Obrigada meu amor, Inglaterra.

Era um bilhete com viagem de Ida 2016 e Volta 2018, por favor.

Faz aproximadamente dois anos que decidi marcar uma viagem de avião só de ida. Tinha como destino a Inglaterra e uma cidade que mal sabia como se pronunciava o nome.

Decidi emigrar mesmo antes de emocionalmente ter decidido. A cabeça dizia que era a melhor aposta e o coração ia apertadinho.

Sempre sou racional ou invés de emocional em todas as minhas decisões.

Quis faze-lo sozinha. Não vim encontrar-me com ninguém. Fugi até de me cruzar com pessoas que me eram conhecidas. Foquei-me nos meus objectivos profissionais e desenvolvimento pessoal.

Há muito que afirmei que a minha estadia por Inglaterra seria temporária. Apesar de muita gente duvidar que alguma vez voltasse.

Comecei por vir por 6 meses. Voaram dois anos.
Vivi em 3 cidades diferentes com pessoas de idades e nacionalidades diferentes. Trabalhei para 4 chefes e os supervisores perdi-lhes a conta. Descobri talentos. Pratiquei desportos que nem sabia existirem. A experiência cultural nem sequer é mensurável e o meu crescimento foi a todos os níveis.

O momento chegou. O objectivo que me trouxe foi cumprido e continuar deixou de fazer sentido.

Não se iludam. Se há coisa que sempre afirmei foi que Inglaterra me ensinou a nunca fazer planos. E o de voltar não estava DE TODO planeado.

Aconteceu naturalmente após um meeting no trabalho. Percebi que não iria querer desempenhar as mesmas tarefas no próximo ano.

Este poderia ser um momento de “crise” para mim. Despedi-me e vou voltar a Portugal sem emprego. Mas, não é exactamente disso que se trata.

Devemos ser duros, frios isto é, completamente imparciais quando é a nossa vida que está em cima da mesa.

Não quis “vender” os meus princípios e por isso decidi despedir-me. A decisão de voltar só veio depois.

Podia continuar a juntar dinheiro, a viajar pelo mundo durante semanas, fazendo as tarefas que domino no trabalho e vivendo com os meus “novos” e fantásticos amigos. Tenho neste momento até uma alma-gémea britânica pela qual vou sentir muita falta.

E apesar de isso não ser mau, o pouco que acrescentava já não justifica acordar de manhã, convencer-me que isto era a minha vida com o preço de estar longe.

Vim para Inglaterra com a ideia de me aproximar de uma carreira. Considero que não poderia ter tomado melhores decisões enquanto aqui estive. Soube posicionar-me.

Estive tão próxima, mas tão próxima desse lugar que existem 3 pessoas com essa profissão no Reino Unido e cheguei a ter formação com 2 delas. Isto, em menos de dois anos.

Quero mais. Sempre quis mais e não iria ser capaz de continuar no mesmo registo.

Não é uma derrota. É um processo. Hoje sou uma pessoa completamente diferente daquela Ana de há dois anos atrás. Recomendo a experiência!

Hoje estou preparada para fazer o que há dois anos atrás estava fora do meu alcance: financeiramente e profissionalmente.

Com muito orgulho considero-me dona de mim mesma e da minha vida. Sou uma sortuda por ter a liberdade de fazer dela o que eu quiser. Toda a gente é. Mas nem toda a gente se apercebe desse poder.

Apesar de estar num processo de volta, não estou a retroceder. Gostaria de continuar a ser inspiração para outros até por isso mesmo!

Dominem o vosso dia-a-dia e olhem mais além. Tirem as palas dos olhos e cresçam para os lados ou até para trás.

Temos de encarar o futuro com peso e medida. O futuro é importante mas o dia de hoje é mais ainda. Não o desvalorizem!

Como dizia Steve Jobs — “Se hoje fosse o meu último dia de vida, eu gostaria de fazer o que eu tenho que fazer? E sempre que a resposta é ‘não’ por muitos dias seguidos, eu sei que preciso de mudar alguma coisa”

Este blog não termina porque vou voltar para Portugal. As minhas viagens não são um produto de marketing. Viajar tornou-se algo bastante importante para mim porque me faz lembrar que devemos ser felizes hoje e não lá à frente.

Hoje as malas de viagem não chegam para a bagagem que Inglaterra me deu. Estarei disponível para partilha-la por Portugal a partir do final do próximo mês de Fevereiro.

Com muito orgulho e um enorme obrigada

Meu amor,

Inglaterra ❤