Utilizando Kotlin Coroutines no Android

Wellington Costa
Feb 12 · 6 min read

Como trabalhar com operações assíncrona no Android de forma descomplicada e sem muitos mistérios.

Sabemos que aplicativos que apresentam uma boa performance e uma boa experiência de uso são bem recebidos pelo público-alvo. Não bloquear a interface de usuário enquanto uma operação está sendo realizada, como o carregamento de informações do banco de dados ou de um serviço web por exemplo, é uma boa prática que impacta diretamente na experiência de uso. E com o crescimento da internet e da quantidade de dados que são trafegados, se torna inviável realizar operações bloqueantes.

Dentre as várias formas de implementar operações assíncronas, o Kotlin trouxe a capacidade de realizar operações suspensíveis e não bloqueantes, chamada de coroutines.

Durante esse artigo iremos abordar as suspending functions, o conceito de coroutines, os dispatchers, que representam os contextos de execução de uma coroutine, como paralelizar processamento com coroutines, e por fim iremos demonstrar um exemplo prático no Android.

Antes de começar, recomendamos uma leitura sobre o conceito de thread caso o leitor não tenha muito conhecimento a respeito.


Suspending Functions

Suspending functions são funções que podem ser pausadas e resumidas durante sua execução sem bloquear a thread, até que sejam finalizadas.

Mas como assim suspender sem bloquear?

Conceitualmente falando, uma operação bloqueante, como o próprio nome sugere, tem o comportamento de bloquear a thread até que a operação seja finalizada, seja com sucesso ou porque uma exceção foi lançada. Em contra partida, operações suspensíveis caracterizam execuções que pode ser pausadas e retomadas em outro momento sem bloquear a thread, permitindo multitasking. Trazendo isso para o mundo Android, operações bloqueantes realizadas na main thread irão congelar a tela até que a operação seja finaliza, já as operações suspensíveis não terão o comportamento de congelar a tela.

Para criar uma suspending function, é necessário apenas adicionar a palavra reservada suspend na declaração da função:

Funções marcadas com o modificador suspend só podem ser chamadas por outras suspending functions ou dentro de uma coroutine.

Mas afinal, o que é uma coroutine?

Coroutines são em sua essência threads mais leves que consomem menos recursos computacionais e que são destinadas a execução de tarefas paralelas e não bloqueantes. As coroutines podem ser executadas em determinados contextos de acordo com o tipo de operação a ser executada, seja manipulando operações de I/O, processamento que envolve CPU ou manipulação de eventos de UI, mas detalharemos isso mais adiante.

Um exemplo de uma coroutine:

Para criar uma coroutine, existem duas funções para fazer isso, launch e async.

launch

A função launch cria uma coroutine e inicia esta em background e sem bloquear a thread a qual ela está associada. Caso não seja passado qual contexto onde a coroutine irá executar, ela herdará o contexto de onde ela está sendo inicializada. O tipo de retorno da função launch é do tipo Job, e este não produz nenhum tipo de retorno ao final da execução.

async

Para operações onde existe a necessidade de ter um resultado ao final da execução existe a função async. Assim como o launch, o async é uma coroutine em background que possui o mesmo ciclo de vida, pode ser executada em um contexto diferente, mas que produz um resultado ao final da execução. O tipo de retorno da função async é o tipo Deferred, e este possui uma função chamada await() que retorna o resultado produzido ao final da execução da função async.

Exemplo do async:

withContext

Para executar uma coroutine em um contexto específico, como uma operação que faz acesso ao disco ou que realiza uma série de processamentos matemáticos, existem os Dispatchers e a função withContext.

