrados resquícios de rojão no local em que Juraci e Rodrigo foram presos, nem no carro de Juraci ou até mesmo em uma Paróquia que a polícia invadiu atrás de provas. No caso de Luciano, nenhum pneu foi queimado onde estava. As únicas provas são os depoimentos dos policiais. 
 
 Não por acaso, Luciano, Juraci e Rodrigo são negros, em mais um caso de perseguição a essa população e de racismo institucional incrustado em nosso país. 
 
 Segundo a a juíza estadual Marcela Coelho, “as prisões são necessários para o mantenimento da ordem social”. Questionamos que ordem social é essa em que o direito à greve é criminalizado? Em que um capitão da Polícia Militar de Goiás provoca com uma cassetada traumatismo craniano em um estudante e fica impune (http://bit.ly/2p1dOvk)? Em que a PM do Rio de Janeiro interrompe falas de um vereador com bombas de gás lacrimongêno como nos tempos da ditadura civil-militar (http://bit.ly/2p1dg8K)? Que ordem social é essa que, enquanto indígenas denunciam o genocídio do seu povo no Acampamento Terra Livre em Brasília, sem serem escutados pelo poder público, mas sim recebidos com bombas pela Polícia Legislativa, seus parentes do Maranhão, os índios Gamelas, são esfaqueados e baleados por fazendeiros e capangas, acobertados pela polícia (http://bit.ly/2qp9Iye)? Que ordem social é essa em que, enquanto direitos trabalhistas são suprimidos a portas fechadas, retrocesso que vai agravar a precarização da vida do povo negro, dos povos originários, das mulheres, dos de baixo desse país, protestos são reprimidos com violência? A ordem social do Brasil está comprometida justamente por medidas criminalizatórias como a da juíza Marcela Coelho, que acoberta os exploradores de cima e encarcera os de baixo. 
 
 O Amigos DaTerra Brasil, como membro da Federação Amigos da Terra Internacional, presente em 75 países, e articulados regionalmente como Amigos da Terra América Latina e Caribe(Atalc Foei) pela Justiça Ambiental, denuncia as três prisões políticas da Greve Geral do dia 28. Solidariedade ao Luciano, Juraci, Rodrigo e suas famílias e ao Movimento do Trabalhadores Sem Teto. 
 
 Pela não criminalização de quem luta!
 Lutar não é crime!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.