Existem os seguintes Dispatchers:

  • IO: para operações de entrada / saída de dados
  • Default: designado para operações que utilizam mais recursos de CPU
  • Main: utilizado em operações que manipulam componentes de UI
  • Unconfined: destinado para operações onde não existe a real necessidade de serem executadas em thread específica

E para aplicar um determinado dispatcher a uma coroutine, se faz necessário o uso da função withContext como mostra a seguir:

coroutineScope

Existem situações onde se faz necessário a paralelização de operações, como o carregamento dos dados de um usuário do Github e seus respectivos repositórios, e isso pode ser muito fácil de fazer com coroutines:

O ponto chave para permitir essa paralelização dos dados de forma correta é a função coroutineScope, pois ela cria um escopo pai para os asyncs que estão rodando em paralelo, e isso quer dizer que se algum async falhar, seja por falha de rede ou falha do serviço ou qualquer erro que seja, uma exception será lançada e essa irá subir para o escopo pai do coroutineScope, onde comportamento será de cancelar a outra operação que ainda pode estar em execução.


Aplicando Coroutines no Android

Durante esta seção iremos exemplificar o uso de Kotlin Coroutines no Android na construção de uma app que consulta dados dos usuários do Github através da API publica deles.

Primeiro de tudo vamos definir nossa interface para se comunicar com a API do Github, e para isso vamos utilizar o Retrofit:

Note que o tipo de retorno das funções é Deferred, e esse é o tipo de retorno da função async, a qual permite criar coroutines com um retorno ao final da execução, como foi dito anteriormente.

A seguir vamos demonstrar como fica a camada de repositório da app:

E a implementação:

Note que em cada função estamos dizendo em qual contexto ela deverá executar, no caso serão executadas no contexto de IO pelo fato de serem operações que envolvem leitura de dados.

E agora vem a implementação da nossa camada de ViewModel. Resolvemos criar uma implementação base que engloba as características necessárias que qualquer ViewModel deverá ter:

Essa implementação implementa a interface CoroutineScope que basicamente serve para dizer em qual contexto as coroutines daquele escopo serão executadas.

Na linha 3 estamos sobrescrevendo o valor padrão da propriedade coroutineContext para que as coroutines daquele contexto sejam executadas na main thread do Android.

Na linha 5 estamos definindo uma propriedade que representa uma lista do tipo Job, onde este é o tipo de retorno das funções launch.

Na linha 7 está sendo declarado uma função infixa para facilitar a adição de uma launch coroutine a lista de jobs.

Por fim, na linha 9 apresenta-se a sobrescrita da função onCleared() que é definida na classe ViewModel, e esta função é executada sempre que o ViewModel chega ao seu fim do ciclo de vida. Neste caso estamos sobrescrevendo para que todos os jobs que ainda não foram cancelados sejam cancelados, evitando possíveis memory leaks.

E por fim, temos a implementação do ViewModel que busca os usuários:

Estamos utilizando LiveData na camada de ViewModel para observar e aplicar mudanças na View.

Nas linhas 5, 6 e 7 estamos definindo nossas propriedades mutáveis que serão utilizadas internamente no ViewModel para guardar o estado dos dados.

Nas linhas 9, 10 e 11 estamos expondo as respectivas propriedades definidas nas linhas 5, 6 e 7, porém encapsuladas em funções e imutáveis.

Na linha 13 está sendo definido a função getAll(), onde esta busca todos os usuários no UserRepository e muda os valores das propriedades do ViewModel de acordo com a execução.

E por fim, na linha 28 apresenta-se a função getByUsername(), onde esta busca um usuário específico pelo seu username.

Vale ressaltar que todas as funções desse ViewModel executam coroutines do tipo launch, e essas serão executadas no contexto da main thread do Android como foi definido no CoroutineViewModel.


Então é isso, pessoal. Espero que este artigo ajude em dúvidas ou curiosidades sobre como utilizar Kotlin Coroutines no Android. Qualquer dúvidas deixe um comentário.

Os códigos deste artigo estão disponíveis no meu Github.

Até a próxima!

Android Dev BR

Artigos em português sobre Android, curados pela comunidade Android Dev BR. Junte-se a nós: slack.androiddevbr.org.

Wellington Costa

Written by

Don’t give up.

Android Dev BR

Artigos em português sobre Android, curados pela comunidade Android Dev BR. Junte-se a nós: slack.androiddevbr.org.